Pular para o conteúdo
Início » A CRISE MUNDIAL DO CORONA 2020/21 (IMPERDÍVEL)

A CRISE MUNDIAL DO CORONA 2020/21 (IMPERDÍVEL)

A Crise Mundial do Corona 2020-21: Destruindo a Sociedade Civil, Depressão Econômica Projetada, Golpe de Estado Global e o “Great Reset”

Global Research E-Book, Centro de Pesquisas sobre Globalização (CRG), atualizado em outubro de 2021

Publicado pela primeira vez em 10 de dezembro de 2020. Última atualização: 10 de outubro de 2021. Três novos capítulos.

***
.
Este e-book consiste em um prefácio e treze capítulos.

Estamos lidando com um processo extremamente complexo.

Ao longo dos últimos 20 meses, começando no início de janeiro de 2020, eu analisei quase diariamente a linha do tempo e a evolução da crise do Covid. Desde o início, em janeiro de 2020, as pessoas foram levadas a acreditar e aceitar a existência de uma epidemia perigosa e que progride rapidamente.

Eu sugiro que você leia primeiro os Destaques (abaixo), o Prefácio e Introdução antes de prosseguir com os capítulos II a XIII

Alternativamente, você pode querer ver o Vídeo do Global Reasearch intitulado: The 2021 Worldwide Corona Crisis (lançado em fevereiro de 2021), que fornece um resumo de 25 minutos.

Cada um dos treze capítulos fornece informações factuais, bem como análises nos seguintes tópicos:

O que é Covid-19, o que é SARS-CoV-2, como é identificado, como é estimado?

A linha do tempo e a evolução histórica da Crise Corona,

Os devastadores impactos econômicos e financeiros,

O enriquecimento de uma minoria social de bilionários,

Engenharia social e a desestabilização das instituições da sociedade civil,

Como as políticas de bloqueio desencadeiam o desemprego e a pobreza em massa no mundo todo,

Os impactos devastadores na saúde mental.

O E-book inclui a análise de medicamentos curativos e preventivos, bem como uma revisão da vacina de mRNA “mensageiro” Covid-19 da Big Pharma, que é uma droga “não aprovada” e “experimental” que afeta o genoma humano. (É uma droga perigosa. Veja o Capítulo VIII)

Também são analisados os problemas relativos à derrogação de direitos humanos fundamentais

Direitos, censura de médicos, liberdade de expressão e o movimento de protesto.

O último capítulo enfoca o desdobramento da crise da dívida global, o desestabilização dos governos nacionais, as ameaças à democracia, incluindo “Governança global” e o “Great Reset” proposto pelo Fórum Econômico Mundial.

Este E-Book é disponibilizado gratuitamente com o objetivo de chegar a pessoas em todo o mundo.

Desde a sua publicação em meados de dezembro de 2020, o E-Book foi consultado por mais de 300.000 leitores.

Os leitores podem entrar em contato com o Prof. Michel Chossudovsky em [email protected]

Vídeos

Clique no canto inferior direito para acessar a tela inteira.

O vídeo de setembro de 2021 com o Prof. Michel Chossudovsky fornece uma imagem ampla da crise em curso, bem como análise da “vacina” experimental para o covid19.

Destaques

Estamos na encruzilhada de uma das crises mais graves da história mundial. Estamos vivendo a história, mas nossa compreensão da sequência de eventos desde Janeiro de 2020 foi borrada.

Em todo o mundo, as pessoas foram enganadas tanto por seus governos quanto pela mídia quanto às causas e consequências devastadoras da “pandemia” do Covid-19.

A verdade não dita é que o novo coronavírus fornece um pretexto e uma justificativa para poderosos interesses financeiros e políticos corruptos para jogar o mundo inteiro em uma espiral de desemprego em massa, falência, pobreza extrema e desespero.

Mais de 7 bilhões de pessoas em todo o mundo são direta ou indiretamente afetadas pela crise do corona.

A “emergência” de saúde pública COVID-19 sob os auspícios da OMS foi apresentada à opinião pública como um meio (“solução”) para conter o “vírus assassino”.

Se o público tivesse sido informado e assegurado que o Covid é (de acordo com a definição da OMS) “semelhante à gripe sazonal”, a campanha do medo não funcionaria. O bloqueio e fechamento da economia nacional teria sido rejeitado imediatamente.

A primeira fase desta crise (fora da China) foi lançada pela OMS em 30 de janeiro de 2020 em um momento em que havia 5 casos nos EUA, 3 no Canadá, 4 na França e 4 na Alemanha.

Esses números justificam a declaração de uma emergência de saúde pública mundial?

A campanha do medo foi sustentada por declarações políticas e desinformação da mídia.

As pessoas estão assustadas. Elas são incentivadas a fazer o teste de PCR, que é defeituoso. Um teste PCR positivo não significa que você está infectado e / ou que você pode transmitir o vírus.

O teste RT-PCR é conhecido por produzir uma alta porcentagem de falsos positivos. Além disso, não identifica o vírus.

Desde o início, em janeiro de 2020, não havia nenhuma “base científica” para justificar o lançamento de uma emergência mundial de saúde pública.

Em fevereiro, a avassaladora crise foi acompanhada por uma grande quebra do sistema financeiro. Há evidências de fraude financeira.

E em 11 de março de 2020: a OMS declarou oficialmente uma pandemia mundial em um momento em que havia 44.279 casos e 1.440 mortes fora da China de uma população de 6,4 bilhões (estimativas de casos confirmados com base no Teste PCR).

Imediatamente após o anúncio da OMS de 11 de março de 2020, as instruções de confinamento e bloqueio foram transmitidas aos 193 países membros das Nações Unidas.

Sem precedentes na história, aplicado quase simultaneamente em um grande número de países, setores inteiros da economia mundial foram desestabilizados. As pequenas e médias empresas foram levadas a falência. O desemprego e a pobreza são crescentes.

Os impactos sociais dessas medidas não são apenas devastadores, eles estão em curso sob o que foi descrito como “Uma Segunda Onda”. Não há evidência de uma “Segunda Onda”. As amplamente documentadas estimativas de PCR são defeituosas.

Os impactos na saúde (mortalidade, morbidade) decorrentes do fechamento das economias nacionais superam em muito as atribuídas à Covid-19.

A fome eclodiu em pelo menos 25 países em desenvolvimento, de acordo com fontes da ONU.

A saúde mental de milhões de pessoas em todo o mundo foi afetada como um resultado do lockdown, distanciamento social, perda de empregos, falências, pobreza em massa e desespero. A frequência de suicídios e dependência de drogas tem aumentado em todo o mundo.

Diz-se que “V o vírus” é o responsável pela onda de falências e desemprego. Isso é uma mentira. Não há relação causal entre o (microscópico) vírus SARS-2 e variáveis econômicas.

São os financistas e bilionários poderosos que estão por trás deste projeto que tem contribuído para a desestabilização (mundial) da economia. E há ampla evidência de que a decisão de encerrar uma economia nacional (resultando em pobreza e desemprego) terá inevitavelmente um impacto sobre padrões de morbidade e mortalidade.

Desde o início de fevereiro de 2020, os super-ricos faturaram bilhões de dólares.

Amplamente documentada, é a maior redistribuição da riqueza global no mundo da história, acompanhada por um processo de empobrecimento mundial.


Imagem: Copyright fernandozhiminaicela , Pixabay


Este E-Book é disponibilizado gratuitamente com o objetivo de chegar a pessoas em todo o mundo.

Os leitores podem entrar em contato com o Prof. Michel Chossudovsky em [email protected]


Prefácio

A campanha do medo tem servido como instrumento de desinformação.

As mentiras da mídia sustentaram a imagem de um vírus assassino que inicialmente contribuiu para desestabilizar o comércio EUA-China e interromper as viagens aéreas. E então em fevereiro “V o Vírus” (que aliás é semelhante à gripe sazonal) foi tido como responsável por desencadear a mais grave crise financeira da história mundial.

E então, em 11 de março de 2020, um bloqueio foi imposto a 193 países membros das Nações Unidas, levando ao “fechamento” das economias nacionais no mundo todo.

A partir de outubro de 2020, uma “segunda onda” foi anunciada. “A pandemia não acabou”.

A campanha do medo prevalece. E agora as pessoas são levadas a acreditar que o a vacina do corona patrocinada por seus governos é a “solução”. E aquela “normalidade” será restaurada assim que toda a população do planeta tiver sido vacinada.

A vacina SARS-CoV-2

Como é que uma vacina para o vírus SARS-CoV-2, que em condições normais levariam anos para se desenvolver, foram prontamente lançadas no início Novembro de 2020? A vacina de mRNA anunciada pela Pfizer é baseada em um tecnologia de mRNA de edição de genes experimental que tem uma influência no genoma humano.

Os testes padrões de laboratório com animais foram conduzidos com ratos ou furões?

Ou a Pfizer foi direto para as “cobaias” humanas? Os testes em humanos começaram no final de julho e início de agosto. “Três meses é inédito para testar uma nova vacina. Vários anos é a norma.”

Nossos agradecimentos a Large e JIPÉM

Esta caricatura de Large + JIPÉM explica nossa situação:

Camundongo nº 1: “Você vai ser vacinado”,
Camundongo nº 2: “Você está louco, eles não terminaram os testes em Humanos”

E por que precisamos de uma vacina para Covid-19 quando tanto a OMS quanto o Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) confirmou inequivocamente que Covid-19 é “semelhante à gripe sazonal”.

O plano para desenvolver uma vacina é voltado para o lucro. É apoiado por governos corruptos servindo aos interesses da Big Pharma. O governo dos EUA já encomendou várias centenas de milhões de doses e a UE vai comprar um adicional de 1,8 bilhões de doses da Pfizer (quatro vezes a população da União Européia).

É muito dinheiro para a Big Pharma, recompensas generosas para políticos corruptos, pago pelos contribuintes.

Nos capítulos seguintes, definimos o vírus SARS-CoV-2 e o polêmico teste de RT-PCR que supostamente está sendo usado para “identificar fragmentos do vírus”, bem como estabelecer as “estimativas” dos chamados “casos positivos” (Capítulo III).

No Capítulo II, examinamos em detalhes a linha do tempo dos eventos desde outubro de 2019 levando ao histórico lockdown e confinamento de 11 de março de 2020.

Avaliamos as amplas consequências econômicas e sociais desta crise incluindo o processo de empobrecimento mundial e redistribuição de riqueza em favor dos super-ricos bilionários (Capítulos IV e V).

Os impactos devastadores das políticas de lockdown sobre a saúde mental são examinados no Capítulo VI.

O programa de vacinação da Big Pharma, que está sendo imposto a milhões de pessoas no mundo inteiro é revisado no Capítulo VIII. O Capítulo IX lembra o circunstâncias da pandemia de gripe suína H1N1, que acabou por ser uma farsa, patrocinada pela OMS.

O Capítulo X foca na “Identificação” do vírus. O SARS-CoV-2 foi isolado?

O Capítulo XI foca na Derrogação da Liberdade de Expressão e a políticas autoritárias impostas para garantir a conformidade social. O Capítulo XII foca nos Crimes contra a Humanidade e o Código de Nuremberg.

O Capítulo XIII conclui com uma análise da Economia Mundial, a proposta de “Great Reset” do Fórum Econômico Mundial, que se adotada consistiria em demolir o estado de bem-estar social e impor enormes medidas de austeridade a um população empobrecida.

Este E-Book foi revisado e atualizado desde sua publicação em dezembro de 2020. Há um senso de urgência. Pessoas em todo o mundo estão sendo enganados por seus governos.

Uma palavra sobre a metodologia: nosso objetivo é refutar a “Grande Mentira” por meio de análise cuidadosa consistindo em:

  • Uma visão geral histórica da crise do Covid, com dados precisos.
  • Citações de documentos oficiais e relatórios revisados por pares. Inúmeras fontes e referências são indicadas.
  • Análise científica e revisão detalhada de dados “oficiais”, estimativas e definições,
  • Análise dos impactos das “diretrizes” da OMS e das políticas governamentais sobre variáveis econômicas, sociais e de saúde pública.

Nosso objetivo é informar as pessoas em todo o mundo e refutar a narrativa oficial que tem sido usada como pretexto e justificativa para desestabilizar a econômia e estrutura social de países inteiros, seguidos pela imposição da “vacina” do Covid-19.

Essa crise atinge a humanidade em sua totalidade: 7,9 bilhões de pessoas. Nós estamos em solidariedade com nossos semelhantes em todo o mundo. A verdade é um poderoso instrumento.

Continuo a agradecer aos nossos leitores, aos nossos autores e à equipe Global Research.

Michel Chossudovsky, Global Research, 11 de dezembro de 2020, [email protected]

(Últimas revisões e atualizações em 12 de outubro de 2021, incluindo a adição de três novos capítulos)

Espalhe a palavra. Por favor, encaminhe este texto para amigos e colegas.

Copyright: Center for Research on Globalization (CRG). Dezembro de 2020.

Sobre o autor

Michel Chossudovsky é um autor premiado, Professor de Economia (emérito) na Universidade de Ottawa, fundador e diretor do Centro para Pesquisa sobre Globalização (CRG), Montreal, Editor do Global Research.

Ele realizou pesquisas de campo na América Latina, Ásia, Oriente Médio, África Subsaariana e Pacífico e escreveu extensivamente sobre as economias de países em desenvolvimento, com foco na pobreza e desigualdade social. Ele também realizou pesquisas em Economia da Saúde (ONU Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), UNFPA, CIDA, OMS, Governo da Venezuela, John Hopkins International Journal of Health Services (1979, 1983))

Ele é autor de onze livros, incluindo The Globalization of Poverty and The New World Order (2003), America’s “War on Terrorism” (2005), The Globalization of War, America’s Long War against Humanity (2015).

Ele é um colaborador da Encyclopaedia Britannica. Seus escritos foram publicados em mais de vinte idiomas. Em 2014, ele foi premiado com a Medalha de Ouro de Mérito da República da Sérvia por seus escritos sobre a guerra da OTAN de agressão contra a Iugoslávia. Ele pode ser contatado em [email protected]

Ver Michel Chossudovsky, Nota biográfica
Artigos de Michel Chossudovsky sobre Global Reasearch


Índice

Capítulo I
Introdução. Destruindo a Sociedade Civil. A Campanha de Medo.

Capítulo II
A Linha do Tempo do Corona

Capítulo III
O que é Covid-19, SARS-2: como é testado? Como é medido?

Capítulo IV
Depressão econômica projetada

Capítulo V
O enriquecimento dos super-ricos. A apropriação e redistribuição de renda

Capítulo VI
Os impactos na saúde mental

Capítulo VII
“Não há cura”. Supressão de hidroxicloroquina (HCQ), um medicamento barato e eficaz

Capítulo VIII
“Vacina” Covid da Big Pharma

Capítulo IX
Lembre-se da pandemia de gripe suína H1N1 de 2009

Capítulo X
O vírus foi identificado? O SARS-CoV-2 foi isolado?

Capítulo XI
Liberdade de expressão. Categorizando o movimento de protesto como “anti-social”

Capítulo XII
A Operação CoVax Mundial e o Código de Nuremberg. Crimes contra a Humanidade, Genocídio

Capítulo XIII
“Golpe de Estado Global” e o “Great Reset”. Dívida Global e o “Tratamento de choque” neoliberal


 

Capítulo I

Introdução

Destruindo a Sociedade Civil. A campanha de medo

“É hora de todos saírem desse transe negativo, dessa histeria coletiva, porque a fome, a pobreza e o desemprego em massa matarão e destruirão a vida de muito mais pessoas do que o SARS-CoV-2! ” (Dr. Pascal Sacré)

“Estou atendendo pacientes com erupções faciais, infecções fúngicas, infecções bactérianas. (…) Em fevereiro e março, disseram-nos para não usar máscaras. O que mudou? A ciência não mudou. A política sim. Isso é sobre conformidade. Não se trata de ciência … (Dr. James Meehan)

“Uma vez que a mentira se torna a verdade, não há como retroceder. A insanidade prevalece. O mundo está de cabeça para baixo. ” (Michel Chossudovsky)

“Estamos presos em lockdown por uma taxa de mortalidade por infecção de menos de 0,2%” (Dr. Richard Schabas)

Estamos na encruzilhada de uma das crises mais graves da história mundial. Estamos vivendo a história, mas nossa compreensão da sequência de eventos desde Janeiro de 2020 foi borrada. Em todo o mundo, as pessoas foram enganadas tanto por seus governos e pela mídia quanto às causas e devastadoras consequências da “pandemia” do Covid-19.

A verdade não dita é que o novo coronavírus fornece um pretexto e uma justificativa para poderosos interesses financeiros e políticos corruptos para jogar o mundo inteiro em uma espiral de desemprego em massa, falência, pobreza extrema e desespero.

Esta é a verdadeira imagem do que está acontecendo. É o resultado de um processo de tomada de decisão complexo. O “Lockdown Planetário” é uma invasão das liberdades civis e do “Direito à Vida”.

Economias nacionais inteiras estão em perigo. Em alguns países, a lei marcial foi declarada.

O capital de pequeno e médio porte deve ser eliminado. O grande capital prevalece.

Uma concentração massiva de riqueza corporativa está em andamento.

É uma diabólica “Nova Ordem Mundial” em formação.

Zonas vermelhas, a máscara facial, o distanciamento social, o fechamento de escolas, faculdades e universidades, não há mais reuniões familiares, não há mais celebrações de aniversários, música, artes: chega de eventos culturais, eventos esportivos estão suspensos, não há mais casamentos, “amor e vida” estão totalmente proibidos.

E em vários países, as reuniões de Natal e Ano Novo em família eram ilegais.

O fechamento da economia global é apresentado a nós como um meio de combater o vírus. É isso que eles querem que acreditemos. Se o público tivesse sido informado que o Covid-19 é “semelhante à gripe sazonal”, a campanha de medo não teria funcionado …

Imagem do Pakistan Daily Times: Estagiários de Papai Noel no Reino Unido

A pandemia foi lançada oficialmente pela OMS em 11 de março de 2020 levando ao bloqueio e fechamento das economias nacionais de 190 (de 193) países, estados membros das Nações Unidas. As instruções vieram de cima, de Wall Street, do Fórum Econômico Mundial (WEF), das fundações bilionárias.

A pandemia de 11 de março de 2020 foi precedida por um relatório de Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC) da OMS em 30 de janeiro de 2020 que foi seguida em fevereiro pela desestabilização dos mercados financeiros. Em 30 de janeiro, houve 83 casos fora da China em um população total de 6,4 bilhões. Nos dias anteriores à Crise Financeira de fevereiro havia cerca de 1000 casos positivos fora da China. (Veja nossa análise no Capítulo II)

Este projeto diabólico baseado em estimativas escassas e erradas é casualmente descrito pela mídia corporativa como um esforço “humanitário”. A “Comunidade internacional” tem uma “Responsabilidade de Proteger” (R2P).

Nas palavras de Diana Johnstone, é “O Pretexto Global”. Uma não eleita “Parceria público-privada” sob os auspícios do Fórum Econômico Mundial (WEF), veio para resgatar 7,8 bilhões de pessoas do planeta Terra. O fechamento da economia global é apresentado como um meio de “matar o vírus”.

Parece absurdo. Fechar a verdadeira economia do Planeta Terra não é a “Solução”, mas sim a “causa” de um processo diabólico de desestabilização e empobrecimento no mundo todo.

A economia nacional combinada com instituições políticas, sociais e culturais é a base para a “reprodução da vida real”: renda, emprego, produção, comércio, infraestrutura, serviços sociais.

Desestabilizar a economia do Planeta Terra não pode constituir uma “solução” para combater o vírus. Mas essa é a “solução” imposta que eles querem nos fazer acreditar. E é isso que eles estão fazendo. É a destruição da vida das pessoas. É a desestabilização da sociedade civil.

As mentiras são sustentadas por uma campanha massiva de desinformação da mídia. 24/7, “Alertas de Covid” incessantes e repetitivos no decorrer dos últimos 16 meses. É um processo de engenharia social.

O que eles querem é aumentar os números para justificar o lockdown. As estatísticas de mortalidade do Covid são “fabricadas” (ver capítulo II)

E agora existe uma chamada “Segunda Onda”, seguida por uma “Terceira Onda”. Milhões de testes positivos de covid estão sendo tabulados agora.

O Covid-19 é retratado como o “vírus assassino”.

Destruindo a Sociedade Civil

As pessoas estão assustadas e confusas. “Por que eles fariam isso?”

Escolas vazias, aeroportos vazios, mercearias falidas.

Na França, “Igrejas são ameaçadas com Kalashnikovs pelo surto de Covid-19” (abril de 2020)

Coronavirus: A igreja ameaçada com Kalashnikovs pelo surto de Covid-19

Toda a economia de serviços urbanos está em crise. Lojas, bares e restaurantes são levados à falência. Viagens internacionais e feriados estão suspensos. As ruas estão vazias. Em vários países, bares e restaurantes são obrigados a pegar nomes e informações para apoiar o rastreamento de contato eficaz se necessário.

Lockdown Cultural

Ao mesmo tempo, a partir de março de 2020, o fechamento mundial das economias foi acompanhado por um Lockdown Cultural afetando a música e eventos artísticos. Museus vazios, sem mais óperas, sem sinfonias, as salas de concerto estão fechadas em todo o mundo. As chamadas plataformas digitais fique em casa foram colocadas em vigor. Nos EUA, museus anunciaram fechamento em 12 de março, começando com o Museu Metropolitano de Arte de Nova York. Na França, o Louvre, Versalhes e a Torre Eiffel foram fechados em 13 de março de 2020.

A liberdade de expressão é suprimida

A narrativa de lockdown é apoiada por desinformação da mídia, censura online, engenharia social e a campanha de medo.

Médicos que questionam a narrativa oficial são ameaçados. Eles perdem seus empregos. Suas carreiras são destruídas. Aqueles que se opõem ao lockdown governamental são categorizados como “psicopatas anti-sociais”:

“Estudos” psicológicos revisados por pares estão atualmente sendo realizados em vários países usando pesquisas por amostragem.

Aceite a “grande mentira” e você será marcado como uma “boa pessoa” com “empatia” que entende os sentimentos dos outros.

Expresse opiniões quanto ao distanciamento social e ao uso de máscara, e você será marcado (de acordo com a “opinião científica”) como um “psicopata insensível e desonesto” (Ver Capítulo IX). Em faculdades e universidades, o corpo docente é pressionado a se conformar e endossar a narrativa oficial do covid. Questionar a legitimidade do lockdown em “salas de aula” online pode levar à demissão.

Vários médicos que se opõem ao consenso do COVID ou à vacina foram presos. Em dezembro, “Jean-Bernard Fourtillan, um aposentado professor universitário conhecido por sua oposição à vacina COVID-19 foi preso “por policiais sob comando militar e colocado à força em confinamento solitário no hospital psiquiátrico de Uzès.” Fourtillan é conhecido como “crítico de longa data das vacinas que usam adjuvantes perigosos”.

Na Bélgica, um anestesiologista foi demitido depois de questionar as medidas governamentais sobre o vírus. Na França, alguns médicos estão sofrendo uma pressão similar e denunciaram a supressão de fala.

Captura de tela: NTD, 16 de dezembro de 2020

Google, Facebook e Twitter: marketing da grande mentira

As opiniões de proeminentes cientistas que questionam o lockdown, as máscaras ou distanciamento social são “retirados” pelo Google:

“O YouTube não permite conteúdo que divulgue desinformação médica que contradiz as informações médicas da Organização Mundial da Saúde (OMS) ou autoridades locais de saúde sobre COVID-19, incluindo métodos para prevenir, tratar ou diagnosticar COVID-19 e meios de transmissão de COVID-19.” (enfase adicionada)

Eles chamam de “checagem de fatos”, sem reconhecer que tanto a OMS quanto as autoridades nacionais de saúde contradizem seus próprios dados e conceitos.

Da mesma forma, o Twitter confirmou que “irá remover todas as postagens que sugerem que existem ‘impactos ou efeitos adversos de receber vacinas”… O Twitter irá: “furar a memória quaisquer mensagens que “invoquem uma conspiração deliberada” ou “avançem narrativas prejudiciais, falsas ou enganosas sobre vacinas.”

11 de março de 2020: Depressão econômica projetada. Golpe de Estado Global?

Desestabilizar de uma só vez as economias nacionais de 190 países é um ato de “guerra econômica”. Esta agenda diabólica mina a soberania dos Estados-nação. Empobrece as pessoas em todo o mundo. Isso leva a um espiral da dívida global denominada em dólares.

As poderosas estruturas do capitalismo global, o Big Money juntamente com sua inteligência e aparato militar são a força motriz. Usando avançadas tecnologias digitais e de comunicação, o Lockdown e o fechamento da economia global não tem precedentes na história mundial.

Esta intervenção simultânea em 190 países derroga a democracia. Isto mina a soberania dos estados-nação em todo o mundo, sem a necessidade de intervenção militar. É um sistema avançado de guerra econômica que ofusca outras formas de guerra, incluindo as convencionais (como no Iraque) guerras de teatro. (Ver Capítulos IV, IX)

Cenários de “Governança Global”. Governo Mundial na era pós-Covid?

O projeto de lockdown de 11 de março de 2020 usa mentiras e engano para, finalmente, impor um regime totalitário mundial, intitulado “Governança Global” (por funcionários não eleitos). Nas palavras de David Rockefeller:

“… O mundo agora está mais sofisticado e preparado para marchar em direção a um governo mundial. A soberania supranacional de uma elite intelectual e os banqueiros mundiais são certamente preferíveis à autodeterminação nacional praticado nos séculos passados.” (citado por Aspen Times , 15 de agosto de 2011, ênfase adicionada)

O cenário de Governança Global impõe uma agenda de engenharia social e conformidade econômica:

Constitui uma extensão do quadro de política neoliberal imposto à países em desenvolvimento e desenvolvidos. Consiste no desmantelamento da “autodeterminação nacional” e construção de uma rede mundial de regimes de fachada pró-EUA controlados por uma “soberania supranacional” (Governo Mundial) composto pelas principais instituições financeiras, bilionários e suas fundações filantrópicas. (Ver Capítulo X)

Simulando pandemias

O “Cenário Lock Step” de Rockefeller

A Fundação Rockefeller propõe o uso de “planejamento de cenário” como um meio para realizar a “governança global”.

No Relatório Rockefeller de 2010 intitulado “Cenários para o Futuro da Área de Tecnologia e Desenvolvimento Internacional”, cenários de Governança Global e as ações a serem tomadas no caso de um pandemia global são contemplados.

Mais especificamente, o relatório previa (p 18) a simulação de um cenário Lock Step incluindo uma cepa de influenza virulenta global.

O cenário Lock Step descreve “um mundo de governo mais rígido de controle de cima para baixo e liderança mais autoritária, com inovação limitada e crescente resistência do cidadão.” Em “2012” (ou seja, dois anos após a publicação do relatório), [como parte da simulação] uma “extremamente virulenta e mortal” cepa de gripe originada de gansos selvagens deixa o mundo de joelhos, infectando 20 por cento da população global e matando 8 milhões de pessoas em apenas sete meses – “a maioria deles adultos jovens saudáveis”. ( Helen Buyniski, fevereiro de 2020)

O relatório Rockefeller de 2010 foi publicado imediatamente após a Pandemia de gripe suína H1N1 de 2009.

A Simulação de Mesa Clade X

Em 15 de maio de 2018, uma simulação de mesa de uma pandemia intitulada Clade X foi conduzida sob os auspícios do Centro para Segurança da Saúde John Hopkins.

O Centro para Segurança da Saúde John Hopkins hospedou o exercício de mesa de pandemia Clade X em 15 de maio de 2018 em Washington, DC. O propósito do exercício era ilustrar as decisões estratégicas e políticas de auto nível que os Estados Unidos e o mundo precisariam ter para se previnir de uma pandemia ou mitigar suas consequências caso a prevenção falhasse.

O Clade X foi descrito por seus organizadores como “… um exercício pandêmico de mesa durante um dia inteiro que simulou uma série de reuniões convocadas pelo Conselho de Segurança Nacional de 10 líderes do governo dos EUA, representados por indivíduos proeminentes nas áreas de segurança nacional ou resposta a epidemias”.

Evento 201

O Clade X foi seguido por outra simulação intitulada Evento 201 (também sob os auspícios do Centro para Segurança da Saúde John Hopkins). O Evento 201 pertencia a uma epidemia de coronavírus intitulada nCoV-2019. Foi realizado em 18 de outubro de 2019, menos de 3 meses antes do SARS-2 ser “oficialmente” identificado no início de janeiro de 2020.

Declaração sobre nCoV e nosso exercício pandêmico

Em outubro de 2019, o Centro para Segurança da Saúde John Hopkins hospedou um grande exercício pandêmico chamado Evento 201 com parceiros, o Fórum Econômico Mundial e a Fundação Bill & Melinda Gates.

Recentemente, o Centro para Segurança da Saúde tem recebido questionamentos sobre se o exercício pandêmico previu o atual surto do novo coronavirus na China. Para ser claro, o Centro de Segurança da Saúde e parceiros não fez uma previsão durante nosso exercício. Para o cenário, nós usamos um modelo de uma pandemia fictícia de coronavírus, mas nós explicitamente dissemos que não se tratava de uma previsão. Ao invés disso, o exercício serviu como realçar a preparação e desafios de resposta que poderiam surgir em uma pandemia severa. Nós, agora, não estamos prevendo que o surto nCoV-2019 vai matar 65 milhões de pessoas. Apesar de nosso grande exercício incluir um falso novo coronavírus, os dados que usamos para modelar o impacto potencial do vírus fictício não são similares ao nCoV-2019.

Captura de tela, 201 A Global Pandemic Exercise

O Exercício Pandêmico Evento 201. 18 de outubro de 2019 também foi abordado nessa simulação o como lidar com a mídia social online e a chamada “desinformação”. (Ouça com atenção)

Vídeo

Muitas características do “exercício de simulação” 201 correspondiam de fato ao que realmente aconteceu quando o Diretor Geral da OMS lançou uma emergência de saúde pública global em 30 de janeiro de 2020.

No Cenário do Evento 201, um colapso de 15% dos mercados financeiros foi “simulado”. Ele não foi “previsto” de acordo com os organizadores e patrocinadores do evento, que incluiu também a Fundação Bill & Melinda Gates e o Fórum Econômico Mundial.

Vale ressaltar que os patrocinadores do Evento 201 incluindo o WEF e a Fundação Gates estiveram ativamente envolvidos desde o início em coordenar (e financiar) as políticas relacionadas à Covid-19, incluindo o teste PCR, os procedimentos de bloqueio, bem como a vacina de mRNA. A evidência sugere que essas políticas foram planejadas e previstas em uma data muito anterior.

Os Participantes do Cenário 201

Entre os “participantes” do cenário 201 de John Hopkins, foram personalidades chave que ocupam cargos de consultoria ou sênior em uma série de organizações. Menos de 3 meses depois, os “participantes” do evento 201 tornaram-se ativamente envolvidos na resposta política à pandemia Covid-19.

“Os seguintes indivíduos proeminentes de negócios globais, governo e saúde pública foram os atores do exercício encarregados de liderar a resposta política a um cenário de surto fictício no exercício de mesa da pandemia do Evento 201”

As entidades direta ou indiretamente “representadas” pelos “participantes” incluíam a OMS, John Hopkins, a Aliança Global sobre Vacinas e Imunização (GAVI) (Dr. Timothy Grant Evans), a Inteligência Americana, a Fundação Bill & Melinda Gates (Dr. Chris Elias), a Coalizão para Inovações de Preparação para Epidemias (CEPI) (Presidente Jane Halton), o Fórum Econômico Mundial (WEF), a Fundação das Nações Unidas, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) (Stephen Redd), Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China (CDC) (Diretor Dr. George Fu Gao). Big Pharma (Adrian Thomas), o Banco Mundial e bancos globais, as indústrias de companhias aéreas e hoteleiras.

É importante notar que o diretor do CDC da China, Dr. George Fu Gao, desempenhou um papel central na supervisão do surto Covid-19 em Wuhan no início de 2020, atuando em estreita ligação com a Fundação Bill e Melinda Gates, John Hopkins e outros. Gao é graduado em Oxford com vínculos com a Big Pharma. Ele foi também, por vários anos, membro do Wellcome Trust.

O Dr. Stephen Redd desempenhou um papel fundamental na campanha de vacinação H1N1 de 2009 nos EUA, que se revelou falsa. (Ver Capítulo IX).

nCoV-2019

Também é importante notar que a OMS inicialmente adotou uma sigla semelhante (para designar o coronavírus) àquele do Exercício Pandêmico Evento 201 de John Hopkins (nCoV-2019).

“… O novo vírus foi inicialmente denominado 2019-nCoV pela OMS.”

“Em 11 de fevereiro de 2020, a OMS renomeou a doença como doença coronavírus 2019 (COVID-19). Nesse mesmo dia, o Grupo de Estudos Coronavirus (CSG) do Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus postou um manuscrito no bioRxiv em que eles sugeriram designar 2019-nCoV como síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2) com base em um estudo filogenético de coronavírus relacionados” (The Lancet)

A seleção do nome SARS-CoV-2 é explicada no Capítulo III em relação ao chamado relatório Drosten.

Inteligência e “A Arte da Enganação”

A crise de Covid é um instrumento sofisticado de poder das elites. Tem todas as características de uma operação de inteligência cuidadosamente planejada usando “engano e contra-engano”. Leo Strauss: “via a inteligência como um meio para formuladores de políticas para atingir e justificar os objetivos da política, não para descrever as realidades de o mundo.” E é exatamente isso que eles estão fazendo em relação à Covid-19.

“O pretexto global”

Confirmado por cientistas proeminentes, bem como por órgãos oficiais de saúde pública incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC). Covid-19 é um problema de saúde pública mas NÃO é um vírus perigoso.

A crise COVID-19 é marcada por uma “emergência” de saúde pública sob os auspícios da OMS que estão sendo usados como pretexto e justificativa para desencadear um processo mundial de reestruturação econômica, social e política. A tendência é para a imposição de um estado totalitário.

A engenharia social está sendo aplicada. Os governos são pressionados a estender o bloqueio, apesar de sua devastadora situação econômica e consequências sociais.

Não há base científica para implementar o fechamento da economia global como meio de resolver uma crise de saúde pública. Tanto a mídia quanto os governos estão envolvidos na disseminação da desinformação.

A campanha do medo não tem base científica. Seus governos estão MENTINDO. Na verdade, eles estão mentindo para si mesmos.


 

Capítulo II

A Linha do Tempo do Corona

Este capítulo fornece uma linha do tempo detalhada da crise do Corona começando em agosto de 2019

***

1 de agosto de 2019: Glaxo-Smith-Kline (GSK) e Pfizer anunciam o estabelecimento de uma parceria corporativa em Produtos de Saúde do Consumidor incluindo vacinas.

19 de setembro de 2019: A Aliança ID-2020 realizou sua cúpula em Nova York, intitulado “Ascensão do Desafio Bom ID”. O foco estava no estabelecimento sob os auspícios da GAVI (Aliança para IDentidade de Vacinação) de um vacina com passaporte digital embutido. O objetivo declarado era a criação de uma base de dados digital global.

“Com a oportunidade da imunização servir como plataforma para a identidade digital, o programa aproveita o registro de nascimento e operações de vacinação existentes para fornecer aos recém-nascidos uma portátil e persistente identidade digital biometricamente vinculada. O programa também irá explorar e avaliar várias tecnologias biométricas infantis líderes para oferecer uma identidade digital desde o nascimento …”

“Estamos implementando uma abordagem voltada para o futuro para a identidade digital que dá aos indivíduos controle sobre suas próprias informações pessoais, enquanto ainda estamos construindo sistemas e programas existentes”

18 de outubro de 2019. O Evento 201. O Exercício de Simulação Pandêmico 201

O coronavírus foi inicialmente denominado 2019-nCoV pela OMS, o mesmo nome (com exceção da colocação da data) conforme adotado no exercício de simulação 201 de 18 de outubro de 2019 sob os auspícios do Centro para Segurança da Saúde da Escola de Saúde de Bloomberg John Hopkins, (um evento patrocinado pela Fundação Gates e o Fórum Econômico Mundial). (Evento 201)

Em outubro de 2019, o Centro para Segurança da Saúde Johns Hopkins sediou um exercício de mesa pandêmico chamado Evento 201 com parceiros, o Fórum Econômico Mundial e a Fundação Bill & Melinda Gates. … Para o cenário, modelamos uma pandemia fictícia de coronavírus, mas explicitamente afirmou que não era uma previsão.

Em vez disso, o exercício serviu para destacar os desafios de preparação e a resposta que provavelmente surgiriam em uma pandemia muito grave. Nós não estamos prevendo que o surto de nCoV-2019 matará 65 milhões de pessoas.

Embora nosso exercício de mesa incluísse um novo coronavírus falso, os dados que usamos para modelar o impacto potencial daquele vírus fictício não são semelhantes ao nCoV-2019. “Não estamos prevendo que o surto nCoV-2019 [que também foi usado como o nome da simulação] matará 65 milhões de pessoas.

Embora nosso exercício de mesa incluísse um novo coronavírus simulado, os dados que usamos para modelar o impacto potencial daquele vírus fictício não são semelhantes ao nCoV-2019.”

12 de dezembro de 2019 – “A Comissão Municipal de Saúde de Wuhan afirma que esta data é a primeira data de início original dos 59 pacientes com pneumonia viral inexplicada. (Linha do tempo e cronologia inicial)

31 de dezembro de 2019: primeiros casos de pneumonia de causa desconhecida detectados em Wuhan, província de Hubei. Reportado à OMS. “Um total de 44 casos foram relatados: 11 pacientes estão gravemente enfermos, enquanto os 33 restantes estão em condições estáveis.”

1º de janeiro de 2020: autoridades de saúde chinesas fecham o Mercado de Atacado de Frutos do Mar de Huanan em Wuhan após relatos da mídia ocidental afirmando que animais selvagens vendidos ali podem ter sido a fonte do vírus. Esta avaliação incial foi posteriormente refutada por cientistas chineses.

7 de janeiro de 2020: As autoridades chinesas “identificam um novo tipo de vírus” que (de acordo com relatórios) foi isolado em 7 de janeiro de 2020. Nenhum detalhe específico foi fornecido sobre o processo de isolamento do vírus. Segundo vários cientistas, tanto a identidade como o processo de isolamento do vírus não foram confirmados. (Para mais detalhes, veja o Capítulo X). O número de casos é extremamente baixo. “44 casos de pneumonia, embora os ácidos nucléicos específicos para o vírus tenham sido encontrados em apenas 15 pacientes”. Nenhuma evidência de uma epidemia em desenvolvimento na China.

11 de janeiro de 2020 – A Comissão Municipal de Saúde de Wuhan anuncia a primeira morte causada pelo coronavírus.

22 de janeiro de 2020: OMS. Membros do Comitê de Emergência da OMS “Expressaram opiniões divergentes sobre se este evento constitui um PHEIC [Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional] ou não”. A reunião do comitê foi convocada novamente em 23 de janeiro de 2020, coincidindo com as reuniões do Fórum Econômico Mundial em Davos (21 a 24 de janeiro de 2020). O pequeno número de casos na China não justificava uma PHEIC.

A reunião do Comitê de Emergência convocada pelo Diretor Geral da OMS sob o Regulamento Sanitário Internacional (RSI) (2005) expressou visões divergentes sobre se este evento constitui um PHEIC ou não. Dessa vez, o conselho era que o evento não constituía um PHEIC, mas os membros do comitê concordaram com a urgência da situação e sugeriram que o comitê deve ser reconvocado em questão de dias para examinar a situação mais profundamente.

21 a 24 de janeiro de 2020: Consultas no Fórum Econômico Mundial, Davos, Suíça, sob os auspícios da Coalizão para Inovações de Preparação para Pandemias (CEPI) para o desenvolvimento de um programa de vacinas. CEPI é uma parceria WEF-Gates. Com o apoio da CEPI, com sede em Seattle, a Moderna vai fabricar uma vacina de mRNA contra o 2019-nCoV.

“O Centro de Pesquisa de Vacinas (VRC) do Instituto Nacional de Alergia e Doenças infecciosas (NIAID), parte do NIH, colaborou com a Moderna para projetar a vacina.”

Hoje nós anunciamos o financiamento de 3 programas de desenvolvemento de vacinas contra o novo #coronavirus, nCoV-2019

Nós estaremos apoiando tecnologias pioneiras projetadas para acelerar o desenvolvimento de vacinas contra ameaças emergentes

“Dada a rápida expansão do novo coronavírus, o mundo precisa agir rapidamente e se unir para lidar com essa doença. Nós esperamos que esse projeto possa providenciar um importante e significativo passo adiante no desenvolvimento de uma vacina.”

A evidência sugere que o projeto de vacina do 2019-nCoV já estava em andamento em 2019. (Ver Capítulo VIII). Foi anunciado oficialmente em Davos, 2 semanas após o anúncio de 7 de janeiro de 2020 pelas autoridades chinesas, e apenas uma semana antes do lançamento oficial da Emergiencia Global de Saúde Pública da OMS em 30 de janeiro.

O Anúncio de Vacina do WEF-Gates-CEPI antecede o anúncio da OMS de Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional (PHEIC).

Dominantes interesses financeiros, fundações bilionárias e instituições financeiras internacionais desempenharam um papel fundamental no lançamento do Programa de Emergência de Saúde Pública da OMS (PHEIC).

Na semana anterior a esta decisão histórica da OMS. O PHEIC era o objeto de “consultas” no Fórum Econômico Mundial (WEF), Davos (21 a 24 de janeiro). O Diretor Geral da OMS, Dr. Tedros, esteve presente em Davos. Foram estas consultas instrumentais para influenciar a decisão histórica da OMS sobre 30 de janeiro?

Houve um conflito de interesses conforme definido pela OMS? O maior doador da OMS é a Fundação Bill e Melinda Gates, que junto com o WEF e a CEPI já havia anunciado em Davos o desenvolvimento de uma vacina de Covid 19 antes do histórico lançamento do PHEIC em 30 de janeiro.

O Diretor Geral da OMS teve o apoio da Fundação Bill e Melinda Gates, Big Pharma e o Fórum Econômico Mundial (WEF). Existem indicações de que a decisão da OMS de declarar uma Emergência de Saúde Global foi tomada às margens do Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos (21 a 24 de janeiro) coincidindo com a reunião de Genebra em 22 de janeiro do Comitê de Emergência.

O Diretor Geral da OMS, Tedros, esteve presente em Davos em 2020.

28 de janeiro de 2020: Centro dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) confirmou que o novo vírus corona havia sido isolado. (Ver Capítulo X)

30 de janeiro de 2020: Emergência de Saúde Pública da OMS de Interesse Internacional (PHEIC)

A primeira fase dessa crise foi lançada pela OMS em 30 de janeiro. Embora oficialmente não tenha sido designada como uma “Pandemia”, ainda assim contribuiu para liderar a campanha de medo.

Desde o início, as estimativas de “casos positivos confirmados” foram parte de um “Jogo de Números”.

Em alguns casos, as estatísticas simplesmente não foram mencionadas e em outros casos os números foram inflados seletivamente com o objetivo de criar pânico.

Não mencionado pela mídia: o número de “casos confirmados” com base em estimativas erradas (PCR) usadas para justificar esta decisão de longo alcance foi ridiculamente baixo.

A população mundial fora da China é da ordem de 6,4 bilhões. Em 30 de janeiro de 2020 fora da China houve:

83 casos em 18 países, e apenas 7 deles não tinham histórico de viagens à China. (ver OMS, 30 de janeiro de 2020).

Em 29 de janeiro de 2020, o dia anterior ao lançamento do PHEIC (registrado pela OMS), houve 5 casos nos EUA, 3 no Canadá, 4 na França e 4 na Alemanha.

Não havia nenhuma “base científica” para justificar o lançamento de uma emergência de saúde pública mundial.

Captura de tela da tabela da OMS, 29 de janeiro de 2020

Esses números baixos (não mencionados pela mídia) não impediram o lançamento de uma campanha mundial de medo.

31 de janeiro de 2020: Decisão do presidente Trump de Suspender viagens aéreas à China

No dia seguinte (31 de janeiro de 2020), Trump anunciou que iria negar a entrada nos EUA de cidadãos chineses e estrangeiros “que tenham viajado à China nos últimos 14 dias”. Isso imediatamente desencadeou uma crise em viagens aéreas, transporte, relações comerciais EUA-China, bem como frete e transações de envio.

Considerando que a OMS “[não] recomendou nenhuma viagem ou restrições de comércio”, os cinco chamados “casos confirmados” nos EUA foram suficientes para “justificar” a decisão do presidente Trump em 31 de janeiro de 2020 de suspender as viagens aéreas para a China enquanto incentiva uma campanha de ódio contra a etnia chinesa em todo o mundo ocidental.

Esta decisão histórica de 31 de janeiro pavimentou o caminho para a ruptura do comércio internacional de commodities, bem como imposição de restrições mundiais em viagens aéreas. Eventualmente, foi fundamental para a falência de importantes companhias aéreas.

A “mídia falsa” imediatamente entrou em alta velocidade. A China foi considerada responsável pela “disseminação da infecção” em todo o mundo.

Início de fevereiro de 2020: a sigla do coronavírus foi alterada de nCoV-2019 (seu nome sob o evento de outubro, O Exercício de simulação 201 de John Hopkins antes de ser identificado no início de janeiro de 2020) para SARS-nCoV-2. Covid-19 indica a doença desencadeada por SARS-CoV-2.

20 a 21 de fevereiro de 2020. Dados Mundiais de Covid Fora da China: Navio de Cruzeiro Diamond Princess

Enquanto a China relatou um total de 75.567 casos de COVID-19, (20 de fevereiro) o casos confirmados fora da China foram terrivelmente baixos e as estatísticas baseadas em grande parte no teste de PCR que foram usados para confirmar a “disseminação mundial do vírus” eram questionáveis, para dizer o mínimo. Além disso, de 75.567 casos na China, uma grande porcentagem havia se recuperado. E os números de recuperação não foram reconhecidos pela mídia.

No dia da histórica conferência de imprensa do Dr. Tedros (20 de fevereiro de 2020), o número registrado de casos confirmados fora da China foi de 1.073, dos quais 621 eram passageiros e tripulantes do navio de cruzeiro Diamond Princess (encalhado em águas territoriais japonesas).

Do ponto de vista estatístico, a decisão da OMS apontando para uma potencial “Propagação do vírus em todo o mundo” não fazia sentido.

Em 20 de fevereiro, 57,9% dos “casos confirmados” mundiais da Covid-19 eram do Diamond Princess, dificilmente representativo de uma “Tendência estatística”. A história oficial é a seguinte:

  • Um passageiro baseado em Hong Kong que havia desembarcado do Diamond Princess em Hong Kong em 25 de janeiro desenvolveu pneumonia e foi testado positivo para o novo coronavirus em 30 de janeiro.
  • Ele teria viajado em 10 de janeiro para Shenzhen na China continental (que faz fronteira com os novos territórios de Hong Kong).
  • O Diamond Princess chegou a Yokohama em 3 de fevereiro. Uma quarentena foi imposta ao cruzeiro Veja o estudo do NCBI .
  • Muitos passageiros adoeceram devido ao confinamento no barco.
  • Todos os passageiros e tripulantes do Diamond Princess fizeram o Teste de PCR.
  • O número de casos confirmados aumentou para 691 em 23 de fevereiro.

Fonte de digitalização: Estudo NCBI

Leia com atenção: Do ponto de vista da avaliação de tendências estatísticas mundial, os dados não se sustentam. Sem os dados do Diamond Princess, os chamados casos confirmados em todo o mundo fora da China em 20 de fevereiro de 2020 foram da ordem de 452, em uma população de 6,4 bilhões.

Examine o gráfico da OMS abaixo. O azul indica os casos confirmados no Diamond Princess (transporte internacional) (que chegou em Yokohama em 3 de fevereiro de 2020), muitos dos quais estavam doentes, confinados em seus quartos por mais de duas semanas (quarentena imposta pelo Japão). Todos os passageiros e tripulantes fizeram o teste RT-PCR (que não detecta ou identifica Covid-19).

Desnecessário dizer que esses chamados dados foram fundamentais para liderar a campanha de medo e o colapso dos mercados financeiros no decorrer do mês de fevereiro de 2020.

Figura 3. Curva epidêmica dos casos de COVID-19 (n=1073) identificados fora da china, pela data do relato e possível localização de expesição, 20 de fevereiro de 2020.

Azul – Transporte internacional.

20 de fevereiro de 2020: Em uma conferência de imprensa na quinta-feira, dia 20 de fevereiro à tarde (hora CET) em uma reunião em Genebra, o Diretor Geral da OMS Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que ele estava

“Preocupado que a chance de conter o surto de coronavírus estivesse “acabando” …

“Acredito que a janela de oportunidade ainda está aí, mas que a janela está se estreitando.”

Houve apenas 1.076 casos fora da China (incluindo o Diamond Princess):

Os dados da China continuam a mostrar um declínio nos novos casos confirmados. Mais uma vez, nós estamos encorajados por essa tendência, mas não há tempo para complascência.

Fora da China, há, neste momento, 1076 casos em 26 países, com um total de 7 mortes.

Captura de tela, Entrevista Coletiva da OMS, 20 de fevereiro de 2020

Nota: Os dados tabulados acima para 20 de fevereiro de 2020 indicam 1073 casos. (1.076 casos na Conferência de Imprensa da OMS)

Essas declarações de “choque e pavor” contribuíram para aumentar a campanha de medo, apesar do fato de que o número de casos confirmados fora da China estava excessivamente baixo.

20 a 21 de fevereiro de 2020 marca o início da crise financeira de 2020 (Ver Capítulo IV)

Excluindo o Diamond Princess, os 452 chamados “casos confirmados” em todo o mundo, fora da China, para uma população de 6,4 bilhões registrada pela OMS em 20 de fevereiro, 15 nos EUA, 8 no Canadá e 9 no Reino Unido. (Ver tabela acima, 20 de fevereiro de 2020). Esses são os números usados para justificar os avisos do Dr. Tedros: “a janela está se estreitando”:

Um grande número de casos fora da China foi registrado na Coréia do Sul (153 casos de acordo com a OMS) e Itália (registrado pelas autoridades nacionais).

Dados da OMS registrados em 20 de fevereiro de 2020, no início da chamada Crise Financeira do Covid (acima)

A declaração do Dr. Tedros (com base em conceitos e estatísticas falhos), definiu o palco para o colapso financeiro de fevereiro. (Ver Capítulo IV).

24 de fevereiro: A Moderna Inc apoiada pela CEPI anunciou que sua vacina experimental de mRNA para o COVID-19, conhecida como mRNA-1273, estava pronta para testes em humanos.

28 de fevereiro de 2020: Uma campanha de vacinação da OMS foi anunciada pelo Diretor Geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Mais de 20 vacinas estão em desenvolvimento globalmente, e várias terapias estão em ensaios clínicos. Esperamos os primeiros resultados em algumas semanas.

Vale ressaltar que a campanha de desenvolvimento de vacinas foi iniciada antes de decisão da OMS de lançar uma Emergência Global de Saúde Pública. Foi primeiro anunciado na reunião do WEF em Davos (21 a 24 de janeiro) pela CEPI.

Início de março: China: mais de 50% dos pacientes infectados se recuperaram. UM total de 49.856 pacientes se recuperaram de COVID-19 e receberam alta de hospitais na China. (OMS).

O que isso significa é que o número total de “casos confirmados de infecção” na China foi 30.448. (Ou seja, 80.304 menos 49.856 = 30.448 (80.304 é o número total de casos confirmados na China (dados da OMS, 3 de março de 2020). Não há evidência de uma pandemia na China.

Esses desenvolvimentos relativos à “recuperação” não foram relatados pela mídia ocidental.

5 de março, o Diretor Geral da OMS confirma que fora da China existem 2.055 casos notificados em 33 países. Cerca de 80% desses casos foram de três países (Coréia do Sul, Irã e Itália).

7 de março: EUA: O número de “casos confirmados” (infectados e recuperados) nos Estados Unidos no início de março era da ordem de 430, aumentando para cerca de 600 (8 de março). Um rápido aumento de casos positivos cobertos foi registrado no decorrer do mês de março.

Compare esses números aos relativos do vírus da Influenza B: O CDC estimou para 2019-2020 “pelo menos 15 milhões de doenças da gripe viral … 140.000 hospitalizações e 8.200 mortes. (The Hill)

7 de março: China: Sem pandemia na China. Novos casos relatados na China caem para dois dígitos. 99 casos registrados em 7 de março. Todos os novos casos fora da província de Hubei foram classificados como “infecções importadas” (de países estrangeiros). A confiabilidade dos dados ainda precisa ser estabelecida:

99 novos casos confirmados, incluindo 74 na província de Hubei, … Os novos casos incluíram 24 infecções importadas – 17 na província de Gansu, três em Pequim, três em Xangai e uma na província de Guangdong.

11 de março de 2020: A Histórica Pandemia do Covid-19, Lockdown, fechamento de 190 Economias Nacionais

O Diretor Geral da OMS já havia preparado o terreno em sua entrevista coletiva dia 21 de fevereiro.

“O mundo deve fazer mais para se preparar para uma possível pandemia de coronavírus”. A OMS pediu aos países que estivessem “em uma fase de preparação”.

A OMS declarou oficialmente uma pandemia mundial em um momento em que foram confirmados 18.000 casos e 4.291 mortes em todo o mundo (incluindo a China). (11 de março de 2020, segundo coletiva de imprensa). O que estas “Estatísticas” dizem a você?

Mundialmente
125.260 casos confirmados (6741 novos casos)
4.613 mortes (321 novas mortes)

China
80.981 casos confirmados (26 novos casos)
3.173 mortes (11 novas mortes)

Fora da China
44.279 casos confirmados (6915 novos casos)
1.440 mortes (310 novas mortes)
117 países/territórios/áreas (4 novos)

O número de casos confirmados fora da China (6,4 bilhões de habitantes) foi da ordem de 44.279 e 1.440 mortes (números registrados pelo OMS para 11 de março (em 12 de março) (ver tabela acima). Esses são os números usados para justificar o bloqueio e o fechamento de 190 economias nacionais.

(O número de mortes fora da China mencionado na entrevista coletiva de Tedros foi de 4291).

Nos EUA, registrado em 11 de março de 2020, houve segundo o John Hopkins: 1.335 “casos” e 29 mortes (“presumidos” mais confirmados pelo teste PCR). Nenhuma evidência de uma pandemia em 11 de março de 2020.

Imediatamente após o anúncio da OMS de 11 de março de 2020, a campanha de medo entrou em alta velocidade. (Os impactos econômicos e financeiros são revisados no Capítulo IV)

16 de março de 2020: A mRNA-1273 da Moderna é testada em vários estágios com 45 voluntários em Seattle, estado de Washington. O programa de vacinas começou no início de fevereiro:

“Não sabemos se esta vacina irá induzir uma resposta do sistema imunológico, ou se será segura. É por isso que estamos fazendo um teste”, disse Jackson. “Não está no estágio em que seria possível ou prudente dá-lo à população em geral. ” (AP , 16 de março de 2020)

18 de março de 2020. Lockdown nos Estados Unidos

8 de novembro de 2020. A vacina mRNA do Covid-19 é lançada

Meados a final de dezembro de 2020: Implementação mundial do programa de vacinas mRNA

Janeiro de 2021 (em diante): tendência crescente de mortes relacionadas com vacinas e eventos adversos.

Maio a junho de 2021: A Variante Delta e “A Quarta Onda” são anunciadas. Os supostos perigos da Variante Delta estão sendo usados para acelerar o vacinação, bem como a imposição do passaporte vacinal.

Agosto a setembro de 2021: A imposição de passaporte vacinal em vários países ocidentais.


 

Capítulo III

O que é Covid-19, SARS-CoV-2

Como é testado? Como é medido?

“A detecção de RNA viral pode não indicar a presença de infecções, vírus infecciosos ou que 2019-nCoV é o agente causador dos sintomas clínicos. O desempenho deste teste não foi estabelecido para monitoramento ou tratamento da infecção 2019-nCoV. Este teste não descarta doenças causadas por outros patógenos bacterianos ou virais. ” – Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças

“… todos ou uma parte substancial desses aspectos positivos pode ser devido aos chamados testes de falsos positivos.” – Michael Yeadon: ex-vice-presidente e Diretor de Ciências da Pfizer

**

Estamos lidando com um vírus perigoso. É uma pandemia?

A campanha do medo é incansavelmente liderada por declarações políticas e desinformação da mídia. Um exame mais detalhado dos relatórios oficiais nacionais, autoridades de saúde, bem como artigos revisados por pares, oferece uma abordagem totalmente diferente.

O SARS-CoV-2 não é um vírus assassino.

De acordo com um relatório inicial da OMS relativo à epidemia na China:

Os sintomas mais comumente relatados [de COVID-19] incluíram febre, tosse seca e falta de ar e a maioria dos pacientes (80%) experimentou uma doença leve. Aproximadamente 14% experimentaram doença grave e 5% estavam gravemente enfermos. Os primeiros relatórios sugerem que a gravidade da doença está associada à idade (> 60 anos) e à comórbidades. (em grande parte com base na avaliação da OMS de COVID-19 na China)

A Organização Mundial da Saúde diz que normalmente aqueles que se infectam experienciam uma doença leve e se recuperam em duas semanas.

Captura de tela do The Hill, 19 de março de 2020

O que é Covid-19, SARS-CoV-2.

Mentiras por omissão: a mídia não conseguiu tranquilizar o público em geral. Abaixo está a definição oficial da OMS para Covid-19:

Os coronavírus são uma grande família de vírus que podem causar doenças em animais ou humanos. Em humanos, vários coronavírus são conhecidos por causar infecções respiratórias que variam de resfriado comum a mais graves doenças como a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). O mais recentemente descoberto coronavírus causa a doença por coronavírus COVID-19.

“Os sintomas mais comuns de COVID-19 são febre, tosse seca e cansaço. (…) Esses sintomas geralmente são leves e começam gradualmente. Algumas pessoas ficam infectadas, mas apresentam apenas sintomas muito leves. A maioria das pessoas (cerca de 80%) se recuperam da doença sem necessitar de tratamento hospitalar. Cerca de 1 em cada 5 pessoas que pegam COVID-19 fica gravemente doente e desenvolve dificuldade para respirar.”

“COVID-19 é semelhante ao SARS-1″: De acordo com o Dr. Wolfgang Wodarg, a pneumonia é “regularmente causada ou acompanhada por coronavírus”. Os imunologistas confirmam amplamente a definição do CDC. COVID-19 tem características semelhantes a uma gripe sazonal associada a pneumonia.

De acordo com Anthony Fauci (Chefe do NIAID), H. Clifford Lane e Robert R. Redfield (chefe do CDC) no New England Journal of Medicine

“… As consequências clínicas gerais da Covid-19 podem ser mais semelhantes aos de uma gripe sazonal severa (que tem uma taxa de letalidade de aproximadamente 0,1%) ou uma gripe pandêmica (semelhante àquelas em 1957 e 1968) em vez de uma doença semelhante à SARS ou MERS, que tiveram taxas de letalidade de 9 a 10% e 36%, respectivamente.”

O Dr. Anthony Fauci está mentindo para si mesmo. Em suas declarações públicas ele diz que

Covid é “dez vezes pior do que a gripe sazonal”.

Ele refuta seu relatório revisado por pares citado acima. Desde o início, Fauci tem sido fundamental para travar a campanha de medo e pânico na América:


A letalidade do COVID-19 ‘Dez vezes pior’ do que uma gripe sazonal, diz o Dr. Anthony Fauci
Expectativas inicais de que as consequências para a saúde pública do novo coronavírus seriam leves começam a enfraquecer.

A Organização Mundial da Saúde diz que normalmente aqueles que se infectam experienciam uma doença leve e se recuperam em duas semanas.

Captura de tela do The Hill, 19 de março de 2020

Covid-19 versus Influenza (gripe) vírus A e B (e subtipos) (tenha em mente que a gripe sazonal não é um coronavírus)

Raramente mencionado pela mídia ou por políticos: O CDC (que é um agência do governo dos EUA) confirma que Covid-19 é semelhante ao Influenza

“Influenza (gripe) e COVID-19 são doenças respiratórias contagiosas, mas elas são causadas por vírus diferentes. COVID-19 é causado por infecção com um novo coronavírus (denominado SARS-CoV-2) e a gripe é causada por infecção com os vírus influenza . Porque alguns dos sintomas da gripe e COVID-19 são semelhantes, pode ser difícil dizer a diferença entre eles com base em sintomas isoladamente, e testes podem ser necessários para ajudar a confirmar um diagnóstico.

A Influenza e o COVID-19 compartilham muitas características, mas existem algumas diferenças chave entre os dois.”

Se o público tivesse sido informado e assegurado que o Covid é “semelhante a Influenza”, a campanha de medo teria fracassado.

O lockdown e fechamento da economia nacional teria sido rejeitado imediatamente.

Detectando o vírus. Estimando e tabulando os números. O Teste de Reação em Cadeia da Polimerase de Transcrição Reversa (RT-PCR)

O teste padrão usado para “detectar / identificar” o SARS-2 em todo o mundo é O Teste de Reação em Cadeia da Polimerase de Transcrição Reversa (RT-PCR).

O teste RT-PCR foi usado para estimar e tabular o número dos chamados casos positivos “confirmados” de Covid-19. (Este não é o único teste usado. As observações abaixo referem-se apenas ao teste PCR padrão).

De acordo com a ganhadora do Prêmio Nobel, Dra. Kary Mullis, que inventou o teste RT-PCR. (Dr. Mullis escreveu, em 7 de maio de 2013):

“O PCR detecta um segmento muito pequeno do ácido nucleico que faz parte de um vírus. O fragmento específico detectado é determinado pela escolha arbitrária de primers de DNA usados que se tornam as extremidades do fragmento amplificado.”

O PCR-RT desenvolvido pela Dra. Kary Mullis foi aplicado de forma errônea com o objetivo de “estimar” os casos positivos de SARS-2, na maioria dos casos sem um diagnóstico médico do paciente.

Veja nossas observações abaixo no Estudo RT-PCR de Drosten. Como enfatizado pela Dra. Mullis e confirmado por médicos de destaque, o teste PCR não “identifica o vírus”.

Abaixo estão os conceitos desenvolvidos pelo CDC.

O teste para “Casos confirmados” de Covid-19

Abaixo estão as definições e procedimentos oficiais que são contraditórios:

“O teste RT-PCR do COVID-19 é o Teste de Reação em Cadeia da Polimerase de Transcrição Reversa em Tempo Real (rRT-PCR) para a detecção qualitativa de ácido nucleico de SARS-CoV-2 em amostras respiratórias superiores e inferiores … coletados de indivíduos suspeitos de terem o COVID 19 … [bem como] de indivíduos sem sintomas ou outras razões para suspeitar de uma infecção por COVID-19. …

Este teste também é para uso com amostras individuais de esfregaço nasal que são auto-coletadas usando o kit de teste de coleta doméstica para COVID-19, Pixel, feito pelo LabCorp  … O teste de RT-PCR COVID-19 também é para a detecção qualitativa de ácidos nucleicos do SARS-CoV-2 em amostras combinadas, usando uma estratégia de combinação de matrizes (FDA, Número de Teste do Laboratório LabCorp: 139900)

Este teste é baseado em amostras respiratórias superiores e inferiores.

Os critérios e diretrizes confirmados pelo CDC relativos ao “Painel de Diagnóstico do Novo Coronavírus de 2019 do CDC (2019-nCoV)” são os seguintes (Leia cuidadosamente):

Os resultados são para a identificação do RNA do nCoV-2019. O RNA do nCoV-2019 é geralmente detectável em amostras respiratórias superiores e inferiores durante a infecção. Resultados positivos são indicativos de infecção ativa com nCoV-2019, mas não descarta infecção bacteriana ou coinfecção com outro vírus. O agente detectado pode não ser a causa definitiva da doença. Laboratórios dentro dos Estados Unidos e seus territórios são obrigados a relatar todos os resultados positivos para as autoridades de saúde pública competentes.

Resultados negativos não impedem a infecção de nCoV-2019 e não devem ser usados como a única base para o tratamento ou outras decisões para gestão de pacientes. Os resultados negativos devem ser combinados com observações clínicas, histórico do paciente e informações epidemiológicas.

O que isso sugere é que uma infecção positiva pode ser o resultado de co-infecção com outros vírus. De acordo com o CDC, “isso não descarta a infecção bacteriana ou coinfecção com outros vírus. O agente detectado pode não ser a causa definitiva da doença.” (CDC)

O diagrama a seguir resume o processo de identificação de casos positivos e negativos: tudo o que é necessário é a presença de “material genético viral” para que seja categorizado como “positivo”. O procedimento não identifica ou isola o Covid-19. O que aparece nos testes são fragmentos do vírus.

Como o teste PCR para COVID-19 funciona?
O teste de polimerase de reação em cadeia (PCR) pode detectar até pequenas quantidades de material viral genético em uma amostra ao duplicá-lo várias vezes através de um complexo processo laboratorial chamado amplificação.
1) Uma amostra de teste é retirada do fundo do nariz e processada para isolar o material genético.
2) Pequenas partes de material genético especificamente projetadas, chamadas primers, são introduzidas e ligadas ao matrial genético viral isolado, iniciando a amplificação.
3) Marcadores fluorescentes ligados às cópias durante o PCR são liberadas e podem ser detectadas quando a amplificação ocorre.
Resultado Positivo – Quando há material genético viral na amostra, a amplificação ocorre, liberando marcadores fluorescentes o suficiente para serem detectados.
Resultado Negativo – Se não há nenhum material genético viral na amostra, a amplificação não vai ocorrer e nenhum marcador fluorescente vai ser detectado.

Um teste positivo não significa que você tem o vírus e / ou que você pode transmitir o vírus.

Um teste negativo não significa que você não o tenha.

Os conceitos do CDC citados acima sugerem que o teste RT-PCR aplicado a estimar a propagação do vírus– é disfuncional. Além disso, uma amplificação (limite) em excesso de 25 ciclos (Ct) vai, inevitavelmente, resultar em estimativas enganosas. O que os governos querem é inflar o número de casos positivos, especificamente na contestação da Segunda Onda. A amplificação foi conduzida além dos 25 ciclos recomendados. (Veja a análise abaixo do Relatório Drosten e da Retração da OMS).

 

Casos “presumidos” vs. “confirmados”

Esta seção trata dos procedimentos de teste no início da pandemia em Fevereiro de 2020.

Nos EUA, os dados do CDC incluem “confirmados” e “presumíveis” casos positivos de COVID-19 relatados ao CDC ou testados sob a jurisdição do CDC desde 21 de janeiro de 2020. Os dados positivos presumidos não confirmam a infecção por coronavírus.

O teste presumível envolve “análise química de uma amostra que estabelece a possibilidade de que uma substância esteja presente” (ênfase adicionada). O teste presumível deve então ser enviado para confirmação a um laboratório de saúde credenciado pelo governo. ” (Para mais detalhes veja: Michel Chossudovsky, Spinning Fear and Panic Across America. Analysis of COVID-19 Data, 20 de março de 2020)

Da mesma forma, no Canadá, “Um teste de ponto de atendimento” é um “teste rápido feito no momento e local de atendimento, como hospital ou consultório médico”. Consiste em coletar “amostras do nariz ou garganta usando cotonetes”, que são então testados no local, com resultados quase imediatos (em 30 a 60 minutos). Mas isso não confirma a presença de SARS-CoV-2.

Teste sorológico ou testes de anticorpos para COVID-19

Segundo o CDC, os testes sorológicos não detectam o vírus propriamente dito, “eles detectam os anticorpos produzidos em resposta a uma infecção”. Os testes sorológios não são usados para “diagnóstico precoce de COVID-19”.

“Falsos Positivos” e a Identificação do Vírus. O teste de PCR identifica o SARS-CoV-2?

Enquanto o SARS-CoV-2 – especificamente o vírus que é dito causar COVID-19 (categorizada como doença), foi isolado em um teste de laboratório em janeiro de 2020, o teste RT-PCR não identifica / detecta o vírus. O que detecta são fragmentos dos vírus. De acordo com o renomado imunologista suíço Dr. B. Stadler.

Então, se fizermos um teste PCR de corona em uma pessoa imune, não é um vírus que é detectado, mas uma pequena parte fragmentada do genoma viral. O teste retorna positivo enquanto restarem pequenas partes fragmentadas do vírus. Mesmo que os vírus infecciosos estejam mortos há muito tempo, um teste de corona pode retornar positivo, porque o método de PCR multiplica até mesmo uma pequena fração do material genético viral, o suficiente [para ser detectado].

A pergunta é positiva para quê?? O teste de PCR não detecta a identidade do vírus, de acordo com o Dr. Pascal Sacré.

“Esses testes detectam partículas virais, sequências genéticas, não o vírus todo.”

Na tentativa de quantificar a carga viral, essas sequências são então amplificadas várias vezes por meio de várias etapas complexas que estão sujeitas a erros, erros de esterilidade e contaminação.

RT-PCR positivo não é sinônimo de doença COVID-19! Especialistas em PCR deixam claro que um teste deve sempre ser comparado com o histórico clínico do paciente sendo testado, com o estado de saúde do paciente para confirmar seu valor [confiabilidade]

A mídia assusta a todos com novos testes PCR positivos, sem qualquer nuance ou contexto, assimilando erroneamente essas informações com uma segunda onda de COVID-19.

Embora o teste RT-PCR nunca tenha a intenção de identificar o vírus, ele no entanto, constitui desde o início a pedra angular das estimativas de “positivos” do Covid-19.

Então POR QUE foi adotado?

A OMS estabelece o teste de Covid RT-PCR em Janeiro de 2020. O Controverso Estudo de Drosten

F. William Engdahl documentou como o teste RT-PCR foi estabelecido pela OMS no início de janeiro de 2020, apesar de suas óbvias deficiências em identificar o nCoV-2019. O escândalo tem suas raízes na Alemanha envolvendo “um professor no coração do grupo consultivo sobre o corona de Angela Merkel”.

Em 23 de janeiro de 2020, o Dr. Christian Drosten e seus colegas do Instituto de Virologia de Berlim do Hospital Charité, juntamente com o chefe de uma empresa de biotecnologia sediada em Berlim, TIB Molbiol Syntheselabor GmbH, publicou um estudo intitulado “Detecção do novo coronavírus de 2019 (nCoV-2019) por RT-PCR em tempo real”.

Enquanto o artigo Eurosurveillance de Drosten (realizado em ligação com a OMS) confirmou que “várias sequências do genoma viral foram liberadas”, no caso de nCoV-2019, “vírus isolados ou amostras de pacientes infectados não estavam disponíveis … “:

“As sequências do genoma sugerem a presença de um vírus intimamente relacionado aos membros de um CoV relacionado à espécie viral denominada síndrome respiratória aguda grave (SARS), uma espécie definida pelo agente do surto de SARS em humanoes de 2002/03 [3,4].

Reportamos sobre o estabelecimento e validação de um fluxo de trabalho de diagnóstico para rastreamento de nCoV-2019 e confirmação específica [usando o teste RT-PCR], projetado na ausência de isolados do vírus ou espécimes originárias de pacientes disponíveis. O design e a validação foram habilitados pela relação genética próxima com o SARS-CoV de 2003, e auxiliado pelo uso de tecnologia de ácido nucléico sintético.” (Eurosurveillance, 23 de janeiro de 2020, ênfase adicionada).

O que esta declaração sugere é que a identidade de nCoV-2019 não era exigida e que a “validação” seria habilitada pelo “próximo parentesco genético com o 2003-SARS-CoV.” Também sugere que a OMS não tinha em sua posse em janeiro de 2020 os “isolados do vírus” necessários para identificar o vírus.

As recomendações do estudo Drosten (apoiado e financiado pela Fundação Gates) referente ao uso do teste RT-PCR aplicado ao nCoV-2019 foram então transmitidas à OMS. Eles foram posteriormente endossados pelo Diretor Geral da OMS, Tedros Adhanom. A identidade do vírus não era necessária, apesar de ter sido confirmada por ambas as autoridades sanitárias chinesas (7 de janeiro de 2020) e pelo CDC (janeiro 28, 2020) (ver Capítulo II).

O acima também explica a subsequente renomeação pela OMS de 2019-nCoV para SARS-CoV-2.

O artigo Drosten relativo ao uso do teste RT-PCR em todo o mundo (sob a orientação da OMS) foi desafiado em um estudo de 27 de novembro de 2020 por um grupo de 23 virologistas internacionais, microbiologistas e outros. “Sua análise cuidadosa da peça original [Drosten] é condenatória . … Eles acusam Drosten e seus coortes de incompetência científica “fatal” e falhas em promoverem seu teste” (Engdahl , dezembro de 2020).

De acordo com Pieter Borger, Bobby Rajesh Malhotra, Michael Yeadon, Clare Craig, Kevin McKernan, e outros.

À luz de todas as consequências decorrentes desta mesma publicação para sociedades em todo o mundo, um grupo de pesquisadores independentes realizou uma revisão ponto por ponto da publicação supracitada [Drosten] em que 1) todos componentes do teste apresentado tiveram uma verificação cruzada, 2) as recomendações do protocolo RT-qPCR foram analisadas em relação a boas práticas laboratoriais, e 3) parâmetros examinados contra a literatura científica relevante nesta área.

O protocolo RT-qPCR publicado para detecção e diagnóstico de nCoV-2019 e o manuscrito sofrem de numerosos erros de aspectos técnicos e científicos, incluindo um projeto de primer insuficiente, um problemático e insuficiente Protocolo RT-qPCR e a ausência de uma validação de teste precisa. Nem o teste apresentado, nem o próprio manuscrito atendem aos requisitos para uma publicação científica aceitável. Além disso, sérios conflitos de interesse dos autores não são mencionados. Finalmente, o prazo muito curto de tempo entre a submissão e a aceitação da publicação (24 horas) significa que um processo de revisão sistemática por pares não foi realizado aqui, ou foi de má qualidade e problemático. Fornecemos evidências convincentes de várias inadequações científicas, erros e falhas. (27 de novembro de 2020 Crítica de Artigo Drosten , ênfase adicionada)

Os resultados do teste PCR aplicado ao SARS-2 são flagrantemente falhos. Drosten e outros recomendaram o uso de um limite de amplificação de 35 a 45 ciclos (Ct), que foi endossado pela OMS em janeiro de 2020 e retratou um ano mais tarde. (Veja nossa análise sobre a Errata e Mea Culpa da OMS no final deste capítulo).

O teste RT-PCR. “Estimativas” do CDC dos chamados “casos positivos” de Covid-19. Como os Dados são Tabelados?

Abaixo está uma captura de tela do formulário do CDC intitulado Formulário de Relato de Caso de Infecção pelo Novo Coronavírus de 2019 a ser preenchido por médicos autorizados / pessoal de saúde

Observe a categorização, lembrando que nem o “Caso Provável” nem o “caso confirmado em laboratório” (RT-PCR) são “confirmados”. Além disso, existe nenhuma maneira de identificar o vírus SARS-CoV-2 em um teste de laboratório de PCR (conforme declarado acima).


Identificação e Classificação de Caso
Qual é o estado atual dessa pessoa?
Caso confirmado em laboratório* ou Caso provável
Se provável, seleciona a razão para essa classificação:
Atende os critérios clínicos E evidência epidemológica sem confirmação por teste de laborátorio**
Atende evidência de laboratório presumível E todas os critérios clínicos OU evidência epidemológica
Atende critério de registro vital sem confirmação por teste de laboratório
*Identificação de RNA SARS-CoV-2 em um espécime clínico usando um teste de detecção por aplificação molecular
**Identificação de antígeno específico em um espécime clínico, OU identificação de anticorpo específico em soro, plasma, ou incador de sangue completo de uma infecção nova ou recente

Nos EUA, os casos prováveis (PC) e confirmados por laboratório (CC) são agrupados juntos. E o número total (PC + CC) constitui a base para estabelecer os dados para infecção por COVID-19. É como adicionar maçãs e laranjas.

O valor total (PC + CC) categorizado como “Total de casos” não tem sentido. Isto não mede infecção positiva por COVID-19.

A maioria dos “testes presumíveis” são realizados por clínicas privadas ou clínicas comerciais.

No Reino Unido, de acordo com um relatório do Daily Telegraph de 21 de maio de 2020: “amostras retiradas do mesmo paciente estão sendo registrados como dois testes separados nos números oficiais do governo ”.

Funcionários adimitem que dezenas de milhares de testes de coronavírus foram contados duas vezes
Duas amostras do mesmo paciente foram registradas como dois testes diferentes nos números oficiais do Governo

Este é apenas um exemplo de manipulação de dados.

Nos EUA, as clínicas são pagas ($$$) para aumentar o número de admissões por Covid-19. Um caso provável não requer um exame de laboratório: “Atende critérios vitais de registro sem nenhum teste de laboratório confirmatório” (ver formulário acima)

Taxas de recuperação COVID-19

Os dados do CDC tabelam os casos positivos “confirmados” e “presumíveis” desde 21 de janeiro de 2020. No entanto, o que não consegue tornar público é que entre os casos confirmados e presumíveis, um grande número de americanos se recuperaram. Mas ninguém fala em recuperação. Não faz as manchetes.

A falsificação de certidões de óbito nos EUA

No início da pandemia, o CDC foi instruído a mudar a metodologia sobre Certidões de Óbito com o objetivo de inflar artificialmente o número de “mortes por Covid”. De acordo com H. Ealy, M. McEvoy et al

“As diretrizes de 2003 para estabelecer certidões de óbito foram canceladas. “Se o CDC tivesse usado seu padrão da indústria, Manual de Legistas e Examinadores sobre Certidão de Óbito e Revisão de Relatório de Morte Fetal de 2003, assim como para todas as outras causas de morte nos últimos 17 anos, a contagem de fatalidades do COVID-19  seria aproximadamente 90,2% menor do que é atualmente.” (Covid-19: Políticas questionáveis, regras manipuladas de coleta de dados e Comunicando. É seguro para os alunos voltarem à escola? Por H. Ealy , M. McEvoy e et al. , 09 de agosto de 2020


Fatalidades nos EUA com 1 ou mais comorbidades
40.214 (90,2%) Fatalidades com pelo menos 1 comorbidade
3.474 (7,8%) Fatalidades sem comorbidades
874 (2,0%) Fatalidades com comorbidade desconhecida

Mortes do CDC atribuídas ao COVID-19. Comorbidades

Um relatório do CDC de dezembro de 2020 confirma que 94% das mortes atribuídas ao Covid têm “comorbidades” (ou seja, taxa de mortalidade por outras causas).

Para 6% das mortes, COVID-19 foi a única causa mencionada. Para óbitos com doenças ou causas além do COVID-19, em média, foram 2,6 condições ou causas adicionais por morte. O número de mortes com cada condição ou causa é mostrado para todas as mortes e por grupos de idade.

Eles estão escrevendo Covid em todas as certidões de óbito

Em 21 de março de 2020, as seguintes diretrizes específicas foram introduzidas pelo CDC sobre Certificados de Óbito (e sua tabulação no Sistema Vital Nacional de Estatística (NVSS)

COVID-19: A “Causa Básica da Morte” e a cláusula “mais frequentemente” do CDC

Será o COVID-19 a causa básica da morte? Este conceito é fundamental.

A causa básica da morte é definida pela OMS como “a doença ou lesão que iniciou a sequência de eventos que levam diretamente à morte”.

O que o CDC está recomendando com relação à codificação estatística e categorização é que se espera que COVID-19 seja a causa subjacente de morte “mais frequentemente”.

O CDC combina esses dois critérios. “Causa básica de morte”, mais frequentemente.

COVID-19 será a causa básica de morte?

“A causa básica depende de quais são e onde estão as condições relatadas na certidão de óbito. No entanto, as regras para codificação e a seleção da causa básica de morte deve resultar em COVID-19 sendo a causa básica mais frequentemente.”

A diretiva acima é categórica.

Abaixo estão os conceitos e justificativas do CDC

O Certificador não tem permissão para relatar coronavírus sem identificar um cepa específica. E as diretrizes recomendam que COVID-19 deve sempre ser indicado.


Será o COVID-19 a causa básica?
A causa básica depende das condições de o que e onde são relatadas na certidão de óbito.
No entanto, as regras para codificar e selecionar a causa básica de morte são esperadas que resultem em COVID-19 como causa básica de morte mais frequentemente.

O que acontece se os certificadores notificarem outros termos diferentes dos sugeridos?
Se uma certidão de óbito relatar coronavírus sem identificar uma cepa específica ou explicitamente especificar que não é COVID-19, o NCHS vai questionar os estados para acompanhar a questão e verificar se foi COVID-19 ou não.
Contanto que a frase usada indique uma cepa do coronavírus de 2019, o NCHS espera atribuir o novo código.
No entanto, é preferível e muito mais direto para os certificadores usarem a terminologia padrão (COVID-19)

(Captura de tela do relatório do CDC)

A certificadora não pode se afastar dos critérios do CDC. O Covid-19 é imposto. Leia atentamente os critérios do CDC abaixo:

“O que acontece se os certificadores relatarem termos diferentes dos termos sugeridos?

Se um atestado de óbito relata coronavírus sem identificar uma cepa específica ou especificando explicitamente que não é COVID-19, o NCHS solicitará aos estados para acompanhar a questão e verificar se foi COVID-19 ou não.

Contanto que a frase usada indique a cepa de coronavírus de 2019, o NCHS espera atribuir o novo código. No entanto, é preferível e muito mais direto para os certificadores usarem a terminologia padrão (COVID-19).

O que acontece se os termos relatados na certidão de óbito indicarem incerteza?

Se a certidão de óbito relatar termos como “provável COVID-19” ou “Provavelmente COVID-19”, esses termos seriam atribuídos ao novo código ICD. Não é provável que o NCHS acompanhe esses casos.

Se “teste para COVID-19 pendente” for relatado na certidão de óbito, este seria considerado um registro pendente. Neste cenário, o NCHS esperaria para receber um registro atualizado, pois o código provavelmente resultará em R99. Nesse caso, o NCHS solicitará aos estados que façam um acompanhamento para verificar se os resultados dos testes confirmam que o falecido tinha COVID-19.

… COVID-19 deve ser relatado na certidão de óbito para todos falecidos onde a doença causou ou presume-se que tenha causado ou contribuiu para a morte. Os certificadores devem incluir o máximo de detalhes possível com base em seu conhecimento do caso, registros médicos, testes laboratoriais, etc. ”

Não existem lacunas. Essas diretrizes do CDC contribuíram para categorizar o Covid-19 como a “causa de morte” registrada. Dois conceitos fundamentais prevalecem em:

1. A “causa básica de morte”
2. A cláusula “Mais frequentemente” que falsifica a Causa de Morte

E esses critérios são impostos apesar do teste RT-PCR utilizado para corroborar a “causa de morte” fornecer resultados enganosos.

Na prática, conforme descrito acima: “provável COVID-19” será considerada como a “causa básica de morte” sem a conduta de um teste de PCR e sem realizar uma autópsia.

Estudo de caso: “Estimativas” erradas da causa de Morte em Quebec

Os critérios que estabelecem a Causa de Morte “básica” nos EUA são com base na cláusula “mais frequentemente” (ver acima) estabelecida nacionalmente pelo CDC.

No Canadá, os critérios variam de uma província para outra. A categorização da causa de morte na província canadense de Quebec foi objeto de bruta manipulação.

De acordo com uma diretiva do Ministério da Saúde de Quebec (abril de 2020):

“Se a causa presumida de morte for Covid-19 (com ou sem teste positivo) uma autópsia deve ser evitada e a morte deve ser atribuída a Covid-19 como causa provável da morte. Além disso, as mortes cuja causa provável é Covid-19 são consideradas naturais e não estão sujeitas a notificação do legista. “ (ênfase no documento original).

A diretiva não permite a contagem de comorbidades. Aplicado em abril 16 de 2020, esta diretriz conduziu a um aumento imediato e acentuado no número de mortes atribuídas à Covid-19:

44,9% do total de mortes em Quebec foram atribuídas à Covid-19 (semana de 11 a 18 de abril de 2020) (ver tabela abaixo).

De acordo com o La Presse de Montreal , “abril [2020] foi o mês mais mortal”. Mas o La Presse consultou as diretrizes do Ministério da Saúde?

Abaixo estão as causas (diárias) de morte para Quebec correspondentes à semana de 12 a 18 de abril de 2020 (imediatamente após a diretiva governamental) medido de acordo com os critérios emitidos pelo Ministério da Saúde.

Esses números são o resultado da chamada pandemia mortal? Ou são eles o resultado das “diretrizes” do Ministério da Saúde baseadas em critérios equivocados?

  • Caso “presumido” relativo à Covid,
  • “Com ou sem teste positivo”,
  • Causa “provável” de morte,
  • “A autópsia deve ser evitada” no caso de Covid-19.
  • “Mortes cuja causa provável seja Covid-19, são consideradas naturais, e não são objeto de notificação ao legista”

De acordo com o Sr. Paul G. Brunet, do Conselho para a Proteção dos Doentes (CPM):

“… Percebemos através das denúncias de alguns médicos que pessoas não morreram de COVID, mas de desidratação, desnutrição e abandono, lamenta o Sr. Brunet. Então, o que as milhares de pessoas em CHSLDs [lares de idosos] e residências privadas realmente morrem? ”
(citado em La Presse, traduzido do francês)

Teste, teste, teste

Imediatamente após o lançamento oficial da pandemia e do lockdown mundial em 11 de março de 2020, os testes de Covid entraram em alta velocidade. O número de casos positivos da Covid no início de março de 2020 foi ridiculamente baixo. (44.279 em todo o mundo fora da China em 11 de março, de acordo com a OMS, veja o Capítulo II).

O teste RT-PCR é conhecido por produzir uma alta porcentagem de falsos positivos. As pessoas estão assustadas. Eles são incentivados a fazer o teste de PCR, que aumenta o número de falsos positivos. E os governos têm sido deliberadamente envolvidos no aumento dos testes de PCR com o objetivo de inflar o número dos chamados casos positivos de Covid-19.

Essas “estimativas” positivas de Covid infladas (do teste de PCR) são então tabeladas e usadas para sustentar a campanha do medo. A campanha das mortes por Covid-19 é baseada em critérios falhos e enviesados, que então sendo usados para justificar as várias políticas de lockdown, incluindo o distanciamento social, a máscara facial, etc.

De acordo com o Dr. Pascal Sacré em um artigo intitulado: O Teste COVID-19 RT-PCR: Como enganar toda a humanidade. Usando um “teste” para trancafiar a sociedade:

Esse uso indevido da técnica de RT-PCR é usado como uma estratégia implacável e intencional por alguns governos, apoiados por conselhos científicos de segurança e pela mídia dominante, para justificar medidas excessivas como a violação de um grande número de direitos constitucionais, a destruição da economia com a falência de todos os setores ativos da sociedade, a degradação das condições de vida para um grande número de cidadãos comuns, sob o pretexto de uma pandemia com base em uma série de testes RT-PCR positivos, e não em um número real de pacientes.

Os testes de RT-PCR não comprovam infecção:

“Hoje, à medida que as autoridades testam mais pessoas, é provável que haja mais testes RT-PCR positivos. Isso não significa que o COVID-19 está voltando, ou que a epidemia está se movendo em ondas. Há mais pessoas sendo testadas, só isso.”

Este procedimento de coleta massiva de dados existe para fornecer “estimativas” (falsos positivos) de apoio (defeituoso) para justificar a aplicação de um lockdown juntamente com a segunda e terceira ondas mundiais de desestabilização econômica e social. (Veja os Capítulos IV e X).

A partir de novembro de 2020, essas estimativas de PCR falhas foram usadas para apoiar a campanha de vacinação do Covid-19 (Capítulo VIII).

A Retratação da OMS. “Cometemos um Erro”. Recomenda “novos testes” rRT-PCR

A reação em cadeia da polimerase de transcrição reversa em tempo real (rRT- PCR) foi adotada pela OMS em 23 de janeiro de 2020 como meio para detectar o vírus SARS-COV-2, seguindo as recomendações do Grupo de pesquisa em virologia (sediado no Charité University Hospital, Berlim), apoiado pela Fundação Bill e Melinda Gates. (Veja nossa análise acima do estudo Drosten)

Exatamente um ano depois, em 20 de janeiro de 2021, a OMS se retrata. Eles não dizem “Cometemos um erro”. A retratação é cuidadosamente formulada. (Veja o Aviso de retratação da OMS datado de 20 de janeiro de 2021 )

Embora a OMS não negue a validade de suas diretrizes enganosas de janeiro de 2020, eles, no entanto, recomendam “novos testes” (que todos sabem que é impossível).

A questão controversa diz respeito ao número limite de ciclos de amplificação (Ct). De acordo com Pieter Borger, et al

O número de ciclos de amplificação [deve ser] inferior a 35; de preferência 25 a 30 ciclos. Em caso de detecção de vírus, mais de 35 ciclos detecta apenas sinais que não se correlacionam com o vírus infeccioso, conforme determinado pelo isolamento na cultura de células … (Crítica ao Estudo de Drosten)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) admite tacitamente, um ano depois, que TODOS os testes de PCR realizados em um limite de amplificação de 35 ciclos (Ct) ou superior são INVÁLIDOS. Mas isso é o que eles recomendaram em janeiro de 2020, em consulta com a equipe de virologia do Hospital Charité em Berlim.

Se o teste for realizado em um limite de 35 Ct ou acima (que foi recomendado pela OMS), segmentos do vírus SARS-CoV-2 não podem ser detectados, o que significa que TODOS os chamados “casos positivos” confirmados tabulados no decurso dos últimos 14 meses são inválidos.

De acordo com Pieter Borger, Bobby Rajesh Malhotra, Michael Yeadon, et al, o limite de amplificação maior que 35 ciclos tem sido a norma “na maioria dos laboratórios na Europa e nos EUA”.

A Mea Culpa da OMS

Abaixo está a “Retratação” cuidadosamente formulada pela OMS. O texto completo com link para o documento original está em anexo a este capítulo:

“O teste de diagnóstico de orientação da OMS para SARS-CoV-2 afirma que a interpretação cuidadosa de resultados positivos fracos é necessária (1). O limite do ciclo (Ct) necessário para detectar o vírus é inversamente proporcional à carga viral do paciente. Quando os resultados do teste não correspondem com a apresentação clínica, uma nova amostra deve ser colhida e testada novamente usando o mesmo ou diferentes tecnologias NAT. (enfase adicionada)

A OMS lembra os usuários de IVD que a predominância da doença altera o valor preditivo de resultados do teste; conforme a predominância da doença diminui, o risco de falso positivo aumenta (2). Isso significa que a probabilidade de uma pessoa que tem um resultado positivo (foi detectado SARS-CoV-2) estar realmente infectada com SARS-CoV-2 diminui à medida que a predominância diminui, independentemente da especificidade alegada.”

“Positivos inválidos” é o conceito base

Esta não é uma questão de “Fracos positivos” e “Aumento de risco de falso positivo”. O que está em jogo é uma “metodologia falha” que leva a estimativas inválidas.

O que esta admissão da OMS confirma é que a estimativa de testar positivo para covid em um teste de PCR (com um limite de 35 ciclos de amplificação ou superior) é inválido. Nesse caso, a OMS recomenda um novo teste: “uma nova amostra deve ser colhida e testada novamente … ”.

A OMS pede “novo teste” , o que equivale a “Nós erramos”.

Essa recomendação é pró-forma. Isso não vai acontecer. Milhões de pessoas já foram testadas em todo o mundo, a partir do início de fevereiro de 2020. No entanto, devemos concluir que, a menos que sejam testadas novamente, essas estimativas (de acordo com a OMS) são inválidas.

Desde o início, o teste de PCR tem sido aplicado rotineiramente em um limite de amplificação de 35 Ct ou superior, após as recomendações de janeiro de 2020 da OMS. O que isso significa é que a metodologia RT-PCR aplicada em todo o mundo, ao longo dos últimos 12 a 14 meses levaram à compilação de estatísticas defeituosas e enganosas da Covid.

E essas são as estatísticas que são usadas para medir a progressão da chamada “pandemia”. Acima de uma amplificação de 35 ciclos ou superior, o teste não detectará o vírus. Portanto, os “números de covid” oficiais não tem significado.

Conclui-se que não há base científica para confirmar a existência de um pandemia.

O que, por sua vez, significa que o lockdown/medidas econômicas que resultaram em pânico social, pobreza em massa e desemprego (para supostamente reduzir a propagação do vírus) não têm qualquer justificação.

De acordo com a opinião científica:

“Se alguém for testado por PCR como positivo quando um limite de 35 ciclos ou superior é usado (como é o caso na maioria dos laboratórios na Europa e nos EUA), a probabilidade de que essa pessoa esteja realmente infectada é inferior a 3%, o a probabilidade de que o referido resultado seja um falso positivo é de 97% (Pieter Borger, Bobby Rajesh Malhotra, Michael Yeadon, Clare Craig, Kevin McKernan, et al, Critique of Drosten Study )

3. O número de ciclos de ampificação (menos de 35; preferivelmente 25 a 30 ciclos);

No caso de detecção de vírus, mais de 35 ciclos só detectam sinais que não estão correlacionados com vírus infecciosos como determinado pelo isolamento na cultura de células [revisado em 2]; se alguém tiver um resultado positivo com o teste PCR quando o limite de 35 ciclos ou superior for usado (como no caso da maioria dos laboratórios na Europa e nos EUA), a probabilidade que essa pessoa esteja realmente infectada é de menos de 3%, a probabilidade de que o resultado referido seja um falso positivo é de 97% [revisado em 3]

Conforme descrito acima, “a probabilidade de que o resultado referido seja um falso positivo é de 97%”: Segue-se que usar a detecção de mais de 35 ciclos contribuirá definitivamente para “aumentar” o número de “falsos positivos”.

Apesar da retração da OMS de janeiro de 2021, o teste de PCR está sendo utilizado extensivamente para aumentar os números com o objetivo de sustentar a campanha de medo, justificando as políticas de lockdown em curso, bem como o implementação da vacina Covid.

Ironicamente, os números falhos com base em “positivos inválidos”, por sua vez, estão sendo manipulados para garantir uma tendência de alta nos casos positivos do Covid.

Além disso, esses testes de PCR não são rotineiramente acompanhados por um diagnóstico médico dos pacientes que estão sendo testados.

E agora, as autoridades nacionais de saúde emitiram avisos (falsos) de uma “Terceira Onda” como parte de sua campanha de propaganda em apoio à Vacina do Covid-19.

A OMS confirma que o procedimento de teste PCR do Covid conforme é aplicado é inválido. Não há absolutamente nenhuma base científica para implementar a vacina Covid.

Tanto a OMS quanto a avaliação científica de Pieter Borger, et al (citado acima) confirmam inequivocamente que os testes adotados pelos governos para justificar o lockdown e a desestabilização das economias nacionais são INVÁLIDOS.

Observações finais. Dados inválidos e o “Jogo dos Números”

Deve ser entendido que essas “estimativas inválidas” com base em uma falha metodologia de PCR (que a OMS agora reconheceu) são os “números” citados implacavelmente 24 horas por dia, 7 dias por semana, pela mídia no decorrer da “Primeira Onda” e “Segunda Onda”, que têm sido usadas para alimentar a campanha de medo e “justificar” TODAS as políticas propostas pelos governos:

  • lockdown;
  • encerramento da atividade econômica;
  • restrições a encontros sociais, reuniões familiares, casamentos, funerais;
  • fechamento ou fechamento parcial de escolas, faculdades e universidades;
  • encerramento de eventos culturais e esportivos;
  • fechamento de museus;
  • confinamento levando à perda de empregos;
  • o desencadeamento da pobreza e do desemprego em massa;
  • falências;
  • distanciamento social;
  • máscara facial;
  • toque de recolher;
  • a vacina;
  • o passaporte de saúde.

E agora entramos na chamada “Terceira Onda”.

Mas onde estão os dados? Como os testes estão sendo conduzidos?

Qual é a metodologia base em relação ao limite dos ciclos de amplificação (Ct)? Como as estimativas de casos positivos estão sendo conduzidas e tabeladas?


Anexo ao Capítulo III

Texto completo da diretiva da OMS datada de 20 de janeiro de 2021

Tecnologias de teste de ácido nucléico (NAT) que usam Reação em cadeia da polimerase (PCR) para detecção de SARS-CoV-2

Tipo de produto: tecnologias de teste de ácido nucléico (NAT) que usam reação em cadeia da polimerase (PCR) para detecção de SARS-CoV-2

Data: 13 de janeiro de 2021

Identificador da OMS: 2020/5, versão 2

Público-alvo: profissionais de laboratório e usuários de IVDs.

Objetivo deste aviso: esclarecer informações anteriormente fornecidas pela OMS. Este aviso substitui o Aviso de Informação da OMS para Usuários de Dispositivos Médicos de Diagnóstico In Vitro (IVD) 2020/05 versão 1, emitida em 14 de dezembro de 2020.

Descrição do problema: A OMS solicita aos usuários que sigam as instruções para uso (IFU) ao interpretar os resultados para amostras testadas usando a metodologia PCR.

Os usuários de IVDs devem ler e seguir as IFU cuidadosamente para determinar se o ajuste manual do limite de positividade de PCR é recomendado pelo fabricante.

O teste de diagnóstico para SARS-CoV-2 de orientação da OMS afirma que a cuidadosa interpretação de resultados positivos fracos é necessária ( 1 ). O limite do ciclo (Ct) necessário para detectar o vírus é inversamente proporcional à carga viral do paciente. Onde os resultados do teste não correspondem com a apresentação clínica, uma nova amostra deve ser retirada e testada novamente usando a mesma ou uma diferente tecnologia NAT.

A OMS lembra os usuários de IVD que a permanência da doença altera o valor preditivo dos resultados de teste; conforme a permanência da doença diminui, o risco de falso positivo aumenta ( 2 ). Isso significa que a probabilidade de uma pessoa que tem um resultado positivo (SARS-CoV-2 detectado) estar realmente infectada com SARS-CoV-2 diminui à medida que a permanência diminui, independentemente da especificidade reivindicada.

A maioria dos ensaios de PCR são indicados como auxiliares de diagnóstico, portanto, os provedores de cuidados de saúde devem considerar qualquer resultado em combinação com o tempo de amostragem, tipo de amostra, especificações do ensaio, observações clínicas, histórico do paciente, status confirmado de quaisquer contatos e informações epidemiológicas.

Ações a serem tomadas pelos usuários de IVD:

  1. Leia atentamente o IFU na sua totalidade.
  2. Entre em contato com seu representante local se houver algum aspecto do IFU que seja pouco claro para você.
  3. Verifique o IFU para cada remessa de entrada para detectar quaisquer alterações ao IFU.
  4. Forneça o valor Ct no relatório ao provedor de cuidados de saúde solicitante.

Notas

1. Teste de diagnóstico para SARS-CoV-2. Genebra: Organização Mundial da Saúde; 2020, número de referência da OMS WHO/2019-nCoV/laboratory/2020.6.

2. Altman DG, Bland JM. Testes de diagnóstico 2: valores preditivos. BMJ. 9 de Julho de 1994;309 (6947):102. doi: 10.1136/bmj.309.6947.102.


 

Capítulo IV

Depressão econômica projetada

Existem essencialmente quatro fases distintas na desestabilização projetada da economia global.

  • A primeira fase foi lançada no final de janeiro, quando a administração Trump anunciou (31 de janeiro de 2020) que negará a entrada de estrangeiros “que viajaram para a China nos últimos 14 dias”. Isso desencadeou imediatamente uma crise nas viagens aéreas e nos transportes. O comércio entre a China e os EUA e a indústria do turismo foram afetados.
  • A segunda fase foi iniciada no dia 20 de fevereiro, seguindo o Diretor Geral da OMS Dr. Tedros alertando que uma pandemia era iminente, que serviu para desencadear o início da crise financeira do Corona de 2020.
  • A terceira fase foi lançada com o lockdown de 11 de março de 2020 levando ao fechamento de 190 economias nacionais, com consequências sociais devastadoras e
  • Uma quarta fase foi iniciada em outubro e novembro de 2020 coincidindo com a chamada “Segunda Onda”.
  • Uma “Terceira Onda” foi lançada no início de 2021.

A Ruptura do Comércio EUA-China

A decisão de Trump em 31 de janeiro de 2020 foi tomada imediatamente após o anúncio pelo Diretor Geral da OMS de uma Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional (PHEIC) (30 de janeiro de 2020). Em muitos aspectos, este foi um ato de “guerra econômica” contra a China.

E então, após a decisão de Trump em 31 de janeiro de 2020 de reduzir as viagens aéreas e transporte para a China, uma campanha foi lançada nos países ocidentais contra a China, bem como contra os chineses étnicos. O The Economist relatou que “O coronavírus espalha o racismo contra e entre os chineses étnicos”

“A comunidade chinesa da Grã-Bretanha enfrenta racismo por causa do surto de coronavírus”

De acordo com o South China Morning Post (Hong Kong) :

“As comunidades chinesas no exterior estão enfrentando cada vez mais abusos racistas e discriminação em meio ao surto de coronavírus. Alguns chineses étnicos que vivem no Reino Unido dizem que experimentaram uma hostilidade crescente por causa do vírus mortal que se originou na China. ”

E esse fenômeno aconteceu por todo EUA

Lute contre o vírus, NÃO contra o povo

China Town, São Francisco

Comércio EUA-China. A Dependência da América do “Fabricado na China”

O que a administração Trump não conseguiu compreender é que os Estados Unidos dependem fortemente das importações de commodities da China.

A verdade que não foi falada é que a América é uma economia movida a importação (resultante de offshoring) com uma base manufatureira fraca, fortemente dependente de importações da RPC. Apesar do domínio financeiro da América e dos poderes do dólar, há falhas graves na estrutura da “Real Economia” da América que foram exacerbadas pela crise do corona.

As importações dos EUA da China diminuíram significativamente como resultado da “Pandemia”, os impactos no comércio varejista dos EUA são potencialmente devastadores. Esse processo de interrupção que afeta a produção, linhas de abastecimento, transportes internacionais começou no início de fevereiro de 2020, após a declaração de Trump em 31 de janeiro de 2020.

Fatores políticos e geopolíticos desempenharam um papel fundamental, incluindo a campanha anti-chinês lançada em fevereiro de 2020, bem como ameaças pela administração Trump, alegando que a China foi responsável por “espalhar o vírus”. Os impactos no comércio bilateral EUA-China foram devastadores: as importações de commodities da China para os EUA diminuíram 28,3% (média nos primeiros três meses de 2020 em relação aos primeiros 3 meses de 2019).

Após o bloqueio e fechamento da economia global em 11 de março de 2020, o declínio das importações da China para os EUA em março de 2020 foram da ordem de 36,5% (em relação a março de 2019). O declínio nas exportações da China para os EUA registrados em abril e maio foram da ordem de 7,9% a 8,5% em relação a abril e maio de 2019.

Além disso, de acordo com números citados pelo Financial Times (em grande parte atribuível à profunda crise financeira que começou em fevereiro de 2020), o valor dos (anunciados) projetos de investimento direto chineses nos EUA caíram cerca de 90%: US $ 200 milhões no primeiro trimestre de 2020, queda de uma média de US $ 2 bilhões por trimestre em 2019.

“O investimento direto chinês nos EUA ficou em US $ 5 bilhões, uma ligeira queda em relação a US $ 5,4 bilhões em 2018 e bem fora do pico recente de US $ 45 bilhões em 2016, quando as empresas chinesas eram muito mais livres para adquirir suas equivalentes americanas”

Embora a economia dos EUA tenha entrado em uma crise profunda (começando em Fevereiro de 2020 com a crise financeira), a economia da China havia se recuperado: As exportações globais da China em todo o mundo (dólares) em abril de 2020 aumentaram 3,5% (em relação a abril de 2019).

O que aconteceu foi um grande redirecionamento das exportações da China para a União Europeia (UE) e para o resto do mundo, o que inevitavelmente afeta o “Fabricado na China” no comércio varejista em todos os Estados Unidos. As implicações geopolíticas são de longo alcance, enquanto a real economia nos EUA está em ruínas, a China tornou-se agora o maior parceiro comercial da UE.

A Crise Financeira do Corona de Fevereiro de 2020

O comércio especulativo e a fraude financeira desempenharam um papel fundamental. Na quinta-feira, 20 de fevereiro à tarde (hora CET) em Genebra, o Diretor Geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus deu uma entrevista coletiva. Eu estou “preocupado”, disse ele, “que a chance de conter o surto de coronavírus” está “acabando”…

“Acredito que a janela de oportunidade ainda está aí, mas que a janela está se estreitando.”

Essas declarações de “choque e pavor” contribuíram para desencadear o pânico, apesar do fato de que o número de casos confirmados fora da China foi excessivamente baixo: 1.076 casos fora da China, para uma população de 6,4 bilhões. (Excluindo o Diamond Princess, foram 452 os chamados “casos confirmados” em todo o mundo. Veja o Capítulo II)

A declaração do Dr. Tedros (com base em conceitos e estatísticas falhos), definiu o palco para o colapso financeiro de fevereiro desencadeado por informações privilegiadas, conhecimento prévio, comércio de derivativos, vendas a descoberto e uma abundância de operações de fundos de cobertura.

O COVID-19 foi identificado como o catalisador da crise financeira.

Quem estava por trás desse catalisador?

Quem estava por trás da campanha de medo que contribuiu para desencadear o caos e incerteza nos mercados financeiros?

O pequeno número de casos confirmados fora da China (1076) de nenhuma forma confirma a propagação de uma epidemia mundial. Mas isso não impediu os mercados despencem.

Os mercados foram manipulados. Quem teve presciência (informações internas) da declaração do Diretor Geral da OMS de 20 de fevereiro de 2020 teria obtido ganhos monetários significativos.

Houve um conflito de interesses (conforme definido pela OMS)? A OMS recebe fundos da Fundação Gates. Bill Gates tem “60% de seus ativos investidos em ações [incluindo ações e fundos de índice]”, de acordo com um relatório da CNBC de setembro de 2019.

A crise do mercado de ações iniciado em 20 de fevereiro conhecido como a Crise do Corona de 2020 (20 de fevereiro a 7 de abril de 2020), foi categorizada como:

“A queda mais rápida nos mercados de ações globais na história financeira, e a crise mais devastadora desde a quebra de Wall Street em 1929.”

A causa da crise financeira foi (de acordo com “analistas”) o vírus, isto é, a “disseminação massiva” da epidemia fora da China. Mas isso foi uma absoluta mentira: houve apenas 1.076 casos em todo o mundo para uma população de 6,4 bilhões fora da China. (ver Capítulo III). A desinformação da mídia desempenhou um papel importante na liderança da campanha de medo.

Informações privilegiadas e fraude financeira

A possibilidade de fraude financeira e “informação privilegiada” (o que é ilegal) foi casualmente dissipada por analistas financeiros e relatórios da mídia.

Sem a mão humana, não há relação causal entre um vírus microscópico e a gama complexa de variáveis financeiras.

A campanha de medo do “vírus assassino” juntamente com os “avisos” oportunos do Dr. Tedros sobre a necessidade de implementar uma pandemia mundial atendeu indevidamente aos interesses dos especuladores institucionais e fundos de cobertura de Wall Street. A crise financeira levou a uma grande mudança na distribuição da riqueza monetária. (Ver análise no Capítulo V)

Na semana seguinte ao anúncio da OMS de 20 a 21 de fevereiro, o Índice Dow Jones caiu 12% (CNBC, 28 de fevereiro de 2020). De acordo com analistas, a queda do DJIA foi resultado da disseminação mundial do vírus. Uma declaração sem sentido em contradição com o (pequeno) número de estimativas positivas de Covid da OMS (1.076 registrados fora da China em 20 de fevereiro de 2020), muitos dos quais foram baseados no teste PCR defeituoso.


Medo do Coronavírus joga ações para baixo – Aqui está o que nove especialistas dizem para acompanhar

Na segunda-feira, dia 24 de fevereiro, com a reabertura das bolsas, houve uma queda sem precedentes no Dow Jones atribuída aos “perigos iminentes” que “o Covid estava se espalhando em todo o mundo, criando incertezas em mercados financeiros”.

“As ações caíram acentuadamente na segunda-feira (24 de fevereiro) com o número de casos de coronavírus fora da China aumentando, alimentando temores de uma prolongada desaceleração econômica global devido à disseminação do vírus. A Média Industrial do Índice Dow Jones fechou em 1.031,61 pontos a menos, ou 3,56%, em 27.960,80. ” (CNBC) (ênfase adicionada)

Média Industrial do Índice Dow Jones, dezembro de 2019 a março de 2020

Também em 24 de fevereiro, Trump solicitou uma ajuda emergencial de US $ 1,25 bilhão.

24 de Fevereiro: Queda do mercado financeiro, Trump afirma controle

Trump pede ajuda emergencial de US $ 1,25 bilhões depois da queda de 1.000 pontos da Média Industrial do Índice Dow Jones por medos do coronavírus.

Ele tweeta que o vírus “está extremamente sob controle” e o mercado de ações “está começando a parecer muito bom para mim!”

“O Coronavírus está extremamente sobre controle nos EUA. Nós estamos em contato com todas as pessoas e todos os países relevantes. O CDC e a OMS estão trabalhando duro e de forma inteligente. O Mercado de Ações está começando a parecer muito bom para mim!”

De acordo com a BBC, os mercados de ações mundiais registraram quedas acentuadas “por causa de preocupações com o impacto econômico do vírus”, sugerindo que o vírus foi “a mão invisível” responsável pelo declínio dos mercados financeiros.

O COVID-19 foi identificado como o catalisador da crise financeira.

Quem estava por trás da campanha do medo que contribuiu para desencadear o caos e incerteza nos mercados financeiros, juntamente com falências e uma redistribuição massiva de riqueza?

11 de março de 2020: A Pandemia do Covid-19, Lockdown, Fechamento da 190 Economias Nacionais

Em 11 de março de 2020: a OMS declarou oficialmente uma pandemia mundial em uma época em que havia 118.000 casos confirmados e 4.291 mortes em todo o mundo (incluindo a China). (11 de março de 2020, de acordo com a entrevista coletiva). O que essas “estatísticas” dizem a você?

O número de casos confirmados fora da China (6,4 bilhões de habitantes) foi da ordem de 44.279 e 1.440 mortes (números registrados em 11 de março pela OMS, (em 12 de março de 2020). (Ver Capítulo III).


A “ciência” por trás dessa decisão de lockdown mundial foi baseada em “um modelo matemático” do Dr. Neil Ferguson, do Imperial College de Londres, como um meio de evitar 600.000 mortes “previstas” no Reino Unido

O “modelo” de Ferguson (que beira o ridículo) foi usado pelo setor financeiro como uma justificativa para desencadear o caos econômico e social no mundo todo. Os esforços de Ferguson foram generosamente financiados pela Fundação Bill e Melinda Gates.

Imediatamente após o anúncio da OMS de 11 de março de 2020, a campanha de medo entrou em alta velocidade. Como no caso da queda de 20 a 21 de fevereiro, a declaração de 11 de março do Diretor Geral da OMS havia preparado o cenário.

Os mercados de ações despencaram em todo o mundo. Na manhã seguinte, o Índice Dow Jones (DJIA) despencou 9,99% (uma queda de 2.352,60 pontos para fechar em 21.200,62). A Quinta-feira negra, 12 de março de 2020 foi “o pior dia do Dow” desde 1987 . A fraude financeira foi o gatilho. Uma transferência massiva de riqueza havia acontecido em favor dos bilionários da América. (ver capítulo V)

As instruções de confinamento “Fique em casa” foram transmitidas a 193 dos países membros das Nações Unidas. Os políticos são os instrumentos de poderosos interesses financeiros. Essa decisão de longo alcance foi justificada como um meio de combater o Vírus?

A decisão foi baseada em um modelo de bloqueio defeituoso projetado pelo Imperial College de Londres.

Sem precedentes na história, aplicado quase simultaneamente em um grande número países, setores inteiros da economia mundial foram desestabilizados. Pequenas e médias empresas foram à falência. O desemprego e a pobreza assumem proporções catastróficas.

Em vários países em desenvolvimento, a fome estourou. (Veja a análise abaixo). Os impactos sociais dessas medidas são devastadores. Os impactos na saúde (mortalidade, morbidade) dessas medidas, incluindo a desestabilização do sistema nacional de saúde (em vários países) ultrapassa em muito aqueles atribuídos ao Covid-19.

Guerra econômica

As instruções vieram de cima, de Wall Street, do Fórum Econômico Mundial, das fundações bilionárias. Este projeto diabólico é casualmente descrito pela mídia corporativa como um empreendimento “humanitário” de saúde pública. A “comunidade internacional” tem uma “responsabilidade de proteger” (R2P). Uma “parceria público-privada” não eleita sob os auspícios do Fórum Econômico Mundial (WEF) veio para resgatar as 7,8 bilhões de pessoas do planeta Terra. O fechamento da economia global foi apresentado como um meio para “matar o vírus”.

Parece absurdo. Fechar a economia real do Planeta Terra não é a “solução”, mas sim a “causa” de um processo de desestabilização e empobrecimento mundial, que por sua vez, inevitavelmente terá um impacto sobre padrões de morbidade e mortalidade. A este respeito, o que deve ser abordada é a relação causal entre as variáveis econômicas (ou seja, poder de compra) e o estado de saúde da população.

A economia nacional combinada com instituições políticas, sociais e culturais é a base para a “reprodução da vida real”: renda, emprego, produção, comércio, infraestrutura e serviços sociais.

Desestabilizar a economia do Planeta Terra não pode constituir uma “solução” para combater o vírus. Mas essa foi a “solução” imposta que eles querem que nós acreditemos. E é isso que eles estão fazendo.

O lockdown e o processo de falência planejada

Existe uma relação importante entre a “Verdadeira Economia” e o “Big Money”, nomeadamente o estabelecimento financeiro.

O que está em curso é um processo de concentração de riquezas, por meio do qual o estabelecimento financeiro, (ou seja, os credores multibilionários) estão programados para apropriar-se dos ativos reais de ambas as empresas falidas, bem como os ativos do Estado.

A “Verdadeira Economia” constitui “a paisagem econômica” da verdadeira atividade econômica: ativos produtivos, agricultura, indústria, bens e serviços, comércio, investimento, emprego, bem como a infraestrutura sociail e cultural incluindo escolas, hospitais, universidades, museus, etc. A verdadeira economia em nível global e nacional está sendo direcionada pelo lockdown e o encerramento da atividade econômica.

As instruções de lockdown transmitidas aos governos nacionais foram propícios à desestabilização da “paisagem econômica nacional”, que consiste em toda uma estrutura econômica e social. O lockdown “fique em casa” impede as pessoas de irem para o trabalho. De um dia para o outro, ele cria desemprego em massa (no mundo todo). Por sua vez, o lockdown é aliado ao fechamento de setores inteiros da economia nacional.

O bloqueio contribui imediatamente para o desligamento de recursos humanos (mão-de-obra) que, por sua vez, paralisam a atividade produtiva.

Os canais de abastecimento e distribuição estão congelados, o que acaba levando à potencial escassez na disponibilidade de commodities. Por sua vez, centenas de milhões de trabalhadores em todo o mundo perdem seus empregos e seus ganhos.

Embora os governos nacionais tenham criado várias “redes de segurança social” para os desempregados, o pagamento de vencimentos e salários por parte do empregador é interrompido, o que por sua vez leva a um colapso mundial dramático de poder de compra.

É uma crise de pagamentos. Vencimentos e salários não são pagos. As famílias empobrecidas não podem comprar alimentos, pagar o aluguel ou a hipoteca mensal. As dívidas pessoais e domésticas (incluindo dívidas de cartão de crédito) sobem muito. É um processo cumulativo.

Esta globalização da pobreza leva a um declínio na demanda do consumidor que em seguida, reage no sistema produtivo, levando a uma nova série de falências. Inevitavelmente, a estrutura do comércio internacional de commodities é também afetado.

Endividamento Global

As instituições financeiras do Dinheiro Global são as “credoras” da verdadeira economia que está em crise. O fechamento da economia global desencadeou um processo de endividamento global. Sem precedentes na história mundial, uma série de dívidas de trilhões de dólares estão atingindo simultaneamente as economias nacionais de 193 países.

Os credores também buscam adquirir a propriedade e / ou controle da “riqueza pública”, incluindo os ativos sociais e econômicos do Estado por meio de um projeto de endividamento maciço sob a supervisão de instituições credoras incluindo o FMI, o Banco Mundial, os bancos regionais de desenvolvimento, etc.

Sob o chamado “Novo Normal” do Great Reset promovido pelo Fórum Econômico Mundial (WEF), os credores (incluindo os bilionários) estão atentos ao comprar setores importantes da verdadeira economia, bem como tomar o controle sobre entidades falidas (Ver Capítulo IX)

Crise da economia global. A evidência

Nas seções abaixo, revisamos os impactos dramáticos do fechamento da economia global com foco em falências, pobreza global, desemprego, a eclosão da fome, bem como a educação.

A maioria dos números citados abaixo são da ONU, governo e fontes relacionadas, que tendem a subestimar a seriedade deste processo de crise global, que está literalmente destruindo a vida das pessoas.

O endividamento em todos os setores da atividade econômica em todo o mundo é a força motriz.

O que é apresentado a seguir é apenas a ponta do iceberg. Muitos dos dados correspondem aos primeiros 6 a 8 meses de 2020. Os impactos devastadores do lockdown da segunda onda que está em andamento ainda está para ser avaliado:

Falências

A onda de falências desencadeada pelo fechamento da economia mundial afeta pequenas e médias empresas (PME), bem como grandes Corporações. A evidência sugere que pequenas e médias empresas estão literalmente sendo exterminadas.

Segundo o levantamento do Centro de Comércio Internacional, citado pelo OCDE, referente a PMEs em 132 países:

Dois terços das micro e pequenas empresas relatam que a crise afetou fortemente seus negócios, e um quinto indica o risco de fechar permanentemente dentro de três meses. Com base em várias pesquisas em uma variedade de países, McKinsey (2020) indica que entre 25% e 36% das pequenas empresas podem fechar permanentemente devido à interrupção nos primeiros quatro meses da pandemia. ( Relatório da OCDE , ênfase adicionada)

De acordo com a Bloomberg:

“Mais da metade das pequenas e médias empresas da Europa afirmam que enfrentarão a falência no próximo ano se as receitas não aumentarem, destacando a amplitude dos danos causados pela crise do Covid-19.

Uma em cada cinco empresas na Itália e na França espera entrar com pedido de insolvência dentro de seis meses, de acordo com uma pesquisa da McKinsey & Co, em agosto, com mais de 2.200 PMEs nas cinco maiores economias da Europa.

As pesquisas tendem a subestimar a magnitude da desdobramento dessa catástrofe. Os números são muito maiores do que o que está sendo relatado.

Nos EUA, o processo de falência está em andamento. De acordo com um grupo de acadêmicos em uma carta ao Congresso:

“Prevemos que uma fração significativa de pequenas empresas serão forçadas a fechar, causando perdas econômicas elevadas e irreversíveis. Trabalhadores perderão empregos mesmo em negócios estáveis. (…)”

Uma série de inadimplências parece quase inevitável. No final do primeiro trimestre deste ano, as empresas americanas acumularam quase US $ 10,5 trilhões em dívidas – de longe, o maior desde que o Federal Reserve Bank de St. Louis começou a monitorar o número no final da Segunda Guerra Mundial. “Uma explosão na dívida corporativa”, Sr. Altman disse (NYT , 16 de junho de 2020).

Com relação a pequenas empresas nos EUA:

quase 90% das pequenas empresas experimentaram um impacto negativo forte (51%) ou moderado (38%) da pandemia; 45% das empresas experimentou interrupções nas cadeias de abastecimento; 25% das empresas têm menos de 1 a 2 meses de reservas de caixa.”(OCDE)

Os resultados de uma pesquisa com mais de 5 800 pequenas empresas nos Estados Unidos:

… Mostra que 43% das empresas respondentes já estão temporariamente fechadas. Em média, as empresas reduziram seus funcionários em 40%. Três quartos dos entrevistados indicam que têm dois meses ou menos de reserva em dinheiro. … (OCDE)

Em uma pesquisa de 2020:

“Metade de todos os proprietários de pequenas empresas dos Estados Unidos em todo o país acreditam que eles podem em breve serem forçados a fechar para sempre. Nem mesmo durante a Grande Depressão da década de 1930, vimos algo assim.”

Desemprego Global

Uma contração massiva de empregos em todo o mundo está em andamento. Um relatório em agosto de 2020, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) confirma que:

A crise do COVID-19 afetou gravemente as economias e os mercados de trabalho em todas as regiões do mundo, com perdas estimadas de horas de trabalho equivalentes a quase 400 milhões de empregos em tempo integral no segundo trimestre de 2020, a maioria desses em países emergentes e em desenvolvimento … (OIT, 2020a). …

Entre os mais vulneráveis estão os 1,6 bilhão de trabalhadores da economia informal, representando metade da força de trabalho global, que está trabalhando em setores passando por grandes perdas de empregos ou tendo seus rendimentos seriamente afetados por lockdowns.

A crise do COVID-19 está afetando desproporcionalmente 1,25 bilhão de trabalhadores em empregos de risco, especialmente nos setores mais afetados, como o varejo, serviços de alojamento e alimentação, e manufatura (OIT, 2020b). A maioria desses trabalhadores é autônoma, em empregos de baixa renda no setor informal … Os jovens, por exemplo, estão vivenciando múltiplos choques, incluindo interrupção da educação e treinamento, emprego e renda, além de maiores dificuldades em encontrar empregos.

Os governos estão sob o controle de credores globais. O que é contemplado para a era pós-Covid é a implementação de medidas massivas de austeridade, incluindo o cancelamento dos benefícios dos trabalhadores e redes de segurança social.

Desemprego nos EUA

Subsídio de desemprego
Formulário de inscrição

Nos EUA, “mais de 30 milhões de pessoas, mais de 15% da força de trabalho, solicitou subsídio de desemprego…” (CSM, 6 de maio de 2020).

Anunciado no início de dezembro de 2020: “É estimado que mais de 10 milhões de americanos vão perder seus benefícios de desemprego no dia seguinte ao Natal [2020] a menos que o Congresso aja para estender os principais programas relacionados à pandemia – uma perspectiva que a partir de agora parece, na melhor das hipóteses, incerta. ” (US News and World Relatório)

A beira do penhasco se aproxima à medida que casos de coronavírus surgem em todo o país e pedidos de subsídio de desemprego aumentam com estados e localidades reimpondo restrições relacionadas ao vírus. O lapso também está definido para ocorrer como as proteções para locatários, empréstimos estudantis e de proprietários de casas que expiram – a potencial confluência devastadora de eventos para ambos os indivíduos, cujo as economias foram devastadas pela pandemia e pela economia em geral, que está gradualmente voltando da recessão induzida pelo coronavírus.

Quando os programas expirarem no final de dezembro [2020], estima-se que 12 milhões de pessoas podem perder benefícios de desemprego, de acordo com a Fundação Century. (US News and World Report)

Durante o colapso econômico mais grave da Main Street na história dos Estados Unidos – com mais de um quarto dos americanos em idade ativa desempregados – uma calamidade adicional emerge:

De acordo com estimativas do Escritório de Census, 30 a 40 milhões de americanos enfrentam possível despejo em 2021 por falta de renda para pagar aluguel ou hipotecas.

Sem ajuda federal ou uma moratória prolongada de aluguel, uma calamidade de proporções bíblicas pode se desdobrar nos próximos meses. Stephen Lendman

Desemprego na União Europeia (UE)

“Prevê-se que o desemprego em toda a União Europeia aumente para nove por cento em 2020, na sequência da pandemia do Coronavirus e lockdowns subsequentes impostos pelos governos nacionais”.

De acordo com dados oficiais da UE:

Grécia, Espanha e Portugal … mais uma vez viram grandes aumentos no desemprego da juventude desde o início da pandemia. A Grécia viu um aumento de 31,7 por cento em março [2020] a 39,3 por cento em junho [2020], enquanto a Espanha e Portugal tiveram aumentos semelhantes, de 33,9 por cento para 41,7 por cento e 20,6 por cento para 27,4 por cento, respectivamente.

Desemprego na América Latina

Na América Latina, a taxa média de desemprego foi estimada em 8,1 por cento no final de 2019. A OIT afirma que poderia aumentar por modestos 4 a 5 pontos percentuais para 41 milhões de desempregados.

Em números absolutos, essas taxas implicam que o número de pessoas que estão à procura de emprego, mas não são contratados subiu de 26 milhões antes da pandemia para 41 milhões em 2020, conforme anunciado por especialistas da OIT.

Essas estimativas da OIT e do Banco Mundial são enganosas. De acordo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o aumento do desemprego para a região da América Latina era da ordem de 24 milhões em 2020, com perdas de empregos na Colômbia da ordem de 3,6 milhões, Brasil 7,0 milhões e México 7,0 milhões.

Mesmo esses números tendem a subestimar o aumento dramático em desemprego. E é provável que a situação evolua no decorrer do lockdown da Segunda Onda que desencadeou uma nova onda de falências.

De acordo com o levantamento realizado pelo Instituto Nacional de Estatística e Geografía (INEGI) o aumento do desemprego no México foi da ordem de 12,5 milhões em abril de 2020, ou seja, no mês seguinte ao lockdown de 11 de março de 2020 e fechamento da economia nacional.

A eclosão da fome

De acordo com o Programa Mundial de Alimentos (PMA) “690 milhões de pessoas não tem o suficiente para comer. enquanto 130 milhões de pessoas adicionais correm o risco de serem empurradas para estarem à beira da fome. ” (Declaração de novembro de 2020).

Esses números são questionáveis. Tanto a FAO quanto o PMA não conseguiram abordar o papel central do lockdown e fechamento das economias nacionais como um “mecanismo de choque” que simultaneamente desencadeia a pobreza em massa juntamente com a desestabilização da produção agrícola em ambos os países em desenvolvimento e países desenvolvidos, em todas as principais regiões do mundo.

A causalidade subjacente simplesmente não é abordada. A análise de Clima e Conflito tem precedência:

“Estamos vendo uma catástrofe se desenrolar diante de nossos olhos. A fome impulsionada por conflito, e alimentada por choques climáticos e a fome pela pandemia do COVID-19 – está batendo na porta de milhões de famílias,” (David Beasley, Diretor Executivo do PMA)

A fome eclodiu em pelo menos 25 países em desenvolvimento, de acordo com o FAO (O estudo não inclui a maior parte da Ásia e América Latina, Europa, Oriente Médio e América do Norte):

“A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e o Programa Mundial de Comida (WFP) identifica 27 países que estão na linha de frente da crise alimentar iminente provocada pelo COVID-19, com a repercussão dos efeitos da pandemia agravando as causas pré-existentes da fome.

Nenhuma região do mundo está imune, do Afeganistão e Bangladesh, na Ásia, ao Haiti, Venezuela e América Central, ao Iraque, Líbano, Sudão e Síria no Oriente Médio para Burkina Faso, Camarões, Libéria, Mali, Níger, Nigéria, Moçambique, Serra Leoa e Zimbábue na África.

A análise conjunta da FAO e do WFP avisa que esses “países foco” estão em alto risco de – e em alguns casos já estão vendo – significativa deterioração da segurança do alimentos nos próximos meses, incluindo o aumento do número de pessoas empurradas para uma fome aguda.”

Análise inicial conjunta da FAO e do WFP para pontos de insegurança alimentar aguda. Julho de 2020


A pandemia COVID-19 tem um alcance potencialmente amplo e multifacetado, impactos indiretos nas sociedades e economias, que podem durar muito depois que a emergência de saúde acabar. Isso pode agravar as instabilidades existentes ou crises, ou levar a novas com repercussões na segurança alimentar, nutrição e meios de subsistência.

Com mais de dois bilhões de pessoas, ou 62 por cento de todos os que trabalham em todo o mundo, empregados na economia informal de acordo com dados da OIT, milhões de pessoas enfrentam um risco crescente de fome. Os ganhos dos trabalhadores informais são estimados em declínio de 82 por cento, com África e América Latina enfrentando o maior declínio (OIT 2020). (FAO , p. 6)

 

Fome e desespero na Índia

Os impactos sociais e econômicos do lockdown de 11 de março de 2020 na Índia foram devastadores, provocando uma onda de fome e desespero. “Milhões de pessoas que perderam renda agora enfrentam aumento da pobreza e da fome, em um país onde, mesmo antes da pandemia, 50 por cento de todas as crianças sofriam da desnutrição”

No final de novembro de 2020, a maior greve geral da história do país foi realizado contra o governo Modi com mais de 200 milhões de trabalhadores e fazendeiros. De acordo com o Sindicato da Universidade de Mumbai e professores universitários ‘:

Esta greve é contra a devastadora crise econômica e de saúde desencadeada pelo COVID-19 e o lockdown sobre os trabalhadores do país. Isso foi ainda mais agravado por uma série de legislações anti-pessoas sobre agricultura e o código do trabalho promulgadas pelo governo central. Junto com essas medidas, a Política Nacional de Educação (NEP) imposta à nação durante a pandemia causará ainda mais danos irreparáveis à equidade e ao acesso à educação.

De acordo com a Left Voice:

“A pandemia se espalhou de grandes cidades como Delhi, Mumbai e outros centros urbanos para áreas rurais onde os cuidados de saúde pública são escassos ou não existentes. O governo Modi lidou com a pandemia priorizando os lucros de grandes negócios e proteção das fortunas de bilionários ao invés de proteger as vidas e meios de subsistência dos trabalhadores. ”

“Insegurança Alimentar” nos EUA

A subnutrição e a chamada “insegurança alimentar” não se limitam a países em desenvolvimento.

A terminologia não é exatamente a mesma. A “Fome” na América, que hoje é uma realidade, raramente é mencionada. Nem o lockdown é reconhecido como um mecanismo que desencadeou a chamada “Insegurança alimentar”.

O Departamento de Agricultura dos EUA define “Insegurança alimentar” como “uma condição econômica e social de nível familiar limitada ou acesso incerto à alimentação adequada”. A “Fome” é definida como “uma condição fisiológica de nível individual que pode resultar da insegurança alimentar”. “Inanição” aparece no glossário do USDA.

Estimativas recentes da Feeding America sugerem que um em cada sete americanos representando 45 milhões de pessoas em 2020, incluindo 15 milhões de crianças, experimentou “insegurança alimentar”:

Antes do início da pandemia, a taxa geral de insegurança alimentar tinha atingido seu ponto mais baixo desde que começou a ser medida na década de 1990, mas essas melhorias estavam sendo derrubadas pela pandemia.

De acordo com Stephen Lendman:

“Cerca de uma em cada quatro famílias dos EUA experimentou insegurança alimentar neste ano [2020] – mais de 27% das famílias com crianças.

Um estudo do Instituto para Pesquisa Política da Universidade de Northwestern estima que o número de famílias com crianças com insegurança alimentar está em quase 30%. As famílias negras têm duas vezes mais insegurança alimentar do que as brancas. As famílias latinas também são afetadas de forma desproporcional.

 

Educação: os impactos em nossos filhos

As próprias bases da sociedade civil estão ameaçadas. A UNICEF estima que 1,6 bilhão de crianças e adolescentes foram afetados pelo fechamento de escolas no mundo todo.

“Como a pandemia do COVID-19 se espalhou por todo o mundo, a maioria dos países anunciaram o fechamento temporário de escolas, impactando mais de 91 por cento dos alunos em todo o mundo … Nunca antes tantas crianças estiveram fora da escola ao mesmo tempo …

Faculdades e universidades também estão paralisadas. Os alunos não têm o direito de educação. Enquanto a UNESCO confirma que mais de um bilhão de alunos estão afetados, não oferece nenhuma solução concreta ou crítica. A narrativa oficial da chamada “parceria público/privada” imposta aos governos nacionais foi adotada pelo valor nominal.

O fechamento de escolas ocorreu em 132 países. Veja o diagrama abaixo (UNESCO, maio de 2020).

Monitoramento global do fechamento de escolas causado pelo COVID-19
Legendas: Parcialmente aberto / Fechado devido ao COVID-19 / Aberto inteiramente / Pausa Acadêmica
1.048.817.181 estudantes afetados
59,9% do total de estudandes matriculados
132 fechamentos a nível de país

As implicações macroeconômicas: oferta, demanda e a crise fiscal do Estado

A revisão acima dos impactos econômicos e sociais aponta para um processo complexo. Grandes setores da população mundial foram levados à pobreza e desespero.

Vou concluir este capítulo com alguns conceitos simples que descrevem a natureza desta crise mundial.

O lockdown desencadeou um processo de desestabilização da economia global que afeta diretamente as relações de “Oferta” e “Demanda”. É a crise econômica mais séria da história mundial, afetando simultaneamente mais de 150 países.

“Oferta” diz respeito à produção de bens e serviços, nomeadamente as atividades da “Verdadeira Economia”.

“Demanda” refere-se à capacidade dos consumidores, dado seu poder de compra para adquirir bens e serviços.

Tanto a oferta quanto a demanda estão em perigo.

Em todo o mundo, grandes setores da indústria, agricultura e serviços urbanos estão ociosos. As políticas de lockdown iniciadas em março de 2020 desencadearam falências e desemprego, que por sua vez têm conduzido a um processo de desengajamento de recursos humanos (mão de obra) e ativos produtivos do cenário econômico.

O congelamento das viagens aéreas, a contração do comércio internacional de commodities em curso de 2020 a 2021 também contribuiu para um declínio maciço em produção e investimento.

A crise no comércio internacional de commodities

A crise no comércio de contêineres também gerou grande escassez de disponibilidade de commodities alimentares básicas, como arroz, açúcar, soja, etc., que por sua vez, desencadeou aumentos inflacionários no varejo. A Índia, que é o segundo maior exportador de açúcar, experimentou um colapso de aproximadamente 80% em suas exportações de açúcar .

Escassez na Produção de Semicondutores

A indústria automobilística experimentou um declínio na produção de 15% em 2020.
O declínio em 2021 é significativo, afetando largamente a produção no Japão, Coreia do Sul e China.

Este declínio foi acentuado por uma escassez na disponibilidade de semicondutores:

“As montadoras, que contam com dezenas de chips para construir um único veículo, foram particularmente atingidas, forçadas a interromper as linhas de produção globalmente enquanto aguardam o fornecimento de chips. O desastre provavelmente custará US $ 450 bilhões à indústria automobilística em vendas globais … Em setembro de 2021, a Toyota foi forçada a cortar a produção em 14 fábricas no Japão devido à falta de semicondutores. Alguns cortes continuarão em outubro devido à falta de componentes do Sudeste Asiático, disse a Toyota.” (Washington Post, setembro de 2021)

Semicondutores constituem uma mercadoria estratégica, usada em uma variedade de setores, incluindo eletrônicos, dispositivos médicos, eletrônica e redes de comunicação etc.

Há indícios de possíveis manipulações, que levaram a escassez artificial de semicondutores afetando uma série de setores-chave da economia global.

Existem implicações geopolíticas. O maior produtor de semicondutores do mundo é a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC).

Relações de oferta e demanda

Do lado da oferta, uma contração maciça na produção e disponibilidade de bens e serviços (commodities) está se desdobrando. Setores inteiros da economia global “não estão produzindo”: escassez de certas commodities e serviços surgiram.

Do lado da demanda, o desemprego em massa e a pobreza desencadeadas pelas políticas de lockdown contribuíram para um colapso sem precedentes no poder de compra (de famílias e lares em todo o mundo), que por sua vez também levou ao colapso da demanda por bens e serviços. A Pobreza é galopante: grandes setores da população mundial não têm dinheiro para comprar alimentos e bens de consumo essenciais.

A contração da produção (oferta), juntamente com o colapso de poder de compra (demanda) é propício para uma profunda depressão econômica em todo o mundo associada a pressões inflacionárias.

Por sua vez, o colapso do poder de compra decorrente do desemprego em massa levou a uma crescente crise de dívida pessoal, incluindo a incapacidade de pagar o aluguel mensal e pagamentos de hipotecas. Este processo eventualmente leva a um confisco de bens reais.

Nos EUA, 68 por cento das pessoas que estavam com o aluguel atrasado (números de maio de 2021) tornou-se desempregado como resultado do lockdown.

Esses desenvolvimentos são casualmente atribuídos à “consequência econômica da pandemia” sem analisar como as políticas de lockdown que falharam acionaram o caos econômico e o desemprego em todo o mundo.

A crise fiscal do estado

Atividades do setor público financiadas pelo estado, incluindo saúde, educação, cultura, esportes e artes também estão em perigo. Enquanto isso, nos EUA, a administração Biden tem favorecido um aumento maciço em despesas relacionadas a assuntos militares e de segurança, bem como biotecnologia, com generosas doações para a Big Pharma.

Desde o início da crise do corona, a dívida pública país após país subiu exageradamente, em grande parte precipitada pelo caos econômico.

As empresas falidas não pagam mais impostos. Trabalhadores desempregados (sem ganhos) não pagam mais impostos. Dinheiro de impostos não está mais entrando no cofres do Estado.

O aumento do desemprego global e da pobreza, juntamente com as falências levaram a uma crise fiscal sem precedentes. Por sua vez, a receita do governo foi redirecionada para financiar doações corporativas.

Uma dívida pública impagável de multitrilhões de dólares se desenrola em todo o mundo, em conjunto com um processo que podemos descrever como “insolvência global”.

Os credores do estado são o “Big Money”. Em última análise, eles dão as cartas.

O que está se desenrolando é a “privatização do Estado” incluindo o “Bem-estar Social”.


 

Capítulo V

O enriquecimento dos super-ricos

A apropriação e redistribuição da riqueza

Diz-se que “V o Vírus” é o responsável pela onda de falências e desemprego. Isso é uma mentira. Não há relação causal entre o vírus e variáveis econômicas.

O processo de tomada de decisão deve ser abordado. São os poderosos investidores e bilionários que estão por trás deste projeto que tem contribuído para a desestabilização (mundial) da verdadeira economia.

Desde o início de fevereiro de 2020, os super-ricos faturaram bilhões de dólares. Entre abril e julho (quatro meses) a riqueza total detida por bilionários em todo o mundo cresceu de US $ 8 trilhões para mais de $ 10 trilhões.

Existem três fases distintas, que estão diretamente relacionadas com a crise do corona, cada uma das quais é marcada por grandes mudanças na distribuição de fortuna.

  1. A crise financeira iniciada em 20 de fevereiro conduziu a uma dramática redistribuição de riqueza em dinheiro e propriedade de ativos financeiros. Conhecimento prévio, informação privilegiada e comércio especulativo tiveram um papel fundamental. Houve conhecimento prévio e/ou informação privilegiada da declaração de 20 de fevereiro do Dr. Tedros da OMS? (ver Capítulo IV)
  2. O lockdown de 11 de março e o fechamento das economias nacionais de 190 países membros da ONU, o que desencadeou empresas, bem como falências de PMEs em todo o mundo. O evento de 11 de março também foi marcado pela queda dos mercados de ações em todo o mundo, começando na quinta-feira negra de 12 de março de 2020. (Ver Capítulo IV)
  3. O terceiro estágio do enriquecimento bilionário pertence à implementação do lockdown da denominada “Segunda Onda”, que consistiu em desencadear uma nova onda de falências.

A redistribuição da riqueza em favor da classe bilionária é confirmada por um estudo IPS relativo ao fechamento da economia global.

Em nível global, os bilionários foram grandes vencedores durante a pandemia do Covid-19.

De acordo com um Relatório UBS de 2020, os cerca de 2.189 bilionários globais têm uma riqueza estimada de $ 10,2 trilhões.

Este é um aumento estimado de US $ 1,5 trilhão durante a pandemia de 2020 nos dados de bilionários do UBS e da Forbes de 2019.

O relatório do UBS levanta a questão: os bilionários são “inovadores” ou “disruptores”?:

Quando a tempestade passa, uma nova geração de inovadores bilionários parece definida para desempenhar um papel crítico na reparação dos danos. Usando o crescente repertório de tecnologias emergentes, os inovadores de amanhã irão digitalizar, atualizar e revolucionar a economia.

Não tenhamos ilusões de que esses bilionários corruptos são “empobrecedores”.

“Armas Financeiras de Destruição em Massa” (FWMD)

Embora o relatório UBS e Forbes (citado acima) não explicam como a pandemia de Covid-19 contribuiu para esta redistribuição massiva de riqueza, eles no entanto, confirme que: “a riqueza coletiva dos bilionários cresceu em sua taxa mais rápida em qualquer período da última década.”

“Derivativos são armas de destruição em massa, carregando perigos que, enquanto estão latentes, são potencialmente letais.” Warren Buffet

Na verdade, é a maior redistribuição da riqueza global da história mundial. Isto baseia-se em um processo sistemático de empobrecimento mundial. É um ato de guerra econômica.

Os bilionários não eram apenas os destinatários do generoso “pacotes de estímulos do governo” (ou seja, esmolas), a maior parte de seus ganhos financeiros com o início da campanha de medo do Covid no início de fevereiro de 2020 foi o resultado de negociação com informações privilegiadas, comércio de derivativos e a manipulação de recursos financeiros e mercados de commodities.

Warren Buffett identifica corretamente esses instrumentos especulativos (suportado por algoritmos sofisticados) como “Armas Financeiras de Destruição em Massa”.


A riqueza dos Bilionários dos EUA subiu US $ 850 Bilhões desde 18 de Março

A riqueza dos bilionários subiu 28 por centro desde 18 de Março de 2020. Durante o mesmo período, a riqueza dos bilionários globais subiu US $ 1.5 Trilhões

Em 18 de março de 2020, os bilionários dos EUA tinham uma riqueza combinada de US $ 2,947 trilhões.

Em 8 de outubro de 2020, sua riqueza havia aumentado para US $ 3,8 trilhões. UM aumento monetário de US $ 850 bilhões, um aumento de sua riqueza combinada do pedido de mais de 28 por cento. (veja o estudo IPS)

Essa estimativa não contabiliza o aumento da riqueza no período anterior a 18 de março, que foi marcado por uma série de quebras no mercado de ações. (Ver Michel Chossudovsky, Economic Chaos and Societal Destruction, 7 de novembro de 2020)

E a partir do final de 2020, a classe bilionária está envolvida em sustentar um Lockdown da Segunda Onda envolvendo o fechamento parcial da economia mundial.

A tabela abaixo identifica o aumento da riqueza pessoal dos cinco mais ricos Bilionários dos EUA (18 de março a 17 de junho de 2020). (Não descrito na tabela é a riqueza dos bilionários dos EUA, que aumentou em outros US $ 266 bilhões a partir de junho a outubro de 2020).

Riqueza do bilionários dos EUA cresceu Us $ 584 bilhões (20%) desde o início da pandemia

Fonte: IPS

O Crescimento da riqueza bilionária (março de 2020 a março de 2021) resultante da implementação do lockdown de março de 2020

Chuck Collins (em um estudo incisivo publicado pela Inequality.org) estima que o crescimento da riqueza bilionária ao longo de um ano inteiro, com base em dados da Forbes compilados no relatório do ATF e IPS).

18 de março é usado como o início não oficial da crise porque até então, a maioria das restrições econômicas federais e estaduais em resposta ao vírus estavam no lugar. 18 de março também foi a data que a Forbes escolheu para medir riqueza bilionária para a edição de 2020 de seu relatório anual dos bilionários, que forneceu uma linha de base que o ATF e o IPS comparam periodicamente com dados em tempo real do site da Forbes. PolitiFact analisou favoravelmente esta metodologia.

TABELA 1 – BILIONÁRIOS DOS EUA COM O MAIOR CRESCIMENTO DE RIQUEZA TOTAL EM UM ANO


TABELA 2 – BILIONÁRIOS DOS EUA COM A MAIOR PORCENTAGEM DE CRESCIMENTO DE RIQUEZA EM 1 ANO


TABELA 3 – CRESCIMENTO DE RIQUEZA BILIONÁRIA NOS EUA EM UM ANO POR INDÚSTRIAS


Enriquecimento pessoal de CEOs da Big Pharma

O Relatório da Forbes destaca o enriquecimento do CEO de ambos grandes conglomerados farmacêuticos ocidentais e chineses envolvidos na vacina do Covid, bem como na venda lucrativa (mundial) de máscaras faciais e suprimentos médicos.

Entre eles estão o CEO da Moderna, Stéphane Bancel e o cofundador da BioNTech Uğur Şahin.

A Big Pharma da China é um parceiro de pleno-direito neste processo de enriquecimento. Os CEOs de várias empresas farmacêuticas com base na China incluem CanSino Biologics de Tianjin, Inco, Contec Medical Systems de Shenzhen, Sansure Biotech, que faz os testes da Covid-19, assim como o conglomerado de vacinas Sinovac da China.

Entre os multibilionários da Big Pharma da China está Li Jianquan, presidente da Winner Medical, fabricante chinês de produtos médicos. Vários dos produtos relacionados à pandemia de Covid, incluindo a máscara facial são produzidos pela Winner Medical.

O patrimônio líquido de Li Jianquan é de 6,8 bilhões. (Para obter detalhes, consulte o Relatório da Forbes).

Para a lista completa de bilionários em 2020-2021, consulte a Lista da Forbes.

A riqueza bilionária não é resultado do crescimento econômico

Este enriquecimento de uma minoria social não se baseia na criação da “Nova Riqueza” resultante do crescimento econômico real. Muito pelo contrário. É o resultado de uma depressão econômica global engendrada.

O processo de enriquecimento bilionário se alimenta do caos econômico e social. Baseia-se fortemente na “campanha do medo” e na desestabilização mundial de tanto os mercados financeiros como da verdadeira economia.

Foi fundamental para desencadear um processo de redistribuição de renda e riqueza sem precedentes. Grandes setores da população mundial tem sido levados para a pobreza extrema.

O enriquecimento bilionário envolve a aquisição de ativos econômicos e financeiros a preços baixíssimos, a aquisição de empresas falidas em grandes setores da atividade econômica, a manipulação dos mercados (títulos, ações, commodities, mercados de moeda, etc.), incluindo o uso de instrumentos especulativos, comércio de derivativos, envolvendo “conhecimento prévio” e “informação privilegiada”. (Ver Capítulo IV)

A dívida pública dos EUA cresce exageradamente

O enriquecimento da classe bilionária também contribuiu para o desestabilização do Estado.

A apropriação privada da riqueza precipitou uma crise da dívida global. Em país após país, a dívida pública disparou.

Nos EUA, o déficit orçamentário federal atingiu o maior recorde de todos os tempos, de US $ 3,1 trilhões no ano orçamentário de 2020 (setembro), mais de três vezes o tamanho do déficit do ano orçamentário de 2019 de US $ 984 bilhões.

Foi o maior déficit anual do governo dos Estados Unidos em termos de dólares, ultrapassando o recorde anterior de US $ 1,4 trilhão estabelecido em 2009. … O déficit de 2020, em termos de sua relação com a economia, representou 15,2 por cento do produto interno bruto total (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país. Esse foi o nível mais alto desde 1945, quando os EUA estavam contraindo grandes empréstimos para financiar a Segunda Guerra Mundial. (Al Jazeera)

O exercício orçamentário de 2020 da administração Trump foi marcado por um aumento de 47,3% nos gastos para US $ 6,55 trilhões, amplamente usados para financiar resgates corporativos e ajudas, bem como as redes de segurança social multibilionárias resultantes da crise financeira do Covid em fevereiro e no lockdown de março de 2020, que conduziu ao fechamento parcial da economia dos EUA.

No início de 2021, o governo Biden iniciou uma expansão sem precedentes na dívida pública norte-americana com o objetivo de financiar as doações ao setor financeiro, o aparelho militar, de inteligência e de segurança nacional, bem como a Big Pharma.

Essas doações generosas e redes de segurança social existem para reforçar a conformidade e a aceitação das políticas do Covid. Elas serão eventualmente escaladas para serem abolidas e substituídas pelas medidas de austeridade mais drásticas na história dos EUA.

“A segunda onda”. Outro lockdown

A segunda onda é uma mentira. É apresentada à opinião pública como um meio de combater o vírus e salvar vidas.

Isso é o que os governos estão nos dizendo. A campanha do medo acabou em alta velocidade, aplicada simultaneamente em diferentes regiões do mundo.

O QUE É UM BALÃO DE SUPORTE?

Uma residência com 1 adulto pode se juntar a outra residência para formar um balão de suporte.

Residências em um balão de suporte podem:

  • Visitar uns aos outros dentro de casa
  • Passar a noite
  • Visitar espaços públicos juntos

Você pode apenas formar um balão de suporte onde uma residência é feita de apenas 1 pessoa.

Teste, teste, cujo objetivo é aumentar o número dos chamados casos positivos.

Se você mora sozinho no Reino Unido, você pode montar um “Balão de suporte” (veja a imagem)

Desnecessário dizer: no início desta Segunda Onda, a economia global já está em um estado de caos. Embora os relatórios falhem em revelar a profundidade e gravidade desta crise global, as evidências (que ainda são provisórias e incompletas) falam por si.

O fundamento lógico da Segunda e Terceira Ondas é prevenir e adiar a reabertura total da economia nacional, aliada à aplicação de distanciamento social, uso de máscara facial, etc.

A intenção é desencadear uma segunda onda e uma terceira onda de falências.

Os alvos são a economia de serviços, as companhias aéreas, a indústria do turismo, etc.

Manter restrições estritas às viagens aéreas é equivalente a liderar grandes companhias aéreas à falência. É também um impedimento para transações comerciais, incluindo comércio de commodities e investimento.


A segunda e a terceira ondas têm como objetivo de permitir que os bilionários “juntem os cacos”, se apropriando de setores inteiros da atividade econômica a preços extremamente baixos.

O dinheiro que eles se apropriaram no decorrer da crise financeira (por meio de manipulação total) será usado para comprar empresas falidas bem como governos falidos.

O estabelecimento financeiro instruiu os governos a implementar o que equivale a um segundo programa de falências usando como pretexto e uma justificativa de que o número de casos positivos de Covid aumentou.

A segunda e a terceira ondas que se estendem até o verão de 2021 são propícias a um novo processo de apropriação e concentração de riqueza.

Ao mesmo tempo, há uma tendência para formas totalitárias de governo.

No início da Segunda Onda, o processo de adiamento da reabertura da economia global tem contribuído de forma permanente para exterminar pequenas e médias empresas (regionais e locais) em todo o mundo, enquanto também acelerando a falência de setores inteiros da economia mundial incluindo companhias aéreas, cadeias de hotéis e a indústria do turismo.

Isso, por sua vez, levará à apropriação de ativos reais por poderosos interesses financeiros. Essa apropriação de ativos reais pelos super-ricos está em andamento.

A economia global de viagens e turismo

Antes da crise do corona, viagens e turismo representavam a maior parte da economia global: aproximadamente 10 por cento do PIB global com uma estimada força de trabalho de mais de 320 milhões de empregos em todo o mundo.

Viagem e turismo, que inclui companhias aéreas, instalações aeroportuárias, transportes terrestres, hotéis, resorts, restaurantes, museus, salas de concerto, parques, e uma variedade de serviços urbanos foi jogada em um processo de falência global resultando em desemprego em massa.

Os impactos econômicos e sociais são devastadores, especialmente nos países que têm uma economia turística considerável (por exemplo, Itália, França, Suíça, Tailândia, Vietnã, México, Cuba, República Dominicana, Peru, Panamá, entre outros).

A perda estimada de empregos na indústria do turismo é estimada na ordem de 100 milhões em todo o mundo (relatório de novembro de 2020, ver também o relatório do FMI, pdf).

Perdas de empregos nos EUA

De acordo com o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC), os “impressionantes 9,2 milhões de empregos podem ser perdidos nos EUA … se as barreiras para viagens globais permanecerem no lugar”. O WTTC estima que mais da metade de todos os empregos apoiados pelo setor nos EUA em 2019 está previsto para ser perdido, entre 10,8 milhões e 13,8 milhões de empregos no setor de viagens e turismo “estão em sério risco”.

As companhias aéreas

Embora a maioria das falências desencadeadas pelo lockdown sejam de companhias aéreas regionais menores, um grande número de companhias aéreas de bandeira nacional também foram lançadas em uma situação de falência de facto, incluindo Aero-Mexico, Avianca, South African Airlines, entre outras. De acordo com um relatório: “43 das companhias aéreas comerciais falharam desde janeiro de 2020, … cessando completamente ou suspendendo as operações”. Também há um retrocesso no produção de aeronaves civis. A situação difícil de Viagens e Turismo foi desencadeada pelas decisões de lockdown bem como restrições às viagens aéreas.

A suspensão de Trump das viagens aéreas para a China em 31 de janeiro de 2020 com base em 5 casos positivos confirmados de Covid-19 nos EUA desempenharam um papel fundamental no estabelecimento do palco da crise das Viagens Aéreas e do Turismo.

O bloqueio também prejudicou o maior projeto de infraestrutura de transporte na Europa, nomeadamente o túnel subterrâneo entre o Reino Unido e Europa continental. O Eurostar está atualmente em uma situação de falência de fato.

Todas essas interrupções nas viagens internacionais são apresentadas à opinião pública como meios de combater o vírus assassino. É uma grande mentira.

Cadeias de hotéis falidas e grandes companhias aéreas provavelmente serão “apanhadas” em preços baixíssimos pelos multibilionários.

Falências e o fim da fazenda da família

O desaparecimento contínuo da agricultura familiar foi exacerbado pelas políticas de lockdown.

Bill Gates está usando o dinheiro ganho durante a crise financeira para estender seu controle corporativo em uma variedade de atividades econômicas, “comprando ativos desvalorizados a preços de liquidação”, incluindo a aquisição de terras agrícolas (Ver F William Engdahl sobre Neo-feudalismo).

De acordo com o The Land Report, (fevereiro de 2021), Bill e Melinda Gates são agora os maiores proprietários de fazendas da América em detrimento da agricultura familiar, que ao longo dos anos foi levada à falência.

O portfólio da Gates consiste em “242.000 hectares de terras agrícolas e quase 27.000 acres de outras terras em Louisiana, Arkansas, Nebraska, Arizona, Flórida, Washington e 18 outros estados.” (Veja a análise de F. William Engdahl)

Veja o mapa abaixo indicando um total de 268.984 hectares acumulados para o Gates. Isso equivale à expropriação de fato de milhares de fazendas familiares em uma vasta área dos Estados Unidos.

Este processo liderado por dívidas crescentes e falências começou antes da pandemia e com toda a probabilidade continuará sob o chamado “Novo Normal”.

MAIORES DONOS DE TERRAS AGRÍCOLAS DOS EUA
No. 1 Bill e Melinda Gates – 242.000 acres

A CONCENTRAÇÃO DE PROPRIEDADE DE TERRA DOS GATES POR ESTADO
Terras agrícolas 242.000 acres
Provisórias 25.750 acres
Recreacional 1.234 acres
Total 268.984 acres

Capturas de tela The Land Report

Observações Finais

A campanha do medo mais uma vez entrou em alta velocidade.

Estatísticas oficiais baseadas em estimativas defeituosas e manipuladas dos chamados casos positivos “confirmados” de Covid constituem a base para justificar estas medidas de lockdown diabólicas que têm conduzido à concentração de riqueza global juntamente com o empobrecimento de vastos setores da população mundial. “V o vírus” é apresentado como a Ameaça. Mas o Vírus não tem impacto direto nas principais variáveis econômicas.

O que está em jogo não tem precedentes: é um processo de tomada de decisão complexo. É uma agenda neoliberal global executada por governos corruptos em nome dos multibilionários e do estabelecimento financeiro. (Para mais detalhes veja o Capítulo X)

O bom senso nos diz que o fechamento da economia global destrói vidas das pessoas.

Perturbar a campanha do medo, bem como a desinformação da mídia constitui o primeiro passo para reverter a maré.


 

Capítulo VI

Os impactos na saúde mental

“Houve outro custo que vimos, especialmente em escolas de ensino médio. Estamos vendo, infelizmente, suicídios muito maiores, agora, do que mortes por COVID. Estamos vendo mortes muito maiores por overdose de drogas” (Dr. Robert Redfield, ex-diretor do CDC, 14 de julho de 2020).

*

O dilema da saúde mental de vários milhões de pessoas pelo coronavírus em todo o mundo é o resultado de

  • engenharia social, incluindo confinamento, isolamento, distanciamento social e a máscara,
  • a incessante campanha do medo 24 horas por dia, 7 dias por semana, travada pela mídia e pelos governos,
  • o aumento do desemprego, pobreza em massa e desespero desencadeados pela desestabilização mundial das economias nacionais.

Os psiquiatras abordaram os “impactos negativos” na saúde mental relativos aos fatores mencionados acima. Confirmado por relatórios revisados por pares, os lockdowns também têm contribuído para o acionamento de depressão, incerteza e ansiedade.

“Há uma preocupação de que a pandemia da Doença do Coronavírus (COVID)-19 esteja tendo um impacto negativo na saúde mental da população em geral por meio de uma gama de mecanismos sugeridos: medo, incerteza e ansiedade; distanciamento social/isolamento; solidão; e repercussões econômicas.”

O quadro geral dos impactos da crise do corona na saúde mental ainda é para ser totalmente abordado. Nossa análise se concentrará nas seguintes questões para quais dados estão disponíveis:

  1. o aumento dramático de suicídios em todo o mundo em países onde o lockdown foi imposto,
  2. o aumento da mortalidade atribuível à overdose de drogas (cocaína, opióides),
  3. o aumento do alcoolismo resultante de um aumento no consumo de álcool.

Aumento mundial de suicídios

A frequência de suicídios aumentou em vários países. Os dados completos e tendências ainda precisam ser firmemente estabelecidos. Dados dos EUA de suicídios em 2020 (CDC) ainda não estão disponíveis. Em 2019, os suicídios foram a 10ª principal causa de morte nos EUA, 47.511 americanos morreram por suicídio. Em 2019, houve uma estimativa de 1,38 milhões de tentativas de suicídio. (Ver estatísticas AFSP). Uma palavra de cautela. As estatísticas oficiais sobre suicídio como causa de morte não são confiáveis.

Suicídios nos EUA

Um relatório revisado por pares patrocinado pelo CDC (Mark É. Czeisler, Rashon I. Lane, Emiko Petrosky, et al) sugere que a perda de emprego e poder de compra por grupos sociais “vulneráveis” e de baixa renda muitas vezes desencadeia uma onda de depressão e ansiedade, o que resulta em “ideação suicida” (pensando sobre diferentes maneiras de morrer). Os autores confirmam que:

Os sintomas de transtorno de ansiedade e transtorno depressivo aumentaram consideravelmente nos Estados Unidos durante abril a junho de 2020 [nas consequências imediatas do lockdown em meados de março de 2020], em comparação com o mesmo período em 2019 (1, 2). …

A porcentagem de entrevistados que relataram ter considerado seriamente suicídio nos 30 dias anteriores à conclusão da pesquisa (10,7%) foi significativamente maior entre os entrevistados com idade entre 18 a 24 anos (25,5%), minorias de grupos raciais/étnicos (hispânicos entrevistados [18,6%], negros não hispânicos [negros] entrevistados [15,1%]), cuidadores de adultos não remunerados auto-relatados (30,7%) e trabalhadores essenciais (21,7%).

Outro estudo confirma que: Distanciamento social/isolamento e solidão resultantes das políticas de lockdown são fatores que podem contribuir para suicídio:

“Consequências secundárias do distanciamento social podem aumentar o risco de suicídio”, observaram os pesquisadores em um artigo de 10 de abril publicado pela Associação Médica Americana. “É importante considerar as mudanças em uma variedade de fatores de risco econômicos, psicossociais e associados à saúde ”. (Veja FEE )

Essencialmente, alertaram os pesquisadores, o isolamento forçado pode provar ser “uma tempestade perfeita” para suicídio. (enfase adicionada)

A questão central – que nem sempre é tratada pelos relatórios avaliados por pares – é como a perda de emprego e poder de compra projetados junto com o confinamento levam à depressão e ao desespero.

A Mortalidade por Suicídio e a Doença do Coronavírus 2019 – A Tempestade Perfeita?

A ansiedade e a depressão resultantes do desemprego e da perda de renda são um fenômeno mundial, sem precedentes na história mundial. País por país, pode-se observar tendências semelhantes. Países em desenvolvimento de baixa renda como a Índia estão passando por uma situação de desespero total que afeta grandes setores de uma população empobrecida.

Suicídios na Índia

O bloqueio na Índia conduziu a um aumento nos suicídios, que é uma consequência de: “severas dificuldades … como meios de subsistência inteiros foram destruídos, em meio a uma crescente crise de empregos”.

“Não deveria ser surpresa, então, que o espectro do suicídio tenha levantado sua cabeça feia, com picos nos relatos de pessoas, que não veem mudança na sorte no horizonte, tirando suas próprias vidas. ”

O Instituto Brookings também abordou o papel da crise do corona ao desencadeando de suicídios na Índia:

A evidência anedótica para a Índia, entretanto, sugere aumentos de suicídios na área rural. A Índia instituiu um dos lockdowns mais rígidos do mundo em meio a taxas de pobreza. … Os bloqueios resultaram na entrada de mais milhões de indianos na pobreza e agravou uma das maiores taxas de suicídio no mundo. Os números adicionais de suicídios são estimados na casa dos milhares.

Suicídios no Japão

Dentro de um contexto diferente, os países desenvolvidos de alta renda também estão experienciando um aumento sem precedentes de suicídios. No Japão, um significativo aumento no número de suicídios foi registrado na sequência do lockdown:

“Muito mais japoneses estão morrendo de suicídio, provavelmente agravado pelas repercussões econômicas e sociais da pandemia, do que da Doença COVID-19 propriamente dita. … Estatísticas provisórias da Agência de Polícia Nacional mostra que os suicídios subiram para 2.153 apenas em outubro, marcando o quarto mês direto de aumento.” Relatório da CBS de novembro de 2020 (ênfase adicionada)

O relatório acima, confirma que os suicídios entre mulheres no Japão aumentaram dramaticamente: em outubro de 2020 (em comparação com outubro do ano anterior) suicídios femininos aumentaram 83% (em comparação com suicídios masculinos que aumentaram 22% no mesmo período).

Mortes resultantes de overdose de drogas

As principais categorias de drogas opióides (CDC) são as seguintes:

  • heroína ilegal,
  • opioides sintéticos, como fentanil,
  • os chamados “analgésicos”, incluindo oxicodona (OxyContin®), hidrocodona (Vicodin®),
  • codeína,
  • morfina,
  • etc.

Os medicamentos listados acima são “quimicamente relacionados e interagem com receptores de opióides nas células nervosas do corpo e do cérebro ”(CDC).

Registrada em 2020, a crise do corona contribuiu para um aumento significativo nas vendas de opióides e cocaína. De acordo com o CDC:

Opioides sintéticos ([categorizados pelo CDC como] principalmente fentanil fabricado ilicitamente) parecem ser o principal impulsionador do aumento de mortes por overdose, aumentando 38,4 por cento em relação ao período de 12 meses até junho de 2019 em comparação com o período de 12 meses que antecedeu Maio de 2020. …

As mortes por overdose envolvendo cocaína também aumentaram em 26,5%. … Mortes por overdose envolvendo psicoestimulantes, como metanfetamina [produzido por GSM], aumentaram 34,8 por cento. O número de mortes envolvendo psicoestimulantes agora excede o número de mortes envolvendo cocaína. (Relatório do CDC de dezembro de 2020) (ênfase adicionada)

Os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) relataram em Dezembro de 2020 “que a pandemia pode ter contribuído para “um aumento nas overdoses de drogas mortais”. Embora os dados estejam incompletos, o relatório do CDC confirma um aumento considerável no número de mortes atribuíveis à overdose de drogas (relacionadas ao consumo de cocaína e opióides):

Overdoses de drogas foram associadas à morte de mais de 81.000 pessoas entre junho de 2019 e maio de 2020, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção Doenças, aumentando 18 por cento em comparação com os 12 meses do período anterior. Essas mortes aumentaram 20 por cento ou mais em 25 estados e no Distrito de Columbia, disse o relatório. (Relatório PBS)

O gráfico do CDC com base nos valores previstos e também relatados (ou seja, números) de mortes atribuídas a overdoses de drogas revela que a contagem mensal começou a acelerar em fevereiro de 2020.

Em abril de 2020, 2.146 pessoas morreram de overdose de opióides, seguidas por 3.388 mortes em maio de 2020 marcando os maiores aumentos mensais desde 2015 quando o governo federal começou a coletar esses dados. (citado no relatório do PBS)

O gráfico a seguir indica os dados mensais dos EUA. Nos meses anteriores à crise do corona (julho de 2019 a janeiro de 2020), a contagem de mortes mensal por overdose de drogas estava substancialmente abaixo de 1000.

A alta começa em fevereiro (coincidindo com a crise financeira). Seguindo no lockdown de meados de março, as mortes por overdose de drogas começam a crescer vertiginosamente.

Em maio de 2020, a contagem de mortes por overdose era superior a 3.000, ou seja, aumento de mais de três vezes em relação às mortes por overdose de drogas registradas antes da crise do corona. Nos EUA, as mortes por overdose de drogas registradas mensalmente em 2020 mais do que triplicaram.

Mortes por overdose de drogas pevistas nos EUA, julho de 2019 a Maio de 2020

Gráfico baseado nos dados do CDC citados acima, Fonte PBS

Com base em dados publicados em maio de 2021 pelo CDC, o aumento de mortes atribuível à overdose de drogas aumentou em 18.228 de fevereiro de 2020 a Outubro de 2020 (inclusive) durante um período de nove meses.

Mortes relacionadas a opióides em Ontário

A tendência no Canadá é consistente com a observada nos Estados Unidos. Um aumento dramático nas mortes relacionadas a opióides foi registrado em Ontário após o lockdown emergencial de 17 de março de 2020, que foi associada ao desemprego em massa após o encerramento da atividade econômica:

O número de mortes relacionadas a opióides aumentou rapidamente nas semanas após a declaração do estado de emergência em Ontário em 17 de março, 2020. No geral, houve um aumento de 38,2% nas mortes relacionadas com opióides nas primeiras 15 semanas da pandemia do COVID-19 (695 mortes; média de 46 mortes semanalmente) em comparação com as 15 semanas imediatamente anteriores (503 mortes; média de 34 mortes semanais).


Tendências das Mortes Relacionadas a Opióides
Número semanal de mortes relacionadas a opiódes em Ontario antes e durante a pandemia do COVID-19
Azul – Mortes confirmadas
Amarelo – Mortes presumidas
Tracejado vermelho – Estado de emergência declarado em Ontário em 17 de março de 2020

Fonte: Screenshot Public Health Ontario

O gráfico a seguir fornece uma imagem nítida do aumento dramático de visitas de emergência por overdose de opióides em Ottawa a partir de janeiro de 2020 até dezembro de 2020.


A produção e o comércio de opióides

De acordo com fontes da ONU, o Afeganistão, atualmente, produz 94% por cento do suprimento mundial de ópio, que é transformado em heroína, morfina e também opióides farmacêuticos. O comércio de heroína é protegido. A presença das Forças Armadas dos Estados Unidos no Afeganistão desempenha um papel fundamental. É uma operação multibilionária envolvendo os cartéis de drogas (heroína ilegal) e (indiretamente) a grande indústria farmacêutica que está envolvida na venda e distribuição de opióides farmacêuticos.

Várias empresas da Big Pharma envolvidas na comercialização da vacina do Covid-19, incluindo Pfizer e Johnson e Johnson também estão envolvidos no venda altamente lucrativa e (legal) de opióides farmacêuticos, que no curso da crise do corona (2020 a 2021) tornaram-se uma das principais fontes de overdose de drogas.

Grandes Empresas Farmacêuticas Corruptas

Comunidades locais em toda a América tomaram posição contra os Gigantes Farmacêuticos em relação aos opióides. Em 2019-20, um acordo multibilionário de opióides foi alcançado com a Purdue Pharma em nome de milhares de cidades e condados dos EUA.

“Em outubro [2020], Purdue, fabricante de Oxycontin, admitiu permitir o fornecimento de medicamentos “sem finalidade médica legítima”, pagando médicos e outras propinas ilegais para prescrever os medicamentos, entre outras reivindicações. Ela concordou em pagar US$ 8,3 bilhões.” (BBC, 4 de fevereiro de 2021)

No auge da crise do corona (novembro de 2020):

“Quatro grandes distribuidores da Big Pharma (Johnson & Johnson, McKesson, Cardinal Health, Amerisource Bergen) envolvidas na produção (J & J) e distribuição de opióides prescritos “alcançou um acordo provisório de US$ 26 bilhões com municípios e condados que os processaram por perdas e danos ”.

O acordo foi conhecido como “Epidemia de Opióides”. Qual a relação com a crise do corona?

Esses mesmos distribuidores da Big Pharma se beneficiaram com o aumento nas vendas de opióides resultantes do lockdown, que por sua vez contribuíram para um aumento significativo nas mortes por overdose de drogas ao longo de 2020 a 2021. (veja o gráfico acima)

Em uma amarga ironia, o aumento na overdose de drogas levou a um aumento nos lucros para Big Pharma.

Embora a Big Pharma seja o alvo de um processo civil multibilionário sobre a distribuição fraudulenta de opióides prescritos, vários destas empresas corruptas agora estão envolvidas na promoção da iniciativa da vacina do Covid-19. De acordo com a Bloomberg, “mais de 400.000 americanos morreram durante o últimas duas décadas de overdose [de drogas]”.

E agora, desde o ataque da crise do corona em fevereiro de 2020, mortes mensais resultantes de overdose de drogas mais do que triplicaram (veja o gráfico acima).

Alcoolismo

O abuso de drogas e o alcoolismo estão frequentemente relacionados.

“O abuso de drogas e álcool aumentou com o COVID, assim como o suicídio. As linhas diretas de ajuda estão inundadas e certas estatísticas – as vendas de álcool online aumentaram nos EUA em mais de 200% – pintam um quadro escuro.”

“O vício está disparando.” Diz a terapeuta de dependência Cindi Brand, que trabalhou anteriormente com o CAMH.

A pandemia aumentou todas as formas de ansiedade e estresse igualmente … O distanciamento social significa que as pessoas com problemas de dependência “não podem obter a ajuda que eles precisam agora”, diz ela. (ênfase adicionada).

Aumento nas vendas de álcool

Uma tendência ascendente do alcoolismo durante a crise do corona nos EUA é confirmado por um aumento significativo na venda de álcool. De acordo com um estudo da Nielsen, os pedidos de permanência em casa em março de 2020 resultou em “um aumento de 54% nas vendas nacionais de álcool para a semana encerrada em 21 de março de 2020, em comparação com 1 ano antes; as vendas online aumentaram 262% em relação a 2019.”

Um estudo de pesquisa por amostra da empresa RAND conduzido com o apoio do Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo (NIAAA) consistia em comparar os hábitos de beber dos adultos em 2019 com os predominantes durante a crise do corona (2020):

“Os adultos americanos aumentaram drasticamente o consumo de álcool durante a paralisação desencadeada pela pandemia do coronavírus, com mulheres aumentando seus episódios de consumo excessivo de álcool (quatro ou mais bebidas dentro de algumas horas) em 41%” (estudo da RAND Corporation)

Uma pesquisa nacional descobriu que a frequência geral do consumo de álcool aumentou 14% entre adultos com mais de 30 anos, em comparação com o mesmo tempo ano passado. O aumento foi de 19% entre todos os adultos de 30 a 59 anos, 17% entre mulheres e 10% entre adultos brancos não hispânicos. (Rand Corporation)

Enquanto o estudo da Rand Corporation sobre hábitos de bebida revela um aumento no consumo de álcool, os resultados devem ser interpretados com cautela. o aumento registrado na venda real de álcool (54%) foi significativamente superior do que o aumento estimado no consumo de bebidas, com base na pesquisa de amostra da Rand. Ao mesmo tempo, no entanto, sob o lockdown, o consumo de álcool tem em grande parte ocorrido em residências, ao invés de em bares (fechados) e restaurantes.

De acordo com Michael Pollard, principal autor do estudo da RAND: “A depressão das pessoas aumenta, a ansiedade aumenta, [e] o uso de álcool é muitas vezes uma maneira de lidar com esses sentimentos.”


 

Capítulo VII

“Não há cura”

Supressão de hidroxicloroquina (HCQ), Um Medicamento Barato e Eficaz

Há uma batalha contínua para suprimir a hidroxicloroquina (HCQ), um medicamento barato e eficaz para o tratamento de Covid-19. A campanha contra o HCQ é realizado por meio de declarações políticas caluniosas, difamação da mídia, para não mencionar uma “avaliação” revisada por pares confiável publicada em 22 de maio pelo The Lancet, que foi baseada em números falsos e testes de ensaios.

O estudo foi supostamente baseado na análise de dados de 96.032 pacientes hospitalizados com COVID-19 entre 20 de dezembro de 2019 e 14 de abril de 2020 de 671 hospitais em todo o mundo. O banco de dados foi fabricado. O objetivo era matar a cura da Hidroxicloroquina (HCQ) em nome da Big Pharma.

Enquanto o artigo do The Lancet foi retratado, a mídia casualmente culpou “uma pequena empresa sediada nos EUA ”chamada Surgisphere, cujos funcionários incluíam“ um escritor de sci-fi e modelo de conteúdo adulto” para divulgar “dados falhos” (Guardian) . Essa organização sediada em Chicago foi acusada de ter enganado tanto a OMS quanto governos nacionais, incitando-os a banir a HCQ. Nenhum desses testes experimentais realmente aconteceu.

RETIRADO
Contexto
Hidroxicloroquina ou cloroquina, constantemente combinados com um macrólido de segunda geração, estão sendo usados para tratamento do COVID-19, apesar de não haver nenhuma evidência conclusiva sobre o seu benefício. Apesar de geralmente ser segura quando usada para indicações aprovadas como doenças auto-imunes ou malária, a segurança e o benefício desses tratamentos são mal avaliados no COVID-19

Hidroxicloroquina ou cloroquina com ou sem um macrólido para tratamento de COVID-19: uma análise de registro multinacional. Lancet. 2020; (publicado online em 22 de maio.)

Enquanto a culpa foi colocada na Surgisphere, a verdade não dita (que nem a comunidade científica nem a mídia reconheceram) é que o estudo foi coordenado pelo professor de Harvard Mandeep Mehra sob o auspícios do Brigham and Women’s Hospital (BWH), que é parceiro do Harvard Medical School.

Quando o golpe foi revelado, o Dr. Mandeep Mehra, que detém a Ilustre Cadeira Harvey de Medicina do Brigham and Women’s Hospital pediu desculpas:

Sempre realizei minha pesquisa de acordo com as mais elevadas diretrizes éticas e profissionais. No entanto, nunca podemos esquecer a responsabilidade que temos como pesquisadores de garantir escrupulosamente que confiamos em fontes de dados que seguem nossos altos padrões.

Agora está claro para mim que na minha esperança de contribuir com esta pesquisa durante um momento de grande necessidade, não fiz o suficiente para garantir que a fonte de dados era apropriado para este uso. Por isso, e por todas as interrupções – ambas direta e indiretamente – eu realmente sinto muito. (ênfase adicionada)

Mandeep R. Mehra, MD, MSC (declaração oficial no site da BWH)

Mas aquela nota de “sinto muito” foi apenas a ponta do iceberg. Por quê?

Os estudos respectivamente sobre o Remdesivir da Gilead Science e sobre a Hidroxicloroquina (HCQ) foram conduzidos simultaneamente pelo Brigham and Women’s Hospital (BWH)

Enquanto o relatório do The Lancet (22 de maio de 2020) coordenado pelo Dr. Mandeep Mehra tinha o objetivo de “matar” a legitimidade do HCQ como uma cura para Covid-19, outro estudo importante (relacionado) estava sendo realizado (simultaneamente) pelo BWH sobre o Remdesivir em nome da Gilead Sciences Inc.

O Dr. Francisco Marty, especialista em doenças infecciosas e professor associado da Harvard Medical School foi confiado com a coordenação dos testes de ensaios clínicos do medicamento antiviral Remdesivir sob o contrato do Brigham com a Gilead Sciences Inc:

O Brigham and Women’s Hospital começou a matricular pacientes em dois ensaios clínicos para o medicamento antiviral da Gilead, remdesivir. O Brigham é um dos vários locais de ensaios clínicos para um estudo da droga iniciado pela Gilead em 600 participantes com a doença coronavírus moderada (COVID-19) e um estudo iniciado pela Gilead com 400 participantes com COVID-19 grave.

… Se os resultados forem promissores, isso pode levar à aprovação do FDA, e se eles não forem, dá-nos informações críticas na luta contra COVID-19 e nos permite passar para outras terapias.”

Embora o Dr. Mandeep Mehra não estivesse diretamente envolvido no Estudo do Remdesivir do BWH pela Gilead sob a supervisão de seu colega Dr. Francisco Marty, ele no entanto, tinha contatos com Gilead Sciences Inc: “Ele participou em uma conferência patrocinada pela Gilead no início de abril de 2020 como parte do debate do Covid-19” (France Soir, 23 de maio de 2020)

Qual era a intenção de seu estudo (fracassado)? Para minar a legitimidade de Hidroxicloroquina?

De acordo com o France Soir, em um relatório publicado após a retração do The Lancet:

As respostas frequentemente evasivas produzidas pelo Dr. Mandeep R. Mehra,… professor da Harvard Medical School, não produzia confiança, ao invés disso, alimentava a dúvida sobre a integridade deste estudo retrospectivo e seus resultados. (France Soir, 5 de junho de 2020)

O Dr. Mandeep Mehra estava em conflito de interesses? (Isso é um assunto para o BWH e a Harvard Medical School para decidir).

Quem são os principais atores?

O Dr. Anthony Fauci, conselheiro de Donald Trump, retratado como “o melhor especialista em doenças infecciosas da América” desempenhou um papel fundamental em difamar a cura pela HCQ que havia sido aprovada anos antes pelo CDC, além de fornecer legitimidade para o Remdesivir da Gilead.

O Dr. Fauci foi o chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) desde a administração Reagan. Ele é conhecido por atuar como um porta-voz da Big Pharma.

O Dr. Fauci lançou o Remdesivir no final de junho (veja os detalhes abaixo). De acordo com Fauci, Remdesivir é a “droga maravilhosa do corona” desenvolvida pela Gilead Sciences Inc. É uma bonança de $ 1,6 bilhão de dólares.

Gilead Sciences Inc: História

A Gilead Sciences Inc é uma empresa biofarmacêutica multibilionária que agora está envolvida no desenvolvimento e comercialização de Remdesivir. A Gilead tem uma longa história. Tem o apoio de grandes conglomerados de investimentos, incluindo o Vanguard Group e Capital Research & Management Co, entre outros. Ela desenvolveu laços com o Governo dos Estados Unidos.

Em 1999 a Gilead Sciences Inc, desenvolveu o Tamiflu (usado como um tratamento de gripe sazonal e gripe aviária). Na época, a Gilead Sciences Inc era chefiada por Donald Rumsfeld (1997 a 2001), que mais tarde se juntou à administração de George W. Bush como Secretário de Defesa (2001 a 2006). Rumsfeld era responsável por coordenar as guerras ilegais e criminosas no Afeganistão (2001) e Iraque (2003).

Rumsfeld manteve seus vínculos com a Gilead Sciences Inc ao longo de sua gestão como Secretário de Defesa (2001 a 2006). De acordo com a CNN Money (2005) : “A perspectiva de um surto de gripe aviária … era uma notícia muito boa para o Secretário de Defesa Donald Rumsfeld [que ainda possuía ações da Gilead] e outros investidores politicamente conectados na Gilead Sciences ”.

Anthony Fauci está no comando do NIAID desde 1984, usando sua posição como um “intermediário” entre o governo dos EUA e a Big Pharma. No decorrer do mandato de Rumsfeld como Secretário de Defesa, o orçamento alocado para bio-terrorismo aumentou substancialmente, envolvendo contratos com a Big Pharma incluindo a Gilead Sciences Inc. Anthony Fauci considerou que o dinheiro alocado ao bioterrorismo no início de 2002 iria:

“Acelerar nossa compreensão da biologia e patogênese de micróbios que podem ser usados em ataques, e a biologia dos hospedeiros dos micróbios – seres humanos e seus sistemas imunológicos. Um resultado deve ser vacinas mais eficazes com menos toxicidade. ” (Relatório do Washington Post)

Em 2008, o Dr. Anthony Fauci recebeu a Medalha Presidencial da Liberdade pelo presidente George W. Bush “por seus esforços determinados e agressivos para ajudar outros a viver vidas mais longas e saudáveis. ”

O Projeto Remdesivir da Gilead Sciences Inc de 2020

Estaremos nos concentrando nos principais documentos (e eventos)

Cronologia

21 de fevereiro: Lançamento inicial referente ao ensaio de teste de placebo do Remdesivir do NIH-NIAID

10 de abril: O estudo da Gilead Sciences Inc publicado no NEJM sobre o “Uso Compassivo de Remdesivir”

29 de abril: Lançamento do NIH: Estudo sobre Remdesivir (Relatório publicado em 22 de maio no NEJM)

22 de maio, Estudo BWH-Harvard sobre Hidroxicloroquina coordenado pelo Dr. Mandeep Mehra é publicado no The Lancet

22 de maio, Remdesivir para o Tratamento da Covid-19 – Relatório Preliminar do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, Institutos Nacionais de Saúde, New England Journal of Medicine, (NEJM)

5 de junho: O (falso) relatório do The Lancet (22 de maio) sobre HCQ foi retirado.

29 de junho, anúncio do Fauci. O Acordo Remdesivir HHS de $ 1,6 bilhões com a Gilead Sciences Inc

10 de abril: O estudo da Gilead Sciences Inc. publicado no NEJM sobre o “Uso Compassivo de Remdesivir”

Um relatório patrocinado pela Gilead foi publicado no New England Journal of Medicine em um artigo intitulado “Uso Compassivo de Remdesivir para Pacientes com Covid-19 grave” . Foi coautor de uma lista impressionante de 56 distintos médicos e cientistas, muitos dos quais foram destinatários de pagamentos de consultoria da Gilead Sciences Inc.

A Gilead Sciences Inc. financiou o estudo que incluiu vários membros da equipe como co-autores.

Uso compassivo de Remdesivir para pacientes com Covid-19 grave

O teste incluiu um total de 61 pacientes [que] receberam pelo menos uma dose de remdesivir em ou antes de 7 de março de 2020; 8 desses pacientes foram excluídos devido à falta de informações pós-linha de base (7 pacientes) e uma data de início do remdesivir errônea (1 paciente) … Dos 53 pacientes restantes incluídos nesta análise, 40 (75%) receberam o período completo de 10 dias de remdesivir, 10 (19%) receberam 5 a 9 dias de tratamento, e 3 (6%) menos de 5 dias de tratamento.

O artigo do NEJM afirma que “A Gilead Sciences Inc começou a aceitar solicitações de médicos pelo uso compassivo de remdesivir em 25 de janeiro de 2020”. De quem, de onde? De acordo com a OMS (30 de janeiro de 2020) haviam 86 casos em 18 países fora da China, dos quais 5 foram nos EUA, 5 na França e 3 no Canadá.

Vários médicos e cientistas proeminentes lançaram dúvidas sobre o Estudo do Uso Compassivo de Remdesivir conduzido pela Gilead, com foco no pequeno tamanho do ensaio. Ironicamente, o número de pacientes no teste é menor que o número de co-autores: “53 pacientes” versus “56 co-autores”

Abaixo, fornecemos trechos de declarações científicas sobre o projeto do NEJM da Gilead (ênfase adicionada do Science Media Center) publicado imediatamente após o lançamento do artigo NEJM:

“’Uso compassivo’ é melhor descrito como usar um tratamento não licenciado para tratar um paciente porque não há outros tratamentos acessíveis. Pesquisas baseadas neste tipo de uso devem ser tratadas com extremo cuidado porque não há grupo de controle ou randomização, que são algumas das marcas de boa prática em ensaios clínicos. Prof Duncan Richard, Terapêutica Clínica, Universidade de Oxford.

“É fundamental não interpretar excessivamente este estudo. Mais importante ainda, é impossível saber o resultado para este grupo relativamente pequeno de pacientes se não tivessem recebido remdesivir. Dr. Stephen Griffin, Professor Associado, Escola de Medicina da Universidade de Leeds.

“A pesquisa é interessante, mas não prova nada neste momento: os dados são de um estudo pequeno e não controlado. Simon Maxwell, professor de Farmacologia Clínica e Prescrição, Universidade de Edimburgo.

“Os dados deste artigo são quase ininterpretáveis. É muito surpreendente, talvez até antiético, que o New England Journal of Medicine o publicou. Seria mais apropriado publicar os dados no site da empresa farmacêutica que patrocinou e redigiu o estudo. Pelo menos a Gilead deixou claro que isso não foi feito da maneira que um artigo científico de alta qualidade seria escrito. Prof Stephen Evans, Professor de Farmacoepidemiologia, Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

“É muito difícil tirar conclusões úteis de estudos não controlados como este, particularmente com uma nova doença em que realmente não sabemos o que esperar e com grandes variações nos resultados entre locais e ao longo do tempo. Realmente tem que questionar a ética de não fazer randomização – este estudo realmente representa, mais do que qualquer outra coisa, uma oportunidade perdida.” Prof Adam Finn, Professor de Pediatria, Universidade de Bristol.

29 de abril: Estudo do National Institutes of Health (NIH) sobre Remdesivir.

Em 29 de abril após a publicação do estudo da Gilead Sciences Inc no NEJM em 10 de abril, um comunicado de imprensa do National Institutes of Health (NIH) sobre o Remdesivir foi lançado. O documento completo foi publicado em 22 de maio, pelo NEJM sob o título:

Remdesivir para o tratamento de Covid-19 – Relatório Preliminar (NEJM)

O estudo foi iniciado em 21 de fevereiro de 2020. O título de 29 de abril do comunicado à imprensa foi:

“Dados revisados por pares mostram que o remdesivir para COVID-19 melhora o tempo para recuperação”

É um relatório patrocinado pelo governo que inclui dados preliminares de um ensaio randomizado envolvendo 1.063 pacientes hospitalizados. Os resultados do ensaio intitulado Adaptive COVID-19 Treatment Trial (ACTT) são preliminares, conduzido sob a direção do Instituto Nacional de Alergia e Doenças infecciosas do Dr. Fauci (NIAID):

Um conselho independente de monitoramento de dados e segurança (DSMB) supervisionando o ensaio se reuniu em 27 de abril para revisar os dados e compartilhar suas análises provisórias com a equipe de estudo. Com base em sua revisão dos dados, eles notaram que o remdesivir foi melhor do que o placebo do ponto de vista do parâmetro primário, o tempo de recuperação, uma métrica frequentemente usada em testes de influenza. A recuperação neste estudo foi definida como sendo boa o suficiente para a liberação do hospital ou retorno ao nível normal de atividade.

Os resultados preliminares indicam que os pacientes que receberam remdesivir tiveram um Tempo de recuperação 31% mais rápido do que aqueles que receberam placebo (p<0,001). Especificamente, o tempo médio de recuperação foi de 11 dias para os pacientes tratados com remdesivir em comparação com 15 dias para aqueles que receberam placebo. Os resultados também sugeriram um benefício de sobrevivência, com um taxa de mortalidade de 8,0% para o grupo que recebeu remdesivir versus 11,6% para o grupo placebo (p = 0,059). (ênfase adicionada)

No relatório do NIH de 21 de fevereiro de 2020 (lançado no início do estudo), a metodologia foi descrita da seguinte forma:

… Um ensaio clínico randomizado e controlado para avaliar a segurança e eficácia do antiviral experimental remdesivir em adultos hospitalizados diagnosticados com a doença coronavírus 2019 (COVID-19) …

Números. Onde? Quando?

O relatório de 21 de fevereiro confirmou que o primeiro participante do ensaio era “um Americano que foi repatriado após ser colocado em quarentena no navio de cruzeiro Diamond Princess” que atracou em Yokohama (Águas do Território Japonês). “Treze pessoas repatriadas pelo Departamento de Estado dos EUA do navio de cruzeiro Diamond Princess” foram selecionados como pacientes para o teste do ensaio de placebo.

Ironicamente, no início do estudo, 58,7% dos “casos confirmados” em todo o mundo (542 casos de 924) (fora da China), estavam no navio de cruzeiro Diamond Princess, a partir do qual os pacientes com placebo do ensaio inicial foram selecionados.

Onde e quando: o ensaio experimental foi conduzido nos 68 locais selecionados? Isso veio em uma data mais tarde porque em 19 de fevereiro (dados da OMS), os EUA registraram apenas 15 casos positivos (ver Tabela abaixo).

“No final das contas, um total de 68 locais se juntou ao estudo – 47 nos Estados Unidos e 21 em países da Europa e Ásia. ” (ênfase adicionada)

No relatório final de 22 de maio do NEJM intitulado Remdesivir para o Tratamento de Covid-19 – Relatório Preliminar :

Havia 60 locais de teste e 13 sublocais nos Estados Unidos (45 locais), Dinamarca (8), Reino Unido (5), Grécia (4), Alemanha (3), Coreia (2), México (2), Espanha (2), Japão (1) e Cingapura (1). Pacientes elegíveis foram atribuídos aleatoriamente em uma proporção de 1:1 para receber remdesivir ou placebo. A randomização foi estratificada por local de estudo e gravidade da doença na inscrição

O Washington Post aplaudiu o anúncio de Anthony Fauci (29 de abril):

“Os resultados preliminares, divulgados na Casa Branca por Anthony S. Fauci, … ficam aquém da solução mágica ou cura … Mas sem a aprovação de tratamentos para Covid-19, [Lie] Fauci disse, ele se tornará o padrão para cuidar de pacientes hospitalizados … Os dados mostram que o remdesivir tem um efeito claro, significativo e positivo na diminuição do tempo de recuperação,” Fauci disse.

O remdesivir da Gilead melhora o tempo de recuperação de pacientes com coronavírus em ensaio da NIH

O primeiro ensaio clínico rigoroso do governo do medicamento experimental remdesivir como um tratamento de coronavírus entregou resultados variados para o comunidade médica na quarta-feira – mas recuperou os mercados de ações e criou a esperança que uma das primeiras armas para ajudar alguns pacientes esteja disponível.

Os resultados preliminares, divulgados na Casa Branca por Anthony Fauci, chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, que liderou o ensaio controlado com placebo descobriu que a droga acelerou a recuperação de pacientes hospitalizados, mas teve apenas um benefício marginal na taxa de mortalidade.

… Os comentários de Fauci aumentaram as especulações de que o Food and Drug Administration buscaria autorização de uso de emergência que permitiria médicos para prescrever o medicamento.

Além dos ensaios clínicos, o remdesivir foi administrado a mais de 1.000 pacientes sob uso compassivo. [também se refere ao estudo da Gilead publicado em 10 de abril no NEJM]

O estudo, envolvendo [mais de] 1.000 pacientes em 68 locais nos Estados Unidos e ao redor do mundo (??), oferece a primeira evidência (??) de um grande (??), estudo clínico randomizado (??) da eficácia do remdesivir contra COVID-19.

O estudo de teste de placebo do NIH forneceu “resultados preliminares”. Enquanto o ensaio de teste de placebo foi “randomizado”, a seleção geral de pacientes nos 68 locais não foi totalmente randomizada. Veja o relatório completo.

22 de maio: O controverso (retirado) relatório do The Lancet sobre a Hidroxicloroquina (HCQ)

É importante destacar que o relatório completo do NIH-NIAID intitulado Remdesivir para o tratamento da Covid-19 – relatório preliminar foi lançado em 22 de maio de 2020 no NEJM, no mesmo dia do polêmico relatório do The Lancet sobre Hidroxicloroquina.

Imediatamente após sua publicação, a mídia entrou em alta velocidade, difamando a cura com HCQ, enquanto aplaudia o relatório do NIH-NIAID lançado no mesmo dia.

Remdesivir, o único medicamento liberado para tratar Covid-19, acelerou o tempo de recuperação dos pacientes com a doença,… “É um medicamento muito seguro e eficaz”, disse Eric Topol, fundador e diretor da Scripps Research Translational Institute. “Agora temos definitivamente um primeiro medicamento eficaz para Covid-19, que é um grande passo à frente e será desenvolvido com outras drogas, [e drogas] combinadas.”

Quando o artigo do The Lancet sobre HCQ de Bingham-Harvard foi retirado em 5 de junho, era tarde demais, recebeu cobertura mínima da mídia. Apesar da retração, a cura com HCQ “foi morta”.

29 de junho: O sinal verde de Fauci. O Contrato de $ 1,6 bilhão de Remdesivir com a Gilead Sciences Inc

O Dr. Anthony Fauci concedeu o “Sinal verde” à Gilead Sciences Inc. em 29 de junho de 2020.

O relatório semi-oficial do governo dos EUA patrocinado pelo NIH-NIAID (22 de maio) intitulado Remdesivir para o Tratamento de Covid-19 – Relatório Preliminar (NEJM) foi usado para justificar um acordo importante com a Gilead Sciences Inc. (Um relatório final foi lançado em 5 de novembro de 2020)

O relatório foi amplamente financiado pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças infecciosas (NIAID) liderado pelo Dr. Anthony Fauci e o National Institutes of Health (NIH).

Em 29 de junho, com base nas conclusões do Relatório NIH-NIAID publicado no NEJM, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) anunciou em nome da Administração Trump, um acordo para garantir grandes suprimentos de remdesivir da Gilead Sciences Inc. para o tratamento de Covid-19 em hospitais e clínicas privadas da América.

O estudo anterior da Gilead com base em resultados de testes escassos publicados no NEJM (10 de abril), de 53 casos (e 56 coautores) não foi destacado. Os resultados deste estudo foi questionado por vários médicos proeminentes e cientistas.

Quem poderá pagar o Remdesivir? 500.000 doses de Remdesivir são previstas em US $ 3.200 por paciente, ou seja, US $ 1,6 bilhão (veja o estudo por Elizabeth Woodworth )

O medicamento também foi aprovado para a comercialização na União Europeia. Com a marca Veklury.

Se este contrato for implementado conforme planejado, ele representa para a Gilead Science Inc. e os destinatários, hospitais e clínicas privadas dos EUA, uma quantidade colossal de dinheiro.

Tratamento para COVID-19 da Gilead, o Remdesivir, vai custar US$ 3.120,00 para o paciente americano médio com seguro privado

De acordo com o secretário do HHS da administração Trump, Alex Azar (29 de junho de 2020):

“Na medida do possível, queremos garantir que qualquer paciente americano que precise de remdesivir possa obtê-lo. [Por US$ 3200] A administração Trump está fazendo tudo ao nosso alcance para aprender mais sobre terapias para salvar vidas para o COVID-19 e acesso seguro a essas opções para o povo americano.”

Remdesivir versus Hidroxicloroquina (HCQ)

Cronometragem cuidadosa:

O estudo do The Lancet (publicado em 22 de maio de 2020 e posteriormente retirado) pretendia minar a legitimidade da hidroxicloroquina como um cura efetiva para o Covid-19, com o objetivo de sustentar o acordo de US$ 1,6 bilhão entre o HHS e a Gilead Sciences Inc. em 29 de junho. A legitimidade deste acordo baseava-se no estudo do NIH-NIAID de 22 de maio no NEJM que foi considerado “preliminar”.

O que o Dr. Fauci não reconheceu é que a cloroquina foi “estudada” e testada há quinze anos pelo CDC como uma droga a ser usada contra infecções por coronavírus. E essa hidroxicloroquina tem sido usada ao longo de 2020 no tratamento de Covid-19 em vários países.

De acordo com o Virology Journal (2005) (Veja abaixo) “A cloroquina é um inibidor potente da infecção e disseminação do SARS coronavírus”. Ela foi usada no surto de SARS-1 em 2002. Teve o aval do CDC.

HCQ não é apenas eficaz, é “barato” quando comparado ao Remdesivir, em um valor estimado de “US$ 3120,00 para um paciente dos EUA com seguro privado”.

Observações Finais

O estudo do Remdesivir da Gilead Sciences Inc. (mais de 50 autores) foi publicado no New England Journal of Medicine (10 de abril de 2020).

Foi seguido pelo Remdesivir para o Tratamento da Covid-19 – Relatório Preliminar da NIH-NIAID em 22 de maio de 2020 no NEJM. E nesse mesmo dia, 22 de maio, o relatório sobre Hidroxicloroquina coordenado pelo Dr. Mehra do BWH-Harvard foi publicado pelo The Lancet (que foi posteriormente retirado).

A Harvard Medical School e o BWH são responsáveis por terem sediado e financiado o relatório do The Lancet sobre HCQ coordenado pelo Dr. Mandeep Mehra.

Existe conflito de interesses? O BWH estava simultaneamente envolvido em um estudo sobre Remdesivir em um contrato com a Gilead Sciences, Inc.

Embora o relatório do The Lancet coordenado pelo Dr. Mehra de Harvard tenha sido retirado, no entanto, atendeu aos interesses da Gilead Sciences Inc.

É importante que uma avaliação médica e científica independente seja realizada, respectivamente, do estudo revisado por pares da Gilead Sciences Inc no New England Journal of Medicine (NEMJ) (10 de abril de 2020), bem como o estudo da NIH-NIAID também publicado no NEJM (22 de maio de 2020).


 

Capítulo VIII

A “Vacina” do Covid da Big Pharma

Introdução

A vacina Covid-19 é voltada para o lucro. O governo dos EUA já tinha encodmendado 100 milhões de doses em julho de 2020 e a UE deve comprar 300 milhões de doses. É muito dinheiro para a Big Pharma, recompensas generosas para políticos corruptos, à custa dos contribuintes.

O objetivo é, em última instância, ganhar dinheiro, vacinando todo o planeta de 7,8 bilhões de pessoas para SARS-CoV-2.

A vacina Covid, em alguns casos, prevê mais de uma injeção. Se esta iniciativa seguir conforme o planejado, seria o maior projeto de vacinação na História mundial e a operação mais lucrativa da Big Pharma.

A segunda onda da pandemia começou em outubro de 2020. A vacina do corona da Pfizer e da Moderna foi lançada no início de novembro de 2020.

Em todo o mundo, as pessoas são levadas a acreditar que a vacina do corona é uma solução. E aquela “normalidade” será então restaurada.

Como é que uma vacina para o vírus SARS-CoV-2, que em condições normais levariam anos para se desenvolver, foi prontamente lançada no dia 9 de novembro de 2020?

Além disso, a vacina anunciada pela Pfizer, Moderna Inc, AstraZeneca e Johnson and Johnson (J & J) é baseada em uma tecnoliga experimental de mRNA de edição de genes que tem influência no genoma humano. Juntamente com a iniciativa de vacina de mRNA, está o desenvolvimento de um chamado passaporte digital que será imposto a populações inteiras. (Veja a análise abaixo).

E por que precisamos de uma vacina para Covid-19 quando a OMS, o Centro dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), bem como vários cientistas confirmaram inequivocamente que a Covid-19 é “semelhante à influenza sazonal”. (Veja nossa análise no Capítulo III).

A vacina de mRNA “não foi aprovada” e é “experimental”

Quatro grandes empresas, incluindo Pfizer Inc, Moderna Inc, AstraZeneca e Johnson e Johnson (J & J) estão atualmente envolvidos (início de 2021) em promover a vacina experimental de mRNA com o apoio implacável da governos nacionais.

Amplamente documentado, mal divulgado pela mídia, inúmeros casos de mortes e ferimentos ocorreram.

Foi concedido o “sinal verde” para comercializar a vacina experimental de mRNA em dezembro de 2020, apesar do fato de que, de acordo com o FDA, a vacina é um “produto não aprovado”.

O FDA, em uma declaração ambígua, forneceu uma chamada Autorização de Uso Emergencial (EUA) para a vacina Pfizer-BioNTech, a saber “permitir o uso emergencial do produto não aprovado, … para imunização ativa … ”( veja abaixo )

AUTORIZAÇÃO DE USO EMERGENCIAL (EUA) DA VACINA PARA COVID-19 DA PIZER-BIONTECH PARA PRENVENÇÃO DA DOENÇA CAUSADA PELO CORONAVÍRUS 2019 (COVID-19)

O U.S. Food and Drug Administration (FDA) emitiu uma Autorização de Uso Emergencial (EUA) para permitir o uso emergencial de um produto não aprovado, a Vacina para COVID-19 da Pfizer BioNTech, para imunização ativa para prevenção do COVID-19 em indivíduos de 16 anos ou mais.

Há algo duvidoso e “contraditório” nesta declaração. A vacina experimental de mRNA da Pfizer “não é aprovada” e “permitida”.

Verifiquei esta declaração com um advogado de destaque. É flagrantemente ilegal comercializar um “produto não aprovado”.

Nos EUA, a vacina Pfizer-Moderna é categorizada pelo CDC como um “medicamento experimental”. A cláusula “o uso emergencial” existe para justificar o lançamento do que pode ser descrito como uma “droga ilegal”.

Há uma campanha de medo em andamento, mas não há “Emergência” que justifique o “Uso emergencial”. Por quê?

  1. Tanto a OMS quanto o CDC confirmaram que a Covid-19 é “semelhante à influenza sazonal”, não é um vírus assassino.
  2. O teste de PCR usado para estimar “casos positivos confirmados” é defeituoso. Desde março de 2020, os “números” da Covid-19 têm sido manipulados, aumentados.
  3. A validade geral do teste PCR (e estimativas) conforme aplicado desde Janeiro de 2020 foi questionada (janeiro de 2021) pela OMS . (Ver nossa análise no Capítulo III)

“Marketing fraudulento” de um “Produto Não Aprovado”

Flashback de 2009. Em uma decisão histórica do Departamento de Justiça dos EUA em setembro de 2009 , a Pfizer Inc. se declarou culpada de acusações criminais. Foi “A maior resolução de fraude em saúde” da história do Departamento de Justiça dos Estados Unidos:

A gigante farmacêutica americana Pfizer Inc. e sua subsidiária Pharmacia & Upjohn Company Inc. … concordaram em pagar US $ 2,3 bilhões, a maior resolução de fraude em saúde na história do Departamento de Justiça, para resolver responsabilidade criminal e civil decorrente da promoção ilegal de certos produtos farmacêuticos, …” (2 de setembro de 2009)

Déjà Vu: Voltando para 2020-2021

Como você pode confiar em um conglomerado de vacinas da Big Pharma que se declarou culpado de acusações criminais pelo Departamento de Justiça dos EUA, incluindo “marketing fraudulento” e “violação criminosa da lei sobre alimentos, drogas e cosméticos”?

Devo mencionar, no entanto, que em 2009, a Pfizer estava, por assim dizer, “sob liberdade condicional” pelo Departamento de Justiça dos EUA. Ela foi obrigada a entrar em “um acordo de integridade corporativa” com o Inspetor Geral do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (DHHS). “Aquele acordo fornecido para “procedimentos e análises para … evitar e detectar prontamente” má conduta por parte da Pfizer, Inc.

Johnson e Johnson e “A Epidemia de Opióides”

No auge da crise do corona, mal coberto pela mídia, coincidindo com o lançamento da vacina do Covid-19 no início de novembro de 2020, a Johnson e Johnson (e seus três distribuidores) (envolvidos na comercialização de prescrição de opióides) “chegou a um acordo provisório de US$ 26 bilhões com condados e cidades que os processaram por perdas e danos”. A ação coletiva foi “o maior caso de tribunal federal na história americana” (para mais detalhes, consulte o Capítulo VI referente a “Os impactos na saúde mental”)

Esses antecedentes jurídicos são relevantes para a compreensão da iniciativa de vacina da Big Pharma?

A Johnson and Johnson está atualmente envolvida na produção e marketing de uma vacina de vetor viral de adenovírus do Covid que também envolve terapia genética. (O acordo J & J de 26 bilhões de dólares é um entre várias ações judiciais contra a J&J).

Cobaias humanas

Em relação à vacina do Covid, “marketing fraudulento” é um eufemismo: a vacina de mRNA anunciada pela Pfizer, Moderna Inc, Johnson e Johnson e AstraZeneca é uma “droga não aprovada” com base em umaa tecnologia de mRNA de edição de genes “experimental” que tem uma relação com o genoma humano.

Além disso, os testes de laboratório com animais padrão usando ratos ou furões não foram conduzidos. A Pfizer “foi direto para as “cobaias humanas””.

“Os testes em humanos começaram no final de julho e início de agosto [2020]. Três meses é inédito para testar uma nova vacina. Vários anos é a norma.” (F. William Engdahl, Global Research , novembro de 2020)

Esta caricatura de Large + JIPÉM explica nossa situação:

Camundongo nº 1: “Você vai ser vacinado”,
Camundongo nº 2: Você está louco, eles não terminaram os testes em Humanos”

Nossos agradecimentos a Large e JIPÉM

O Dr. Michael Yeadon, um ex-vice-presidente da Pfizer tomou uma posição firme:

“Todas as vacinas contra o vírus SARS-COV-2 são, por definição, novas. Nenhuma vacina candidata está … em desenvolvimento há mais de alguns meses.”:

“Se tal vacina for aprovada para uso em quaisquer circunstâncias que sejam EXPLICITAMENTE experimentais, acredito que os destinatários estão sendo enganados numa proporção criminal.”

No início de dezembro, o Dr. Michael Yeadon juntamente com o Dr. Wolfgang Wodarg “entraram com um pedido na EMA, a Agência Europeia de Medicamentos responsável pela aprovação de medicamentos em toda a UE, pela suspensão imediata de todos os estudos da vacina SARS CoV 2, em particular o estudo da BioNtech/Pfizer sobre BNT162b (número EudraCT 2020-002641-42).

História do Projeto de Vacina do SARS-CoV-2

Existem muitas contradições. A análise abaixo aborda as etapas anteriores do projeto de vacina, bem como o papel da Simulação 201 sob os auspícios da Escola de Medicina John Hopkins, realizada em Nova York em 19 de outubro de 2019.

A vacina do Covid é uma operação multibilionária da Big Pharma que irá contribuir para o aumento da dívida pública de mais de 150 governos nacionais.

Apoiado pela campanha do medo, o dinheiro, em vez da saúde pública, é a força motriz por trás desta iniciativa.

A parceria GSK-Pfizer

Cinco meses antes do início da crise da Covid-19, dois dos maiores conglomerados farmacêuticos mundiais decidiram dar as mãos para uma relação estratégica. Em agosto de 2019, a GSK confirmou a formação de uma grande parceria com a Pfizer intitulada Consumer Health Joint Venture.

Embora se diga que o relacionamento se limita à “marcas de saúde confiáveis para o consumidor”, o acordo prevê procedimentos financeiros conjuntos, incluindo projetos de investimento multibilionários. Embora não constitua uma fusão, a aliança GSK-Pfizer implica na integração seletiva e conluio de fato em muitas das atividades das duas empresas, incluindo o mercado de vacinas.

“A conclusão da joint venture com a Pfizer marca o início de a próxima fase de nossa transformação da GSK. Este é um importante momento para o Grupo, estabelecendo as bases para duas grandes empresas, uma em Produtos Farmacêuticos e Vacinas e outra em Saúde do Consumidor.” (GSK , 1 ° de agosto de 2019, ênfase adicionada)

Este relacionamento GSK-Pfizer também abrange uma rede de empresas farmacêuticas parceiras, laboratórios de pesquisa, institutos de virologia, militares e entidades de biotecnologia, etc. Muitas das quais estão atualmente envolvidas na iniciativa de vacinação do Covid.

Atualmente, um punhado de empresas multinacionais, incluindo a GSK e a Pfizer, controlam 80% do mercado global de vacinas. Sob o acordo entre o duas empresas, a GSK-Pfizer deve desempenhar um papel dominante e coordenado em relação à vacina Covid-19.

O Exercício de Simulação do Coronavirus 2019, Evento 201, de outubro de 2019

O coronavírus foi inicialmente denominado nCoV-19 pelo CEPI e pela OMS: exatamente o mesmo nome que foi adotado no Evento 201 do WEF-Gates-John Hopkins (2019-nCov) referente a um exercício de simulação de coronavírus realizado em Baltimore em meados de outubro de 2019.

A simulação do Evento 201 John Hopkins abordou o desenvolvimento de uma vacina eficaz em resposta a milhões de casos (na simulação em outubro de 2019) do 2019-nCoV. A simulação anunciou um cenário em que toda a população do planeta seria afetada: “Durante os meses iniciais da pandemia, o número cumulativo de casos [na simulação] aumenta exponencialmente, dobrando a cada semana. E conforme os casos e mortes acumulam, as consequências econômicas e sociais tornam-se cada vez mais fortes.”

O cenário termina no período de 18 meses, com 65 milhões de mortes. A pandemia está começando a diminuir devido ao número decrescente de pessoas suscetíveis. A pandemia continuará até existir uma vacina eficaz ou até 80 a 90% da população global for exposta. A partir desse ponto, é provável que seja um doença endêmica da infância.

De acordo com o vídeo do WEF abaixo, produzido em relação à Simulação 201, “fizemos uma simulação de pandemia viral massiva …, 65 milhões de mortes mundialmente. ”.

Veja também a análise de F. William Engdahl da Simulação 201

Vídeo produzido pelo Fórum Econômico Mundial em associação com a Simulação 201 de John Hopkins

Ironicamente, em 30 de janeiro de 2020, a OMS definiu o novo vírus como 2019-nCoV, ou seja, o mesmo nome que foi usado na simulação 201 em outubro de 2019.

Só mais tarde o Covid-19 foi identificado pela OMS não como um vírus, mas como uma doença: doença coronavírus (COVID-19), o vírus foi identificado como “Síndrome respiratória aguda grave” coronavírus 2 (SARS-CoV-2)

Duas semanas após o vírus ter sido formalmente identificado pela República do Povo da China (7 de janeiro de 2020), uma vacina para o novo coronavírus foi anunciada pela CEPI no Fórum Econômico Mundial de Davos, de 20 a 24 de janeiro de 2020.

O papel central da Coalizão para Inovações de Preparação para Pandemias (CEPI)

A entidade líder para a nova iniciativa de vacina contra o coronavírus é a Coalizão para Inovações de Preparação para Pandemias (CEPI), uma organização patrocinada e financiada pelo Fórum Econômico Mundial (WEF) e pela Fundação Bill e Melinda Gates.

Observe a cronologia: o desenvolvimento da vacina para o 2019-nCoV foi anunciada no Fórum Econômico Mundial de Davos (WEF) uma semana antes do lançamento oficial pela OMS de uma Emergência Mundial de Saúde Pública (30 de janeiro) em um momento em que o número de “casos confirmados” em todo o mundo (fora da China) foi de 83. (ver Capítulo II)

A pandemia foi lançada pela OMS em 11 de março. E cinco dias depois, mal coberto pela mídia, os primeiros testes envolvendo voluntários humanos foram conduzidos pela Moderna em Seattle em 16 de março.

De acordo com Richard Hatchett, CEO da Coalizão para Inovações de Preparação para Pandemias (CEPI) o projeto para desenvolver uma vacina começou não apenas antes da descoberta e identificação do coronavírus (7 de janeiro de 2020), mas vários meses antes do exercício de simulação de outubro de 2019.

“Fizemos isso mais ou menos no ano passado [início de 2019]. … ”

(role para baixo para uma entrevista com Richard Hatchett)

A CEPI em nome da Fundação Gates e o WEF estava buscando um Papel de “monopólio” no negócio de vacinação, cujo objetivo era um “Projeto global de vacinas”, em parceria com um grande número de “candidatos”.

Ela anunciou financiamento para sua parceria existente com a Inovio e a The University of Queensland (Austrália). Além disso, a CEPI confirmou (janeiro 23) seu contrato com a Moderna, Inc. e o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA (NIAID) dirigido pelo Dr. Anthony Fauci, que tem sido fundamental para travar a campanha de medo e pânico na América: “Dez vezes pior que a influenza sazonal”. (Veja o vídeo do WEF abaixo)

A apresentação do CEO Stéphane Bencel da Moderna Inc descreve as características da vacina de mRNA começam aos 11 minutos e 50.

“Nós injetamos instruções … mRNA é uma plataforma”

A CEPI estava lidando simultaneamente com várias empresas farmacêuticas. O acordo Moderna-NIAID foi implementado. A vacina mRNA do COVID-19 foi lançada nos Estados Unidos no final de novembro de 2020.

Em 31 de janeiro de 2020, no dia seguinte ao lançamento oficial da OMS da emergência global de saúde pública (PHEIC) e a decisão de Trump de restringir o transporte aéreo com a China, a CEPI anunciou sua parceria com a CureVac AG, a Empresa biofarmacêutica com sede na Alemanha.

Poucos dias depois, no início de fevereiro de 2020, a CEPI “anunciou que grande o fabricante de vacinas GSK permitiria seus adjuvantes proprietários – compostos que aumentam a eficácia das vacinas – para serem usados na resposta”. (A pandemia foi lançada oficialmente em 11 de março).

Havia muitas “vacinas potenciais no funil” com “dezenas de grupos de pesquisa em todo o mundo correndo para criar uma vacina contra COVID-19”.

O Programa Global de Vacinação do COVID-19

A CEPI (em nome de Gates-WEF, que financiou o exercício de simulação 201) desempenhou um papel fundamental em um programa mundial de vacinação em larga escala em parceria com empresas de biotecnologia, Big Pharma, agências governamentais bem como laboratórios universitários.

Hoje nós anunciamos o financiamento de 3 programas de desenvolvemento de vacinas contra o novo #coronavirus, nCoV-2019

Nós estaremos apoiando tecnologias pioneiras projetadas para acelerar o desenvolvimento de vacinas contra ameaças emergentes

“Dada a rápida expansão do novo coronavírus, o mundo precisa agir rapidamente e se unir para lidar com essa doença. Nós esperamos que esse projeto possa providenciar um importante e significativo passo adiante no desenvolvimento de uma vacina.”

A declaração anterior da CEPI foi feita quase dois meses antes da declaração oficial de uma pandemia em 11 de março.

“Estamos conversando com uma ampla gama de parceiros em potencial”. E fundamental para essas conversas é: Qual é o plano para fazer enormes quantidades de vacina dentro de um período de tempo que é potencialmente relevante para o que as pessoas parecem estar cada vez mais certas de que haverá uma pandemia, se ainda não houver? …” [Richard Hatchett, CEO da CEPI em entrevista a stat.news.com]. …

O foco subjacente era desenvolver uma vacina global:

E parte disso foi fazer uma pesquisa global da capacidade de produção, pensar sobre onde queríamos plantar a fabricação de qualquer produto de sucesso que podíamos apresentar.

Conhecimento prévio

Importante, Hatchett confirmou que o projeto para desenvolver uma vacina começou não apenas antes da descoberta e identificação do coronavírus (7 de janeiro de 2020), mas vários meses antes do Exercício de Simulação 201 de outubro de 2019.

“Fizemos isso mais ou menos no ano passado. [início de 2019] … Estamos usando as informações que coletamos e agora essa equipe está pensando sobre as oportunidades para escalonar vacinas de vários tipos diferentes. Este é um trabalho em andamento. Para algumas das tecnologias, a transferência de tecnologia [para um fabricante] pode ser algo que poderia ser feito em um período de tempo que era pertinente à epidemia, potencialmente.

Acho que vai ser muito importante envolver as pessoas que têm acesso a uma capacidade de produção realmente substancial. E tendo grandes produtores à disposição – por causa de sua profundidade, por causa de sua experiência, por causa de seus recursos internos – seria muito, muito importante.

As vacinas candidatas serão muito, muito rápidas. O Dr. Anthony Fauci, diretor do NIAID [que tem espalhado o pânico na rede de TV], está indo em público, dizendo que acha que o ensaio clínico para a vacina da Moderna pode acontecer já na primavera. (ênfase adicionada)

O Diretor do CEPI Richard Hatchett, Dr. Anthony Fauci que dirige o NIAID e o CEO da Moderna, Stéphane Bencel têm “conhecimento prévio” do surto do Covid-19?

As declarações de Hatchett sugerem que eles já estavam trabalhando em uma Vacina de mRNA no início de 2019. Além disso, em 12 de dezembro de 2019, duas semanas antes da confirmação oficial da existência de um chamado “novo coronavírus” pelas autoridades de saúde chinesas, a Moderna Inc. juntamente com o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), já havia “enviado candidatos de vacinas de mRNA contra coronavírus” para um investigador de laboratório na Universidade da Carolina do Norte, Chapel Hill. (ver Joseph Mercola , 10 de julho de 2021)

O que agora está se desenrolando na vida real com a crise da Covid-19 é (2020-2021) em algumas considerações “semelhante” ao exercício de Simulação 201 de outubro de 2019 no John Hopkins.

O cenário pretendido para 2020-2021 era como produzir milhões de aplicações de vacinas na presunção de que a pandemia se espalharia por todo o mundo, e para isso, você precisava dos “casos positivos” da Covid-19 aumentando cada vez mais.

Os conglomerados de vacinas patrocinados pela CEPI já haviam planejado seus investimentos bem antes da emergência mundial de saúde global (declarada pela OMS em 30 de janeiro de 2020):

Eu [Hachett] acho que parte da estratégia geral é ter um grande número de candidatos. [E] você deseja ter candidatos suficientes para que pelo menos alguns deles estejam se movendo rapidamente pelo processo.

E então, para cada candidato, você precisa se perguntar: como você produz isso? … [E] como você vai chegar a esse ponto de produção em uma escala significativa no contexto de uma doença que vai contagiar toda a sociedade? (Entrevista realizada por Helen Branswell, statsnews, 3 de fevereiro de 2020)

Moderna Inc

Moderna Inc, com sede em Seattle, foi um dos vários candidatos envolvidos e apoiados pela CEPI.

A Moderna anunciou no dia 24 de fevereiro o desenvolvimento de “uma vacina experimental de mRNA (mensageiro) para COVID-19, conhecida como mRNA-1273″. “O lote inicial da vacina já foi enviado para os pesquisadores do governo dos EUA do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID)” dirigido pelo Dr. Antony Fauci.

Enquanto a Moderna Inc inicialmente declarou que os primeiros ensaios clínicos iriam começar no final de abril, os testes envolvendo voluntários humanos começaram em meados de Março em Seattle: (tenha em mente que a pandemia foi lançada oficialmente em 11 de março)

Testes da vacina para coronavírus começam com voluntários em Seattle tomando a primeira dose

Pesquisadores em Seattle deram a primeira dose para a primeira pessoa em um teste de uma vacina experimental contra o coronavírus segunda-feira – liderando uma caça mundial para proteção mesmo com o aumento da pandemia. …

Alguns dos voluntários saudáveis cuidadosamente escolhidos para o estudo, com idades entre 18 e 55 anos, obterão dosagens mais altas do que outras para testar o quão forte as inoculações devem ser. Os cientistas vão verificar se há efeitos colaterais e tirar amostras de sangue para testar se a vacina está acelerando o sistema imunológico, procurando por pistas encorajadoras como encontrado anteriormente pelo NIH em camundongos vacinados.

“Não sabemos se esta vacina irá induzir uma resposta imunológica, ou se será segura. É por isso que estamos fazendo um teste”, enfatizou Jackson. “Não está na fase em que seria possível ou prudente dar à população em geral. ” (Notícias locais da FOX)

A vacina do Covid e a Plataforma de Identidade Digital ID2020

Enquanto o CEPI anunciava o lançamento de uma vacina global no Fórum Econômico Mundial em Davos, outro esforço importante e relacionado estava em andamento. É a chamada Agenda ID2020, que segundo Peter Koenig constitui “um programa de identificação eletrônica que usa vacinação generalizada como plataforma de identidade digital ”.

“O programa aproveita as operações de registro de nascimento e vacinação existentes para fornecer aos recém-nascidos uma identidade digital portátil e persistente biometricamente vinculada”. ( Peter Koenig, março de 2020)

Os sócios fundadores da ID2020 são a Microsoft, a Fundação Rockefeller e a Aliança Global para Vacinas e Imunização (GAVI) (uma iniciativa da Fundação Gates).

GAVI e seus parceiros (OMS, UNICEF, Banco Mundial, FMI) estão agora ativamente envolvidos na implementação (financiamento) do projeto global de vacinas intitulado COVAX.

As principais entidades envolvidas na coordenação da COVAX são a Aliança para Vacinas (GAVI), a Coalizão para Inovações em Preparação para Pandemias (CEPI) e a Organização Mundial da Saúde (OMS). Todas as três entidades recebem apoio financeiro da Fundação Bill e Melinda Gates.

Com uma pandemia que se espalha rapidamente, ninguém está a salvo, ao menos que todos estejam a salvo

Vale a pena observar o cronograma: A Aliança ID2020 realizou sua conferência em Nova York, intitulada “Se levantando para o bom desafio de ID”, em 19 de setembro 2019, exatamente um mês antes do exercício de simulação nCov-2019 intitulado Evento 201 no John Hopkins em Nova York:

É apenas uma coincidência que o ID2020 esteja sendo lançado no início do que a OMS chama de Pandemia? – Ou é necessária uma pandemia para ‘lançar’ os vários programas devastadores do ID2020? (Peter Koenig, março de 2020)

ID2020 é parte de um projeto de “Governança Mundial” que, se aplicado, criaria os esboços do que alguns analistas descreveram como um Estado Policial Global abrangendo, através da vacinação (microchip embutido), os detalhes pessoais de vários bilhões de pessoas em todo o mundo.

De acordo com o Dr. David Martin (citado por Makia Freeman):

“Isso não é uma vacina … usando o termo vacina para colocar essa coisa sob isenções de saúde pública … Este é um mRNA embalado em uma gordura envelope que é entregue em uma célula. É um dispositivo médico projetado para estimular a célula humana a se tornar um criador de patógenos. Não é um vacina! Vacinas, na verdade, são um termo legalmente definido … sob lei pública de saúde … sob os padrões do CDC e FDA, e uma vacina especificamente tem que estimular a imunidade dentro da pessoa que a recebe, mas também tem que interromper a transmissão.

No despertar do lockdown. A Segunda e Terceira Ondas

A Segunda Onda: A campanha de medo continua no despertar do confinamento. Um novo lockdown está se desenrolando (dezembro e janeiro) em vários países.

Será que as dificuldades da crise econômica e social (juntamente com uma campanha de medo) encoraja as pessoas a serem vacinadas?

Para implementar uma vacina global, a campanha de propaganda deve continuar.

A verdade deve ser suprimida. Estas são suas “diretrizes”, que devem ser confrontadas e desafiadas.

Vários governos (também conhecidos como políticos corruptos), incluindo os EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Canadá e Índia já deram sinal verde. Informações e análises sobre as características do vírus (semelhante à influenza sazonal) estão sendo suprimidas pela mídia.

Embora a hidroxicloroquina (HCQ) e a ivermectina tenham sido usadas para tratar pacientes na Europa e na América do Norte, a Big Pharma com o apoio dos governos pretende suprimir evidências de como o COVID-19 pode ser curado, sem a necessidade de vacina. (Ver Capítulo VI)

A Vacina do Covid e a “Imunidade de Rebanho”: Mudando as definições

A imunidade do rebanho é um conceito importante na medicina. De acordo com a Healthline:

“Acontece quando tantas pessoas em uma comunidade se tornam imunes a uma doença infecciosa que impede a propagação da doença.

Isso pode acontecer de duas maneiras:

1. Muitas pessoas contraem a doença e com o tempo desenvolvem uma resposta do sistema imunológico a ele (imunidade natural).

2. Muitas pessoas são vacinadas contra a doença para obter imunidade.

A imunidade de rebanho pode funcionar contra a propagação de algumas doenças. Existem várias razões pelas quais muitas vezes funciona.” (Veja Healthline)

A OMS redefiniu a imunidade de rebanho com o objetivo de apoiar a Iniciativa multibilionária de vacina do Covid:

Abaixo (à esquerda) está a definição oficial da OMS (junho de 2020). E em novembro (à direita) a OMS decidiu unilateralmente redefinir um conceito médico fundamental, focando exclusivamente no papel da vacinação na obtenção de imunidade de rebanho.

O que é imunidade de rebanho? (À esquerda)

(…) quando uma população se tonra imune através de vacinação ou desenvolve imunidade através de infecções prévias. (…)

O que é imunidade de rebanho? (À direita)

(…) é um conceito usado para vacinação (…) se um limite de vacinação é alcançado (…) A imunidade de rebanho é alcançada protegendo as pessoas de um vírus, não expondo-as a ele. (…)

Até onde sabemos, a definição revisada por pares de imunidade de rebanho não tem mudado.

A nova “definição” da OMS atende visivelmente aos interesses da Big Pharma.


 

Capítulo IX

Lembre-se do H1N1 de 2009

Pandemia de gripe suína

Lembre-se da “pandemia” de H1N1 de 2009 quando o Conselho de Consultores em Ciência e Tecnologia de Obama comparou a pandemia de H1N1 com a Pandemia de gripe espanhola de 1918, garantindo ao público que a última era mais mortal. (CBC: Prepare a vacina contra a gripe suína: consultores dos EUA).

Para obter mais detalhes, consulte Michel Chossudovsky, Estudo de agosto de 2009 sobre a pandemia de H1N1

Com base em dados incompletos e escassos, a Diretora Geral da OMS, Margaret Chan, previu com autoridade que: “até 2 bilhões de pessoas poderiam ser infectadas nos próximos dois anos – quase um terço do população mundial.” (Organização Mundial da Saúde, conforme relatado pelo Western Media, julho de 2009).

Foi uma bonança multibilionária para a Big Pharma apoiada pela Diretora geral da OMS, Margaret Chan.

OMS vê 4,9 bilhões de vacinas contra a gripe pandêmica como melhor cenário

Em uma declaração subsequente, a Dra. Chan confirmou que:

Os fabricantes de vacinas podem produzir 4,9 bilhões de vacinas contra a gripe pandêmica por ano na melhor das hipóteses”, (Margaret Chan, Diretora Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), citado pela Reuters, 21 de julho de 2009).

A gripe suína pode atingir até 40 por cento dos americanos nos próximos dois anos e até várias centenas de milhares poderiam morrer se um campanha de vacinação e outras medidas não tiverem sucesso.” (Declaração Oficial da Administração Obama, Associated Press, 24 de julho de 2009).

Não houve pandemia de H1N1 afetando 2 bilhões de pessoas. Milhões de doses da vacina contra a gripe suína foram encomendadas pelos governos nacionais da Big Pharma.

Milhões de doses de vacina foram posteriormente destruídas: uma bonança financeira para a Big Pharma, uma crise de gastos para os governos nacionais.

Não houve investigação sobre quem estava por trás desta fraude multibilionária. Vários críticos disseram que a pandemia de H1N1 era “falsa”

A Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa (PACE), um vigilante de direitos humanos, está investigando publicamente os motivos da OMS em declarar uma pandemia. Na verdade, o presidente de seu influente comitê de saúde, o epidemiologista Wolfgang Wodarg, declarou que a “falsa pandemia” é “um dos maiores escândalos de medicina do século.” (Michael Fomento, Forbes , 10 de fevereiro de 2010)

Michael Fomento conclui:

Ainda dentro da agência, o diretor do Centro Colaborador para epidemiologia da OMS em Munster, Alemanha, Dr. Ulrich Kiel, basicamente rotulou a pandemia como uma farsa. “Estamos testemunhando uma gigantesca má alocação de recursos [US $ 18 bilhões até agora] em termos de saúde pública”, disse ele.

Eles estão certos. Não se tratava apenas de excesso de cautela ou simples erro de julgamento. A declaração de pandemia e todo o toque de Klaxon desde então refletem pura desonestidade motivada não por preocupações médicas, mas políticas.

Inquestionavelmente, a gripe suína provou ser muito mais branda do que a gripe sazonal normal. Ela mata em um terço a um décimo menos, de acordo com os Centros para Estimativas de controle e prevenção de doenças dos EUA. Dados de outros países como França e Japão indicam que é muito mais manso do que isso.

O PACE prepara um relatório para a administração da pandemia de Gripe Suína

“As decisões em pandemias são tomadas apenas com as melhores evidências científicas?” Foi a pergunta feita na audiência pública de janeiro do comitie de assuntos sociais, de saúde e da família que analisou a administração da pandemia de H1N1. O chefe de gripe da OMS defendeu sua organização, dizendo que seus conselhos não foram impropriamente influenciados pela indústria farmacêutica. (…)

A vacina de H1N1 de 2009 causa danos cerebrais em crianças: a ArepanrixTD da GSK aplicada no Canadá

Em memória de uma menina chamada Amina Abudu

A pandemia de H1N1 da OMS foi declarada em 11 de junho de 2009. A GSK estava em contrato com o governo canadense. A vacina ArepandrixTM da GSK foi entregue às autoridades de saúde canadenses em menos de quatro meses.

“Como resultado, impressionantes 45% dos canadenses receberam proteção do Vírus H1N1 ao serem vacinados com a ArepanrixTM da GSK” de acordo com O Presidente-CEO da GSK, Paul Lucas, em uma declaração em 9 de outubro de 2009 para o Comitê Permanente do Senado do Canadá para Assuntos Sociais, Ciência e Tecnologia.

Em quatro meses? Isso dá a eles tempo para testar????

Muitas pessoas no Canadá adoeceram após receber a vacina de H1N1 ArepanrixTD.

E essa vacina matou uma menina chamada Amina Abudu, que então levou a uma ação judicial de dez anos contra a GSK.

Uma vacina foi levada às pressas para o mercado, e a criança de cinco anos estava entre milhões de Canadenses que iriam tomar a injeção, em meio a temores generalizados sobre o novo patógeno.

Cinco dias depois, o irmão mais velho de Amina a encontrou deitada inconsciente no banheiro da casa da família, no extremo leste de Toronto. Ela estava morta.

Seus pais, devastados, culparam a própria vacina contra a gripe e processaram o fabricante da vacina, Glaxo Smith Kline (GSK), por US $ 4,2 milhões. O pouco notado julgamento desse processo estava quase encerrado na terça-feira, um raro evento judicial transmitido no Canadá dos alegados efeitos colaterais de uma vacina.

A advogada dos pais, Jasmine Ghosn, alegou que a droga preventiva foi trazida rapidamente e sem testes adequados durante uma temporada de gripe caótica, já que o governo federal exerceu “intensa pressão” sobre os canadenses para obter a imunização. (National Post, novembro de 2019)

Em um raro julgamento de ditos efeitos colaterais da vacina, pais dizem que vacina da gripe H1N1 matou sua filha de 5 anos de idade.

Em 2009, governos sofreram grande pressão em arranjar uma vacina e aplicá-la largamente, mas ao mesmo tempo haviam preocupações sobre sua segurança

Captura de tela do National Post. Morte de menina canadense em 2009 (o relatório é datado como novembro de 2019)

Demorou dez anos para um julgamento. A família perdeu. A GSK recusou responsabilidade por sua morte. E o governo canadense reembolsou as despesas legais da GSK.

Esse processo contra a GSK deve ser reaberto. O governo do Canadá tem o peso da responsabilidade.

ArepanrixTD (2009) vs PandemrixTM (2009)

A GSK casualmente reconheceu que o ArepanrixTD que foi usado no Canadá é “semelhante” ao PandemrixTM da GSK aplicado no Reino Unido e na UE, o que levou a danos cerebrais em crianças. Posteriormente, ele foi retirado. Mas o ArepandrixTD aplicado no Canadá prevaleceu. Um ArepandrixTD (2010) foi posteriormente lançado no ano seguinte (e comparado com o PandemrixTD (2009))

A GSK reconhece que o PandemrixTD (2009) causa narcolepsia, que é categorizado como “um distúrbio neurológico crônico que afeta a capacidade do cérebro para controlar os ciclos de sono-vigília.”

A vacina COVID-19 é um Déjà Vu. Não vamos ser enganados novamente.

A pandemia de H1N1 de 2009 foi um “ensaio geral”

A “pandemia” COVID-19 é muito mais séria e diabólica do que a do H1N1 de 2009. Podemos confiar na Organização Mundial da Saúde (OMS) e nos poderosos grupos de interesses econômicos por trás disso?

Podemos confiar nos principais atores por trás do projeto de vacinação global multibilionário?

O Dr. Wolfgang Wodarg, que revelou a fraude por trás do H1N1, está ativamente envolvido junto com o Dr. Michael Yeadon na campanha contra a Vacina para o covid19.

Encontro Secreto de Bilionários no Auge da Pandemia de H1N1

Em 25 de abril, a Organização Mundial da Saúde (OMS) chefiada por Margaret Chan declarou uma Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional (PHEIC). Poucas semanas depois, os filantropos bilionários se encontraram atrás de portas fechadas na casa do presidente da Universidade Rockefeller em Manhattan.

Este encontro secreto foi patrocinado por Bill Gates. Eles se autodenominaram “The Good Club”.

Entre os participantes estavam o falecido David Rockefeller, Warren Buffett, George Soros, Michael Bloomberg, Ted Turner, Oprah Winfrey e muitos mais:

“Alguns dos principais bilionários da América se reuniram secretamente para considerar como sua riqueza poderia ser usada para desacelerar o crescimento da população mundial e acelerar melhorias na saúde e na educação.” (Sunday Times, maio 2009)

A ênfase não estava no crescimento populacional (ou seja, Paternidade Planejada), mas em “Despopulação”, ou seja, a redução do tamanho absoluto da população mundial.

Bilionários tentam diminuir a população global, diz relatório

De acordo com o relatório do Sunday Times:

Os filantropos que participaram de uma cúpula convocada por iniciativa de Bill Gates, o cofundador da Microsoft, discutiu a união de forças para superar obstáculos políticos e religiosos à mudança.

Stacy Palmer, editora do Chronicle of Philanthropy, disse que a cúpula foi sem precedentes. “Só ficamos sabendo depois, por acaso. Normalmente essas pessoas ficam felizes em falar de boas causas, mas isso é diferente – talvez porque eles não querem ser vistos como uma cabala global”, disse ele.

Outro convidado disse que não havia “nada tão bruto quanto um voto”, mas um consenso emergiu que eles apoiariam uma estratégia em que o crescimento populacional seria tratado como uma situação ambiental, social e potencialmente desastrosa ameaça industrial.

“Isso é algo tão apavorante que todos neste grupo concordaram que precisa de respostas inteligentes”, disse o convidado. …

Por que todo o sigilo? “Eles queriam falar de ricos para ricos sem se preocupar que qualquer coisa que dissessem acabaria nos jornais, pintando-os como um governo mundial alternativo”, disse ele. (Sunday Times)

Déjà Vu: Neil Ferguson

Também é importante notar que logo no início da crise do H1N1 em abril de 2009, O professor Neil Ferguson do Imperial College de Londres estava aconselhando Bill Gates e a OMS:

“40 por cento das pessoas no Reino Unido podem estar infectadas [com o H1N1] dentro do próximos seis meses, se o país for atingido por uma pandemia ”.

Era o mesmo Niel Ferguson (generosamente apoiado pela Fundação Gates) que projetou o Modelo de Lockdown de coronavírus (lançado em 11 de março de 2020). Como lembramos, aquele modelo matemático de março de 2020 foi com base em “previsões” de 600.000 mortes.

E agora (verão de 2021) um terceiro “modelo matemático” feito pelo mesmo “cientista” (Ferguson) que está sendo usado para justificar um “Lockdown da Quarta Onda”.

Despovoamento

Foi uma “redução” absoluta na população mundial contemplada naquela reunião secreta de maio de 2009? Poucos meses depois, Bill Gates em sua apresentação do TED (fevereiro de 2010) relativa à vacinação, confirmou o seguinte:

“E se fizermos um trabalho realmente bom em novas vacinas, cuidados de saúde, serviços de saúde reprodutivos, poderíamos reduzir isso [a população mundial] em 10 ou 15 por cento.”

De acordo com a declaração de Gates, isso representaria uma redução absoluta da população mundial (2009) da ordem de 680 milhões a 1,02 bilhão.

(Veja a citação no vídeo a partir de 04:21. Veja também a captura de tela da Transcrição de cotação)

TED Talk aos 04:21:

Primeiramente, temos a população. O mundo hoje tem 6,8 bilhões de pessoas. E está caminhando para 9 bilhões. Agora, se nós fizermos um ótimo trabalho com novas vacinas, cuidados de saúde, serviços de saúde reprodutivos, poderíamos reduzir isso em 10 ou 15 por cento. Mas aqui, nós vemos um aumento de cerca de 1,3.

“The Good Club” antes e agora

O mesmo grupo de bilionários que se reuniu no local secreto de maio de 2009, esteve ativamente envolvido desde o início da crise da Covid na concepção do políticas de lockdown aplicadas em todo o mundo, a vacina de mRNA e o “Great Reset”.

A vacina de mRNA não é um projeto de um órgão intergovernamental da ONU (OMS) em nome dos estados membros da ONU: É uma iniciativa privada. As elites bilionárias que financiam e aplicam o Projeto da Vacina no mundo inteiro são Eugenistas comprometidos com o despovoamento.

Resumo

Esse é um documento guia para países e parceiros de implementação dos requisitos técnicos para o desenvolvimento de sistemas de informação digital para a emissão de certificados digitais interoperáveis baseados em padrões para o status de vacinação do COVID-19, e considerações para a implementação destes sistemas, com o propósito de continuidade de cuidado e prova de vacinação.


 

Capítulo X

O vírus foi identificado?

O SARS-CoV-2 foi isolado?

Introdução

A questão controversa é a seguinte: há evidências confiáveis fornecidas pela OMS e as autoridades nacionais de saúde que o alegado vírus SARS-CoV-2 foi isolado/purificado de uma “amostra não adulterada retirada de um paciente doente”?

Embora o vírus tenha sido definido inicialmente como o novo coronavírus de 2019 (2019-nCoV) em janeiro de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) não tinha em sua posse detalhes relativos ao isolamento/purificação e identidade do 2019-nCoV.

E porque os detalhes relativos ao isolamento/purificação não estavam disponíveis, a OMS decidiu “customizar” o teste de reação em cadeia da polimerase de transcrição reversa em tempo real (rRT-PCR) usando o suposto vírus SARS de 2003 “semelhante” (posteriormente renomeado SARS-1) como “um ponto de referência” para a detecção de fragmentos genéticos do novo 2019-ncov. (Ver Capítulo III).

O que esta decisão implica é que o novo 2019-CoV-2 NÃO é um vírus novo. Isto foi categorizado pelas autoridades chinesas e pela OMS como “semelhante” ao SARS-CoV de 2003, bem como para o MERS. O SARS-CoV de 2003 foi subsequentemente renomeado SARS-CoV-1.

História: Isolamento e Purificação do Vírus

Autoridades de saúde chinesas

Conforme descrito na linha do tempo (Capítulo II), as autoridades chinesas anunciaram em 7 de janeiro de 2020 que “um novo tipo de vírus” foi identificado “semelhante ao associado com SARS e MERS ”. O relatório abaixo (que não é de fontes originais do governo chinês), descreve a metodologia da China do seguinte modo:

Coletamos e analisamos prospectivamente dados de pacientes com infecção confirmada em laboratório de 2019-nCoV por RT-PCR em tempo real e sequenciamento de última geração.

Os dados foram obtidos com formulários padronizados de coleta de dados compartilhados pela OMS e o Consórcio Internacional de Infecção Respiratória Aguda e Emergente em prontuários eletrônicos. (ênfase adicionada)

O seguinte artigo, intitulado “Um novo coronavírus associado a doença respiratória em humanos na China”, (Nature, 3 de fevereiro de 2021) estava entre os primeiros a relatar sobre o novo coronavírus da China:

… [Nós] coletamos fluido de lavagem broncoalveolar (BALF) e realizamos um sequenciamento meta-transcriptômico profundo. A amostra clínica foi tratada em um Laboratório de nível 3 de biossegurança no Centro Clínico de Saúde Pública de Xangai. O RNA total foi extraído de 200 µl de BALF e uma biblioteca meta-transcriptômica foi construída para sequenciamento de pares (leituras de 150 bp) usando um Illumina MiniSeq conforme descrito anteriormente 4,6,7,8. .

No total, geramos 56.565.928 leituras de sequência que foram novamente montadas e selecionadas para potenciais agentes etiológicos. …

A sequência do genoma deste vírus, bem como seus terminais, foram determinados e confirmados por PCR de transcrição reversa (RT-PCR) e 5′/3′ amplificações rápidas de extremidades de cDNA (RACE), respectivamente. Esta cepa de vírus era designado como coronavírus WH-Human 1 (WHCV) (e também foi referido como ‘2019-nCoV’) e toda a sua sequência do genoma (29.903 nt) recebeu o número de acesso do GenBank MN908947. .

A organização do genoma viral do WHCV foi determinada pelo alinhamento em sequência de dois membros representativos do gênero Betacoronavírus: um coronavírus associado a humanos (SARS-CoV Tor2, número de acesso GenBank AY274119) [2003] e um coronavírus associado a morcegos (morcego SL-CoVZC45, número de acesso GenBank MG772933) (Nature , 3 de fevereiro de 2020, ênfase adicionada).

Não está claro pelas citações acima, bem como pelos documentos consultados, se as autoridades de saúde chinesas realizaram um isolamento/purificação da amostra de um paciente. O que deve estar bem claro é o teste de PCR que revela uma sequência do genoma não pode ser usado para identificar o vírus 2019-nCoV.

Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC)

Após o anúncio chinês em 28 de janeiro de 2020, os Centro dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) afirmou que o novo vírus corona foi isolado. A declaração do CDC datada de 28 de janeiro de 2020 (atualizado em dezembro de 2020) é inequívoco:

SARS-CoV-2, o vírus que causa COVID-19, foi isolado no laboratório e está disponível para pesquisa pela comunidade científica e médica.

Linha do tempo:

  • Em 20 de janeiro de 2020, o CDC recebeu uma amostra clínica coletada do primeiro paciente norte-americano infectado com SARS-CoV-2 relatado. O CDC imediatamente colocou a amostra em cultura de células para cultivar uma quantidade suficiente de vírus para estudo.
  • Em 2 de fevereiro de 2020, o CDC gerou SARS-CoV-2 suficiente, cultivado em cultura de células para distribuição a pesquisadores médicos e científicos.
  • Em 4 de fevereiro de 2020, o CDC enviou o SARS-CoV-2 para o Repositório de Recursos do BEI.
  • Um artigo discutindo o isolamento e caracterização da amostra deste vírus está disponível em Doenças Infecciosas Emergentes.

Uma maneira importante que o CDC tem apoiado os esforços globais para estudar e aprender sobre o SARS-CoV-2 em laboratório foi cultivando o vírus em cultura de células e garantindo que estava amplamente disponível. Pesquisadores na área científica e comunidade médica podem usar o vírus obtido a partir deste trabalho em seus estudos.

As cepas SARS-CoV-2 fornecidas pelo CDC e outros pesquisadores podem ser solicitadas, gratuitamente, ao Biodefense and Emerging Infections Research (BEI) ícone externo do repositório de recursos por instituições estabelecidas que atendem aos requisitos BEI. Esses requisitos incluem a manutenção de instalações adequadas e programas de segurança, bem como ter a experiência adequada. O BEI fornece organismos e reagentes para a mais ampla comunidade de microbiologia e pesquisadores de doenças infecciosas. (ênfase adicionada).

Veja a imagem abaixo:

Linha do tempo apresentada anteriormente

Veja também o estudo relacionado que foi postado no site do CDC.

O CDC reconhece que o SARS-CoV-2 não foi isolado.

O documento oficial do CDC, (datado de 21 de julho de 2021) intitulado “CDC 2019-Novo Coronavírus (2019-nCoV) O painel de diagnóstico RT-PCR em tempo real” é o seguinte:

Uma vez que nenhum vírus isolado quantificado do 2019-nCoV estava disponível para uso do CDC na época em que o teste foi desenvolvido [janeiro de 2020] e este estudo conduzido, ensaios projetados para detecção do RNA do 2019-nCoV foram testados com estoques caracterizados de RNA de comprimento total transcrito in vitro (Gene N; acesso GenBank: MN908947.2) de título conhecido (cópias de RNA/µL) adicionado a um diluente que consiste em uma suspensão de células A549 humanas e meio de transporte viral (VTM) para imitar a amostra clínica. (ênfase adicionada, página 40)

Compare a declaração acima com o conselho do CDC de 28 de janeiro de 2020 confirmando o isolamento de SARS-CoV-2:

Em 20 de janeiro de 2020, o CDC recebeu uma amostra clínica coletada do primeiro paciente norte-americano infectado com SARS-CoV-2 relatado. O CDC imediatamente colocou a amostra em cultura de células para cultivar uma quantidade suficiente de vírus para estudo.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) não fez o isolamento/purificação de uma amostra

A partir dos documentos citados abaixo, as autoridades chinesas não forneceram à OMS uma amostra de SARS-CoV-2 isolado/purificado.

E porque os detalhes sobre o isolamento não estavam disponíveis, a OMS decidiu “customizar” seu teste de reação em cadeia de polimerase de transcrição reversa em tempo real (rRT-PCR) usando um conhecido isolado do “semelhante” SARS coronavírus de 2003 (posteriormente renomeado SARS-CoV-1) como “um ponto de referência” (ou representante) para a detecção de fragmentos genéticos do SARS-CoV-2 de 2019. Para obter mais detalhes, consulte o Capítulo III.

A OMS procurou o conselho de Victor M. Corman, Christian Drosten e outros do Instituto de Virologia de Berlim no Hospital Charité. O estudo intitulado “Detecção do novo coronavírus de 2019 (2019-nCoV) por RT-PCR em tempo real”) foi posteriormente submetido à OMS.

Enquanto o estudo de Corman, Drosten e outros confirmou que “várias sequências de genomas virais foram liberadas”, no caso de 2019-nCoV, “isolados de vírus ou amostras de pacientes infectados não estavam disponíveis …”

As recomendações para a OMS foram as seguintes:

“As sequências do genoma sugerem a presença de um vírus intimamente relacionado aos membros de uma espécie viral denominada síndrome respiratória aguda grave (SARS) relacionada ao CoV, uma espécie definida pelo agente do surto de SARS de 2002/03 em humanos.

Reportamos sobre o estabelecimento e validação de um fluxo de trabalho de diagnóstico para rastreamento de 2019-nCoV e confirmação específica [usando o teste RT-PCR], projetado na ausência de isolados de vírus disponíveis ou amostras originais de pacientes. O design e a validação foram habilitados pela próxima relação genética com o SARS-CoV de 2003, e auxiliado pelo uso de tecnologia de ácido nucléico sintético.” (Eurosurveillance, 23 de janeiro de 2020, ênfase adicionada).

O que esta afirmação ousada sugere é que o isolamento/purificação do 2019-nCoV não era necessário e que a “validação” seria habilitada pela “próxima relação genética com o 2003-SARS-CoV.”

As recomendações do estudo Corman-Drosten (apoiado e financiado pela Fundação Gates) referente ao uso do teste RT-PCR aplicado a 2019-nCoV foram então firmemente endossados pelo Diretor Geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom. (Para obter mais detalhes, consulte o Capítulo III).

Solicitações de liberdade de informação: Nenhum registro de Purificação/Isolamento do SARS-CoV-2

Um importante e detalhado projeto investigativo em andamento por Christine Massey, M.Sc. forneceu documentação detalhada com base nas solicitações de Liberdade de Informação (FOI) dirigidas a noventa instituições de saúde/ciências em um grande número de países.

As respostas a essas solicitações confirmam que não há registro de isolamento/purificação do SARS-CoV-2 “realizado por qualquer pessoa, em qualquer lugar, sempre.”

“As 90 instituições de saúde/ciência que responderam até agora forneceram e/ou citaram, no total, zero registros:

Nossas solicitações [em “liberdade de informação”] não se limitaram a registros de isolamento realizados pela respectiva instituição, ou limitados a registros de autoria da respectiva instituição, em vez disso, estavam abertos a quaisquer registros que estivessem descrevendo o isolamento/purificação do “vírus COVID-19” (também conhecido como “SARS-COV-2”) realizado por qualquer pessoa, em qualquer lugar do planeta. ”

Caros Ministros da Saúde,

Estou escrevendo para vocês por conselho do Departamento de Saúde Australiano (o Departamento) para buscar explicação sobre a informação requisitada na solicitação de Liberdade da Informação (FOI) que foi enviada ao Departamento.

A resposta inicial do Departamento em 24 de agosto de 2020 (em anexo: “Resposta inicial ao FOI 1937”), relata: “Para obter a informação que você está procurando, por favor direcione seus pedidos aos vários Departamentos de Saúde estaduais e territoriais”.

Depois dessa correspondência entre o autor do FOI e o Departamento, uma resposta mais formal foi dada (em anexo: “FOI 1937”), mesmo assim o resultado foi o mesmo.

Portanto, eu estou escrevendo a vocês por conselho do Departamento de Saúde para confirmar se vocês tem a informação solicitada no pedido original ao Departamento, como mostrado no anexo “FOI 1937” e colado novamente abaixo: “Todos os registros em posse, custódia ou controle do Departamento de Saúde descrevendo o isolamento do vírus SARS-COV-2, diretamente de uma amostra retirada de um paciente enfermo, onde a amostra do paciente não tenha sido combinada com nenhuma outra fonte de material genético (por exemplo: células de rins de macacos, conhecidas como células cero; células de pulmão de um paciente com câncer no pulmão). Por favor, veja que eu estou usando “isolamento” no senso comum da palavra: o ato de separar uma coisa(s) de todo o resto. Eu não estou pedindo registros onde “o isolamento de SARS-COV-2” se refira na verdade a:

  • a cultura de algo.
  • ou a performance de um teste de amplificação (por exemplo um teste PCR).
  • ou o sequenciamento de algo.

Por favor, veja que minha solicitação não está limitada a registros que foram feitos pelo Departamento de Saúde ou que pertencem a trabalhos feitos pelo Departamento de Saúde. Minha solicitação inclui qualquer tipo de registro, por exemplo (mas não limitado a) qualquer publicação de estudo revisado por pares que o Departamento de Saúde baixou ou imprimiu.”

Espero por sua resposta.

Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC)

O CDC foi contatado pelo autor do relatório.

Em 2 de novembro de 2020.

O CDC admitiu que não há registros de isolamento/purificação real por qualquer pessoa, em qualquer lugar, sempre, por qualquer método”:

Essa carta é em resposta ao seu pedido pela Lei de Liberdade da Informação (FOIA) ao Centro para Controle e Prevenção de Doença e Agência para Substâncias Tóxicas e Registro de Doenças (CDC/ATSDR) em 9 de agosto de 2020, por “Todos os registros em posse, custódia ou controle do Centro de Controle de Doenças (CDC) descrevendo o isolamento do vírus SARS-COV-2 diretamente de uma amostra retirada de um paciente enfermo, onde a amostra do paciente não foi combinada com nenhuma outra fonte de material genético (por exemplo: células de rins de macacos, conhecidas como células cero; células de pulmão de um paciente com câncer no pulmão).

Por favor, veja que eu estou usando “isolamento” no senso comum da palavra: o ato de separar uma coisa(s) de todo o resto. Eu não estou pedindo registros onde “o isolamento de SARS-COV-2” se refira na verdade a:

  • a cultura de algo.
  • ou a performance de um teste de amplificação (por exemplo um teste PCR).
  • ou o sequenciamento de algo.

Por favor, veja que minha solicitação não está limitada a registros que foram feitos pelo CDC ou que pertencem a trabalhos feitos pelo CDC. Minha solicitação inclui qualquer tipo de registro, por exemplo (mas não limitado a) qualquer publicação de estudo revisado por pares que o CDC baixou ou imprimiu.”

Se qualquer registro estiver de acordo com a descrição dos registros solicitados e estejam disponíveis ao público em outro lugar, por favor, forneça informação o suficiente sobre cada registro para que eu possa identificar e acessar cada registro com certeza (por exemplo: título, autor(es), data, revista, onde o público pode acessá-los).”

Uma busca em nossos registros não encontrou nenhum documento pertecente à sua solicitação. (…)

1 ° de março de 2021:

O CDC novamente deixou claro que ainda não há registros de isolamento do “SARS-COV-2” realizado por qualquer pessoa, em qualquer lugar do planeta, nunca … mas não por muitas palavras. Em vez disso, o CDC deixou absurdamente implícito que o isolamento/purificação de “SARS-COV-2” exigiria a replicação de um “vírus” sem células hospedeiras e, portanto, é impossível. (A solicitação não teve nada a ver com replicação.)

https://www.fluoridefreepeel.ca/wp-content/uploads/2021/03/CDC-March-1-
2021-SARS-COV-2-Isolation-Response-Redacted.pdf

 

3 de março de 2021:

O CDC novamente falhou em fornecer/citar quaisquer registros que descrevam o isolamento/purificação de “SARS-COV-2” por qualquer pessoa em qualquer lugar … mas não diriam simplesmente dessa forma (como fizeram em 2 de novembro); em vez disso, eles desviaram do assunto citando o estudo de Harcourt et al. que é o mesmo postado no website do CDC:

Resultados conclusivos da investigação baseada nas solicitações de liberdade da informação

O que este relatório incisivo e detalhado de Christine Massey confirma é que:

Cada instituição falhou em fornecer nem mesmo um registro descrevendo o isolamento ou purificação de qualquer “vírus COVID-19” de uma amostra tirada diretamente de um paciente que não foi primeiro adulterada com outras fontes de material genético. (Essas outras fontes são tipicamente rim de macaco, também conhecido como células “Vero” e células fetais de soro bovino).

Resposta do Public Health England

Resposta
O PHE pode confirmar que não possui informação na forma sugerida por sua solicitação.

Conclui-se do estudo detalhado acima que não há evidências de que o vírus SARS-CoV-2 foi isolado/purificado da amostra de um paciente, como evidenciado pelas respostas “sob liberdade de informação” (FOI) de cerca de 90 instituições de saúde/ciências em todo o mundo.

Para obter mais detalhes, consulte os seguintes relatórios de Christine Massey:

Solicitações de liberdade de informação: instituições de saúde/ciências do mundo todo “não possuem registro” de isolamento/purificação do SARS-COV-2, 04 de agosto de 2021

90 instituições de saúde/ciência em todo o mundo, todas falharam em citar um único registro de purificação do “SARS-COV-2”, por qualquer pessoa, em qualquer lugar, desde sempre, em 04 de agosto de 2021

O SARS-CoV-2 não foi isolado. O vírus existe?

Nem as autoridades chinesas nem o CDC, a OMS, governos nacionais, autoridades científicas/de saúde forneceram evidências de que O SARS-CoV-2 foi isolado/purificado.

O que isso significa é que toda a narrativa do covid cai por terra.

Não há pandemia. O isolamento/purificação do vírus não foi feito. Todas as políticas adotadas por governos em todo o mundo supostamente para “salvar vidas” são ilegais, socialmente destrutivos e violam princípios fundamentais dos direitos humanos.

Mortalidade e morbidade: Embora não exista “nenhum vírus assassino”, há uma “vacina assassina”.

Enquanto o vírus SARS-CoV-2 é apresentado pela mídia e pelos governos como um “vírus assassino” (quando na verdade a OMS e o CDC o descrevem como “semelhante a influenza sazonal”), uma vacina Covid-19 totalmente inválida e disfuncional está atualmente sendo imposta a toda a população do planeta Terra: 7,9 bilhões de pessoas.

Questão importante

Como a Big Pharma conseguiu desenvolver uma vacina (patrocinada pela OMS, GAVI, a Fundação Gates, e outros) com o mandato de “proteger as pessoas” contra um novo vírus que não foi isolado/purificado de uma “amostra não adulterada retirada de um paciente doente”?

Vacina em relação a quê? O vírus não foi identificado.

O SARS-CoV-2 de 2019 foi categorizado pela OMS como semelhante ao SARS-CoV de 2003 (ver Capítulo III), o que significa que o SARS-CoV-2 de 2019 não é um novo vírus. A cepa original de SARS-CoV-2 não foi isolada/purificada.

As variantes

Como alguém pode detectar as “variantes mortais” do vírus original (usando o teste PCR) quando o novo vírus de 2019 foi isolado? Ou é a “detecção” das variantes mortais em relação ao SARS-CoV de 2003 de 18 anos que são usadas como um “representante” do novo vírus de 2019 na configuração do PCR?

A legitimidade do projeto de vacina do Covid depende da validade de centenas de milhares de casos positivos falsos de RT-PCR em todo o mundo combinados com dados falsos de mortalidade relacionados à Covid. O teste de PCR foi confirmado pela OMS como sendo totalmente inválido (Ver Apêndice do Capítulo III).

***

Nota do autor. Continuo em dívida com Christine Massey por sua extensa pesquisa e investigação sobre a questão do isolamento/purificação.


 

Capítulo XI

Liberdade de expressão

Categorizando o movimento de protesto como “Anti-Social”

Está em curso um processo diabólico que consiste em “identificar” todos aqueles que se opõem à gestão governamental da pandemia do coronavírus. De acordo com estudos psicológicos em andamento, esses oponentes são categorizados como “psicopatas anti-sociais”.

O objetivo tácito é evitar o surgimento de um movimento de protesto organizado relativo à engenharia social e a decisão tomada em todo o mundo a nível político para fechar as economias nacionais de mais de 190 países membros das Nações Unidas.

Protestar contra a “verdade oficial”, criticar diretrizes governamentais, expressar ressalvas quanto ao fechamento da economia global, o distanciamento social e o uso da máscara facial, e você será marcado (de acordo com a “opinião científica”) como um “psicopata insensível e enganador”.

Observação: este capítulo foi elaborado antes do lançamento da vacina do Covid-19 em dezembro de 2020

Psicologia: Estudos Empíricos

“Estudos” psicológicos revisados por pares foram realizados em vários países usando pesquisas de amostra.

Aceite a “narrativa oficial” e você será marcado como uma “boa pessoa” com “empatia” que entende os sentimentos dos outros.

Um chamado “relatório empírico” revisado por pares descreve aqueles que se recusam a usar a máscara facial ou respeitar o distanciamento social como tendo “transtornos de personalidade anti-social”.

Aqueles que “não aderem às medidas para prevenir a propagação da COVID-19” são marcados como “anti-sociais”.

Os achados do estudo brasileiro envolvendo uma “amostra” de 1578 adultos foi publicado na revista Personality and Individual Differences. sob o título:

Pandemia de COVID-19 ao longo do tempo: os traços anti-sociais são importantes?

Conformidade com as medidas de contenção da pandemia de COVID-19 ao longo do tempo: os traços anti-sociais importam?

Destaques

  • Primeiro relatório empírico de descobertas de um país da América Latina em traços anti-sociais associadas à aceitação das medidas de contenção.
  • Baixos níveis de empatia e altos níveis de insensibilidade, desonestidade e assunção de riscos são associados com menos aceitação das medidas de contenção.
  • O aumento de casos de COVID-19 no país não estão associados à aderência das pessoas às medidas de contenção.

“Empatia” versus “Traços anti-sociais”

A “metodologia” estatística deste estudo é direta. É feita na intenção de servir de modelo.

Consiste em categorizar uma chamada amostra de adultos de todas as grandes regiões do Brasil em dois grupos distintos. Ela examina:

“… as relações entre traços anti-sociais e conformidade com Medidas de contenção COVID-19. A amostra foi composta por 1578 brasileiros adultos de 18 a 73 anos … e um questionário sobre a conformidade com as medidas de contenção.

As análises de perfil latente indicaram uma solução de 2 perfis: “o perfil de padrão anti-social que apresentou pontuações mais altas em Insensibilidade, Desonestidade, Hostilidade, Impulsividade, Irresponsabilidade, Manipulação e Assunção de riscos, bem como menores pontuações em ressonância afetiva”;

e “o perfil de padrão de empatia que apresentou pontuações mais altas em Ressonância afetiva … ”

Os grupos anti-social e de empatia mostraram diferenças significativas. … Nossos resultados indicaram que traços anti-sociais, especialmente níveis mais baixos de empatia e níveis mais elevados de insensibilidade, desonestidade e assunção de riscos, estão diretamente associados a menor conformidade com a contenção medidas. Essas características explicam, pelo menos parcialmente, a razão pela qual as pessoas continuam não aderindo às medidas de contenção mesmo com o aumento número de casos e mortes. (ênfase adicionada)

A metodologia de pesquisa é construída em torno de 3 questões principais:

  • “Você acha que é necessário evitar abordar as pessoas tanto quanto possível até que a situação do coronavírus seja controlada? ” (distanciamento social),
  • “Você acha que é necessário lavar as mãos e/ou usar álcool gel quantas vezes por dia até que a situação do coronavírus seja controlada? ” (higiene),
  • “Você acha que é necessário usar máscara (que protege o nariz e boca) no Brasil?” (máscara facial).

Categorização Sim/Não

Responda Sim a estas três perguntas: você está classificado como tendo “Empatia” (ou seja, a capacidade de compreender e compartilhar os sentimentos dos outros).

Responda Não a todas as três perguntas: você está classificado (de acordo com o estudo) como tendo “níveis mais elevados de Insensibilidade, Desonestidade, Hostilidade, Impulsividade, Irresponsabilidade, Manipulação e Assunção de Riscos” (conforme citado acima).

Tudo parece muito científico. O objetivo implícito desses estudos psicológicos é fornecer aos governos um mandato para intimidar, bem como para forçar conformidade, enquanto difama os supostos psicopatas que se recusam a se conformar com a narrativa oficial, que é uma mentira absoluta.

“A Tríade Negra” e “Narcisismo Coletivo”

De acordo com Eric W. Dolan (PsyPost), o estudo acima consistiu em identificar “uma medida de traços de personalidade inadequados…”. Dolan também refere-se a um estudo relacionado com foco em: “a “Tríade Negra” do narcisismo, psicopatia e maquiavelismo associado a ignorar as medidas preventivas do COVID-19”.

O estudo realizado na Polônia intitula-se:

“Comportamento adaptativo e desadaptativo durante a pandemia de COVID-19: Os papéis dos traços da Tríade Negra, narcisismo coletivo e crenças na saúde”

O estudo refere-se à prática do “narcisismo coletivo”, nomeadamente uma crença comum e prática por um assim chamado ‘In-Group” (também conhecido como movimento de protesto, coletivo de médicos dissidentes, cientistas) dirigido contra a “verdade” oficial do coronavírus (também conhecida como a Grande Mentira). Narcisismo coletivo é embutido no que os psicólogos chamam de Tríade Negra.

O estudo é baseado em “uma amostra nacionalmente representativa da Polônia (N = 755)”. Ele examina: “as relações entre os traços da Tríade Negra (ou seja, psicopatia, maquiavelismo e narcisismo) e narcisismo coletivo (ou seja, agente e comunitário) … Participantes caracterizados pelos traços da Tríade Negra envolvem-se menos na prevenção … ”

“Os resultados apontam para a utilidade das crenças de saúde na previsão de comportamentos durante a pandemia, explicando (pelo menos em parte) comportamentos problemáticos associados com as personalidades negras (ou seja, Tríade Negra, narcisismo coletivo). …

Os traços, como a Tríade Negra (ou seja, narcisismo, maquiavelismo, psicopatia) e narcisismo coletivo … podem ter implicações em como o indivíduo lida com o vírus … Por exemplo, indivíduos caracterizados pelas características da Tríade Negra podem ser menos propensos a seguir as restrições impostas pelo governo relacionadas ao COVID-19.

O termo “agente” citado acima refere-se a “realização de meta”.

E aqui está a metodologia

“Medimos os traços da Tríade Negra (Onda 2) … [também com referência] à Escala Dark Triad Dirty Dozen (Jonason & Webster, 2010). A escala consiste em quatro itens que avaliam as diferenças individuais em psicopatia (por exemplo, “Tenho tendência a não ter remorso”), narcisismo (por exemplo, “Tenho tendência a procurar prestígio ou status”), e maquiavelismo (por exemplo, “Eu tendo a manipular os outros para obter o meu caminho”). Os participantes indicaram sua concordância com cada item (1 = discordo totalmente, 5 = concordo totalmente ). Calculamos a média das respostas para criar índices de cada característica.”

Parece científico. Quais são as conclusões?

“Nós avançamos no escopo do modelo ilustrando a relevância do traços de personalidade negra na previsão de comportamentos adaptativos e desadaptativos em resposta à pandemia focada na pessoa (ou seja, os traços da Tríade Negra) e traços de personalidade focados em grupo (ou seja, narcisismo coletivo).” (ênfase adicionada)

A Dark Triad Dirty Dozen (DTDD) consiste em um “inventório de personalidade” mais amplo que avalia e mede os três componentes da personalidade da Tríade Negra. (veja a imagem à direita)

Em essência, o que este “relatório científico” confirma é que as pessoas que questionam a narrativa oficial do covid-19 tem “desordens de personalidade malévolas”. Diz-se que sofrem das Dirty Dozen “Dark Triad Traits” (DTDD).

Quando eles agem de forma contínua dentro de um movimento In-Group ou de protesto (por exemplo The August Mass Rally em Berlim), eles são marcados como aplicadores de “narcisismo coletivo”.

A estrutura do estudo acima também está prevista para outros países em parceria (com o grupo de Varsóvia). Outro estudo relacionado é intitulado: “Quem cumpre as restrições para reduzir a propagação de COVID-19?: Personalidade e percepções da situação COVID-19”

Palavras fortes. “Revisado por pares”?

A psicologia está sendo usada de forma nociva para fornecer legitimidade a um Estado Policial com mandato de “ir atrás” daqueles que supostamente têm “transtornos de personalidade malévola” da Tríade Negra.

É uma doutrina inquisitorial, que poderia eventualmente evoluir para uma caça às bruxas digital, muito mais sofisticada que a “Inquisição Espanhola”.

Em contraste com a Inquisição Espanhola, o sistema inquisitorial contemporâneo tem capacidades quase ilimitadas de espionar e categorizar indivíduos.

Pessoas são marcadas e rotuladas, seus e-mails, telefones celulares são monitorados, dados pessoais detalhados são inseridos em bancos de dados gigantes do Big Brother. Uma vez que a catalogação digital for concluída, as pessoas estarão trancadas em compartimentos impermeáveis. Seus perfis são estabelecidos e inseridos em um sistema informatizado.

A aplicação da lei é sistemática. A caça às bruxas não é dirigida apenas contra presumidos “terroristas” por meio de perfis étnicos, etc., os vários direitos humanos, ação afirmativa, coortes anti-guerra, são eles próprios o objeto da legislação anti-terrorista e assim por diante.

Não é preciso dizer que a conversão ou retratação por hereges anti-guerra não é permitida.

Enquanto isso, os criminosos de guerra ocupam posições de autoridade. Os cidadãos são galvanizados em apoio aos governantes, “comprometidos com sua segurança e bem-estar”, “que estão indo atrás dos bandidos.” (Michel Chossudovsky, The Spanish Inquisition, “Made in America”, Global Research, dezembro de 2004)

Francisco Goya: A Inquisição Espanhola (1812-1819) Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, Madrid

Os bilionários estão mentalmente perturbados?

Esses estudos empíricos de psicologia devem ser usados contra cidadãos que se opõem às instruções de seus respectivos governos. Por sua vez esses governos obedecem a ordens superiores.

Enquanto os cidadãos comuns são marcados, o que é cada vez mais óbvio é que o bilionários, “filantropos”, políticos corruptos e outros, que são os não-falados arquitetos do bloqueio econômico global são psicopatas por conta própria.

Embora seus traços de personalidade não sejam o motivo de investigação científica, os bilionários corruptos que estão por trás do lockdown do corona e do fechamento da economia global são mentalmente perturbados. Dinheiro e enriquecimento é a força motriz.

No entanto, rotular políticos e financistas como “psicopatas” é um eufemismo. Convocando o fechamento simultâneo de economias nacionais de 193 estados membros da ONU é um ato de “genocídio econômico”.

A tomada de decisões econômicas e sociais é criminalizada. A legitimidade de Wall Street, do Fórum Econômico Mundial (WEF), da Big Pharma e das fundações bilionárias que ordenaram o fechamento da economia global em 11 de março de 2020 deve ser abordado com vigor.


 

Capítulo XII

A Operação CoVax Mundial e o Código de Nuremberg.

Crimes contra a humanidade, Genocídio

“Nós, sobreviventes das atrocidades cometidas contra a humanidade durante a Segunda Guerra Mundial, nos sintimos obrigados a seguir nossa consciência. … Outro holocausto de maior magnitude está ocorrendo diante de nossos olhos. Nós pedimos que vocês parem este experimento médico ímpio na humanidade imediatamente. Isto é um experimento médico ao qual o Código de Nuremberg deve ser aplicado.” (Rabino Hillel Handler, Hagar Schafrir, Sorin Shapira, Mascha Orel, Morry Krispijn et al)

Tirania digital em nível global

A vacina está sendo aplicada e imposta em todo o mundo. A população alvo é 7,9 bilhões. Várias doses são contempladas. É o maior programa de vacinação na história mundial.

“Nunca antes a imunização de todo o planeta foi realizada pela entrega de um mRNA sintético no corpo humano”.

As “Diretrizes” da OMS para o estabelecimento do Sistema de Informações Digitais Mundial para a emissão dos chamados “Certificados Digitais para Covid-19” é generosamente financiado pelas fundações Rockefeller e Bill e Melinda Gates.

Focalizando a natureza experimental da vacina de mRNA e seus impactos devastadores na saúde, analistas jurídicos levantaram a questão do histórico “Julgamento de médicos nazistas” de Nuremberg (1946-47) em que médicos nazistas foram acusados de crimes de guerra, especificamente na conduta de experimentos médicos em prisioneiros nos campos de concentração e em civis.

O caso médico, EUA vs. Karl Brandt, et al. (também conhecido como Julgamento dos Doutores), foi julgado em 1946-47 contra vinte e três médicos e administradores acusados de organizar e participar de crimes de guerra e crimes contra a humanidade na forma de experimentos médicos e procedimentos médicos infligidos a prisioneiros e civis.

Karl Brandt, o réu principal, era o médico oficial sênior do governo alemão durante a Segunda Guerra Mundial; outros réus incluíndo médicos sênior e administradores nas forças armadas e SS.

Resultante do veredicto de 19 de agosto de 1947, o Código de Nuremberg foi promulgado. Revisados abaixo estão os Dez Princípios do Código de Nuremberg. Vários desses princípios – em relação à vacina de mRNA e ao passaporte de vacinação – foram violados descaradamente.

O primeiro princípio do “Código de Nuremberg” afirma que “o consentimento voluntário do participante humano é absolutamente essencial,” E isso é exatamente o que está sendo negado em relação à “vacina” (ver sentenças em negrito abaixo).

1. O consentimento voluntário do participante humano é absolutamente essencial.

Isso significa que a pessoa envolvida deve ter capacidade legal para dar consentimento; deve estar situado de forma a ser capaz de exercer o livre poder de escolha, sem a intervenção de qualquer elemento de força, fraude, engano, coação, alcance excessivo ou outra forma subsequente de restrição ou coerção; e deve ter conhecimento e compreensão suficientes dos elementos do assunto envolvido de forma a capacitá-lo a fazer um entendimento e decisão esclarecida. Este último elemento requer que antes da aceitação de uma decisão afirmativa por parte do participante do experimento deve ser informado a ele a natureza, duração e propósito do experimento; o método e os meios pelos quais vai ser conduzido; todas as inconveniências e perigos razoavelmente esperados; e os efeitos sobre sua saúde ou pessoa que pode vir de sua participação no experimento.

2. O experimento deve ser tal que produza resultados frutíferos para o bem da sociedade, não possam ser buscados por outros métodos ou meios de estudo, e não aleatório e desnecessário por natureza.

3. O experimento deve ser projetado e baseado nos resultados de experimentação animal e um conhecimento da história natural da doença ou outro problema em estudo que os resultados esperados justifiquem o desempenho do experimento.

4. O experimento deve ser conduzido de modo a evitar todos os sofrimentos e lesões físicas e mentais.

5. Nenhum experimento deve ser conduzido onde houver uma razão, a priori, de acreditar que ocorrerá morte ou lesão incapacitante; exceto, talvez, naqueles experimentos onde os médicos do experimento também sirvam como participantes.

6. O grau de risco a ser assumido nunca deve exceder aquele determinado pela importância humanitária do problema a ser resolvido pelo experimento.

7. Os preparativos adequados devem ser feitos e instalações adequadas fornecidas para proteger o participante do experimento contra possibilidades remotas de lesão, deficiência ou morte.

8. O experimento deve ser conduzido apenas por pessoas cientificamente qualificadas. O mais alto grau de habilidade e cuidado deve ser exigido em todos estágios do experimento daqueles que conduzem ou se envolvem no experimento.

9. Ao longo do experimento, o paciente humano deve estar em liberdade para encerrar o experimento se ele atingiu o estado físico ou estado mental onde a continuação do experimento parece ser impossível.

10. Ao longo do experimento, o cientista responsável deve ser preparado para encerrar o experimento em qualquer estágio, se ele provavelmente acreditar, no exercício da boa fé, habilidade superior e julgamento cuidadoso exigido dele que uma continuação do experimento provavelmente resultar em ferimentos, invalidez ou morte para o participante do experimento.

ênfase adicionada

Nuremberg e a crise do Covid

A partir de dezembro de 2020, populações inteiras em um grande número de países estão sob ameaça para aceitar e serem vacinados.

Com referência ao Código de Nuremberg, eles são incapazes de:

“Exercer o poder de escolha, sem a intervenção de qualquer elemento de força, fraude, engano, coação, alcance excessivo ou outra forma subsequente de restrição ou coerção” (Nuremberg, princípio 1 acima).

Amplamente documentado, há uma tendência ascendente nas mortes e lesões por vacinas de mRNA em todo o mundo e as autoridades de saúde estão plenamente cientes dos “riscos de saúde”, mas não informaram o público. Não há consentimento informado. E a mídia está mentindo descaradamente:

“Nenhum experimento deve ser conduzido onde há uma razão, a priori, de acreditar que a morte ou lesão incapacitante ocorrerá ”(Nuremberg, princípio 5 acima).

Essa “razão a priori” delineada no princípio 5 de Nuremberg é amplamente documentado: Mortes e lesões incapacitantes estão em andamento no planeta inteiro. Eles são confirmados pelas estatísticas oficiais de mortalidade e morbidade da vacina de mRNA (UE, EUA, Reino Unido).

Vídeo: A vacina de mRNA foi lançada em meados de dezembro 2020. Em muitos países, houve uma mudança significativa na mortalidade após a introdução da vacina de mRNA

Fonte: HeathData.org

“Experimentos médicos” nazistas

Vamos relembrar a categorização de crimes específicos pertencentes aos “experimentos médicos” nazistas conduzidos em prisioneiros de campos de concentração. Estes incluíam “a matança de judeus para pesquisas anatômicas, a matança de poloneses tuberculosos e a eutanásia de civis doentes e deficientes na Alemanha e territórios ocupados. … ”

Karl Brandt e seis outros réus foram condenados, sentenciados à morte, e executados; nove réus foram condenados e sentenciados a termos em prisão; e sete réus foram absolvidos.

Os documentos e as provas do julgamento estão todos arquivados. Os réus eram acusados de crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

Julgamento dos médicos de Nuremberg

A escala e o tamanho da Operação Vaxx Mundial do Covid-19

Não fui capaz de revisar os documentos relevantes em detalhes com o objetivo de estabelecer o número de vítimas resultantes da prática de experimentos médicos nazistas.

Embora os princípios de Nuremberg sejam de extrema relevância para o projeto de vacina do Covid-19, comparações simplistas devem ser evitadas. O contexto, a história e os mecanismos de conformidade relativos a “Vacina” de mRNA são fundamentalmente diferentes.

A escala e o tamanho da operação CoVax Mundial, bem como sua complexa estrutura organizacional (OMS, GAVI, Fundação Gates, Big Pharma) é sem precedentes.

A humanidade em sua totalidade é o objetivo do projeto Vaxx. A população alvo para o experimento da vacina do Covid-19 é toda população do planeta Terra:

7,9 bilhões de pessoas, envolvendo várias doses.

Multiplique a população mundial por 4 doses (conforme o proposto pela Pfizer): a ordem de magnitude é de 30 bilhões de doses em todo o mundo.

Os números estão na casa dos bilhões. Os prováveis impactos na mortalidade e morbidade estão além da descrição.

O Big Money está por trás deste projeto de parceria público-privada.

Estamos lidando com um processo mundial de crimes contra a humanidade. Populações inteiras em um grande número de estados membros da ONU estão sujeitas aa cumprimento e execução (sem o Estado de Direito).

Se recusarem a vacina, são socialmente marginalizados e confinados, rejeitados por seus empregadores, rejeitados pela sociedade: sem educação, sem carreira, sem vida. Suas vidas são destruídas.

Se eles aceitarem a vacina, sua saúde e sua vida estarão potencialmente em perigo.

A evidência de mortalidade e morbidade resultante da inoculação da vacina ambos presentes (dados oficiais) e futuros (por exemplo, coágulos microscópicos no sangue não detectados) é esmagadora.

E isso é apenas o começo.

Crimes extensos contra a humanidade estão sendo cometidos em todo o mundo.

A “vacina” de mRNA modifica o genoma humano ao nível de todo o planeta. É genocídio.

É um “Holocausto de Maior Magnitude, Ocorrendo diante de nossos olhos”.


 

Capítulo XIII

Golpe de Estado Global? O “Great Reset”,

Dívida global e “tratamento de choque” neoliberal

História do “Tratamento de Choque” Econômico. Do Programa de Ajuste Estrutural (SAP) para “Ajuste Global (GA)”

O fechamento (simultâneo) de 11 de março de 2020 das economias nacionais de 190 estados membros da ONU é diabólico e sem precedentes. Milhões de pessoas perderam seus empregos e suas economias de toda a vida. Países em desenvolvimento, pobreza, fome e desespero prevalecem. O fechamento de economias nacionais levou a uma espiral da dívida global. Cada vez mais, os governos nacionais são controlados pelos credores, que atualmente financiam as redes de segurança social, resgates corporativos e ajudas.

Embora este modelo de “intervenção global” seja sem precedentes, tem certas características que lembram as reformas macroeconômicas em nível de país, incluindo a imposição de um forte “remédio econômico” pelo FMI. Para endereçar esta questão, vamos examinar a história do chamado “tratamento de choque econômico” (um termo usado pela primeira vez na década de 1970).

De volta ao Chile, 11 de setembro de 1973.

Como professor visitante da Universidade Católica do Chile, vivi o golpe militar dirigido contra o governo democraticamente eleito de Salvador Allende. Foi uma operação da CIA liderada pelo Secretário de Estado Henry Kissinger juntamente com reformas macroeconômicas devastadoras.

Imagem acima: Kissinger junto com o General Augusto Pinochet (anos 70)

No mês seguinte ao Golpe de Estado, o preço do pão aumentou de 11 a 40 escudos da noite para o dia. Este colapso engendrado de ambos os salários reais e o emprego sob a ditadura de Pinochet era propício a um processo de empobrecimento em todo o país. Enquanto os preços dos alimentos dispararam, salários foram congelados para garantir “estabilidade econômica e evitar pressões inflacionárias.” De um dia para o outro, um país inteiro foi jogado na pobreza abismal: em menos de um ano, o preço do pão no Chile aumentou trinta e seis vezes e oitenta e cinco por cento da população chilena foi empurrada para baixo da linha da pobreza.” Isso foi o “Reset” do Chile em 1973.

Dois anos e meio depois, em 1976, voltei à América Latina como um professor visitante da Universidade Nacional de Córdoba no coração industrial norte da Argentina. Minha estadia coincidiu com outro golpe de estado militar em Março de 1976. Por trás dos massacres e violações dos direitos humanos, reformas macroeconômicas de “livre mercado” também foram prescritas – desta vez sob a supervisão dos credores argentinos de Nova York, incluindo David Rockefeller que era amigo do Ministro da Economia da Junta, José Alfredo Martinez de Hoz.

Imagem acima: Presidente Geral Jorge Videla, David Rockefeller e Ministro da Economia da Argentina, Martinez de Hoz, Buenos Aires (década de 1970)

O Chile e a Argentina foram “ensaios gerais” para o que está por vir: imposição do Programa de Ajustamento Estrutural (SAP) do FMI-Banco Mundial foi imposto a mais de 100 países a partir do início dos anos 80. (Ver Michel Chossudovsky, A Globalização da Pobreza e o Nova Ordem Mundial, Global Research, 2003)

Um exemplo notório de “livre mercado”: o Peru em agosto de 1990 foi punido por não se conformar aos ditames do FMI: o preço do combustível subiu 31 vezes e o preço do pão aumentou mais de doze vezes em um único dia. Essas reformas – realizadas em nome da “democracia” – foram, de longe, mais devastadoras do que aquelas aplicadas no Chile e Argentina sob o punho do governo militar.

O lockdown de março de 2020

E agora em 11 de março de 2020, entramos em uma nova fase de desestabilização da macroeconomia, que é mais devastadora e destrutiva do que 40 anos de “tratamento de choque” e medidas de austeridade impostas pelo FMI em nome de interesses financeiros dominantes.

Há ruptura, uma ruptura histórica e também continuidade. É o “Neoliberalismo ao enésimo grau”

Imagem acima: Kissinger com o ditador geral da Argentina Jorge Videla (Década de 1970)

O Fechamento da Economia Global: Impactos Econômicos e Sociais em todo o planeta

Compare o que está acontecendo com a economia global hoje com as medidas macroeconômicas “negociadas” impostas pelos credores país por país no âmbito do Programa de Ajustamento Estrutural (SAP). 11 de março de 2020 O “Ajuste Global” não foi negociado com os governos nacionais. Era imposta por uma “parceria público/privada”, apoiada pela propaganda da mídia, e aceita, invariavelmente, por políticos cooptados e corruptos.

Desigualdade Social “projetada” e Empobrecimento. A Globalização da Pobreza

Compare as “diretrizes” de “Ajuste Global” de 11 de março de 2020 que afetam todo o planeta ao Chile de 11 de setembro de 1973.

Em uma amarga ironia, os mesmos interesses do Big Money por trás do “Ajuste Global” de 2020 estiveram ativamente envolvidos no Chile (1973) e na Argentina (1976). Lembre-se da “Operação Condor” e da “Guerra Suja” (Guerra Sucia).

Há continuidade: Os mesmos poderosos interesses financeiros: O FMI e as burocracias do Banco Mundial em ligação com o Federal Reserve, Wall Street e o WEF estão atualmente envolvidos na preparação e gestão das operações de dívida “pós-pandemia” do “Novo Normal” (em nome dos credores) sob o Great Reset.

Henry Kissinger esteve envolvido na coordenação do “Reset” de 11 de setembro de 1973 no Chile.

No ano seguinte (1974), ele foi encarregado da redação do “National Strategic Security Memorandum 200 (NSSM 200)” que identificou o despovoamento como “a maior prioridade na política externa dos EUA para o Terceiro Mundo”.

O impulso do “despovoamento” sob o Great Reset?

“Controle o petróleo e você controlará nações; controle a comida e você controlará as pessoas.” Henry Kissinger

Hoje, Henry Kissinger é um grande apoiador ao lado da Fundação Gates (que também está firmemente comprometida com o despovoamento) do Great Reset sob os auspícios do Fórum Econômico Mundial (WEF).

Não há necessidade de negociar com os governos nacionais ou realizar “regimes de mudança”. O projeto de lockdown de 11 de março de 2020 constitui um “Ajuste Global” que desencadeia falências, desemprego e privatização em uma escala muito maior, afetando de uma só vez as economias nacionais de mais de 150 países.

E todo esse processo é apresentado à opinião pública como meio de combater o “vírus assassino” que, segundo o CDC e a OMS é semelhante à influenza sazonal. (Vírus A, B).

A Estrutura Hegemônica de Poder do Capitalismo Global

O Big Money, incluindo as fundações bilionárias, são a força motriz. É uma aliança complexa de Wall Street e o estabelecimento bancário, o Big Oil e Conglomerados de Energia, os chamados “Empreiteiros de Defesa”, Big Pharma, os conglomerados de biotecnologia, a mídia corporativa, as telecomunicações, gigantes das comunicações e da tecnologia digital, juntamente com uma rede de think tanks, grupos de lobby, laboratórios de pesquisa, etc. A posse da propriedade intelectual também desempenha um papel central.

Esta poderosa rede digital-financeira de tomada de decisões também envolve importantes credores e instituições bancárias: o Federal Reserve, Banco Central Europeu (BCE), FMI, Banco Mundial, bancos regionais de desenvolvimento e o Banco de Pagamentos Internacionais (BIS), com sede na Basileia, que desempenha um papel estratégico fundamental.

Por sua vez, os escalões superiores do aparelho de Estado dos EUA (e Aliados ocidentais de Washington) estão direta ou indiretamente envolvidos, incluindo o Pentágono, a Inteligência dos EUA (e seus laboratórios de pesquisa), as autoridades de saúde, o Homeland Security e o Departamento de Estado dos EUA (incluindo embaixadas dos EUA em mais de 150 países).

A “Verdadeira Economia” e o “Big Money”

Por que essas políticas de lockdown do Covid estão liderando a falência, a pobreza e desemprego?

O capitalismo global não é monolítico. De fato, existe um “conflito de classes” entre os super-ricos e a grande maioria da população mundial.

Mas também há intensa rivalidade dentro do sistema capitalista. Ou seja, um conflito entre “Capital do Big Money” e o que pode ser descrito como “Capitalismo Real” que consiste em corporações em diferentes áreas de atividade produtiva nos níveis nacional e regional. Também inclui pequenas e médias empresas.

O que está em andamento é um processo de concentração de riqueza (e controle de tecnologias avançadas) sem precedentes na história mundial, em que o estabelecimento financeiro, (ou seja, os credores multibilionários) estão programados para apropriarem-se dos ativos reais de ambas as empresas falidas, bem como dos ativos do Estado.

A “Verdadeira Economia” constitui “a paisagem econômica” da verdadeira atividade econômica: ativos produtivos, agricultura, indústria, serviços, infraestrutura econômica e social, investimento, emprego, etc. A verdadeira economia em nível global e nacional está sendo visada pelo lockdown e encerramento da atividade econômica. As instituições financeiras do Global Money são os “credores” da verdadeira economia.

Governança Global: Rumo a um Estado Totalitário

Os indivíduos e organizações envolvidos na Simulação 201 no dia 18 de outubro de 2019 agora estão envolvidos na gestão real da crise uma vez que foi ao ar em 30 de janeiro de 2020 sob a Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC) da OMS, que por sua vez preparou o terreno para a crise financeira de fevereiro de 2020 e o lockdown de março.

O bloqueio e fechamento das economias nacionais desencadeia uma segunda onda de desemprego em massa juntamente com a falência planejada (aplicada mundialmente) de pequenas e médias empresas.

Tudo isso liderado pela instalação de um Estado totalitário global que visa quebrar todas as formas de protesto e resistência.

O programa de vacinação do Covid (incluindo o passaporte digital integrado) (ver Capítulo VI) é parte integrante de um regime totalitário global.

Qual é o infame ID2020? É uma aliança de parceiros público-privados, incluindo agências da ONU e a sociedade civil. É um programa de identificação eletrônica que usa vacinação generalizada como plataforma de identidade digital. O programa aproveita o registro de nascimento e as operações de vacinação existentes para fornecer aos recém-nascidos um dispositivo portátil e persistente com ligação biométrica de identidade digital. Zonas vermelhas, máscaras, distanciamento social, lockdown (Peter Koenig, 12 de março de 2020)

“O Great Reset”

Os mesmos credores poderosos que desencadearam a crise da dívida global do Covid estão agora estabelecendo um “Novo Normal” que consiste essencialmente em impor o que o Fórum Econômico Mundial descreve como o “Great Reset”

Usando lockdowns e restrições do COVID-19 para empurrar essa transformação, o Great Reset está sendo lançado sob o disfarce de uma ‘Quarta Revolução Industrial’ em que as empresas mais antigas devem ser conduzidas à falência ou absorvidas por monopólios, fechando efetivamente grandes seções da economia pré-COVID. Economias estão sendo ‘reestruturadas’ e muitos trabalhos serão realizados por máquinas acionadas por IA.

Os desempregados (e haverá muitos) seriam colocados em algum tipo de renda básica universal e terão suas dívidas (endividamento e falência em grande escala é o resultado deliberado de lockdowns e restrições) amortizadas em troca de entregar seus ativos ao estado ou mais precisamente para as instituições financeiras ajudando a impulsionar este Great Reset. O WEF diz que o público vai ‘alugar’ tudo o que eles quiserem: retirando o direito de propriedade sob o pretexto de ‘consumo sustentável’ e ‘salvar o planeta’. Claro, a pequena elite que lançou esta grande reinicialização irá possuir tudo. (Colin Todhunter, Dystopian Great Reset, 9 de novembro de 2020)

Aperte o botão Reset

O Great Reset do Fórum Econômico Mundial demorou muito tempo para fazer. “Apertar o botão de reset” com o objetivo de salvar a Economia Mundial foi anunciado pelo presidente do WEF, Klaus Schwab, em janeiro de 2014, seis anos antes do ataque da pandemia Covid 19.

“O que queremos fazer em Davos este ano [2014] é apertar o botão de reset, o mundo está muito preso em um modo de crise.”

Dois anos depois, em uma entrevista de 2016 com a rede de TV suíça de língua francesa (RTS), Klaus Schwab falou sobre a implantação de microchips em corpos humanos, que em essência é a base da vacina de mRNA “experimental” do Covid. “O que vemos é uma espécie de fusão do mundo físico, digital e biológico”, disse Klaus Schwab.

Schwab explicou que em breve os seres humanos receberão um chip que será implantado em seus corpos para se fundir com o mundo digital.

RTS: “Quando isso vai acontecer?

KS: “Certamente nos próximos dez anos.”

“Podemos imaginar que vamos implantá-los no nosso cérebro ou na nossa pele”.

“E então podemos imaginar que existe uma comunicação direta entre os cérebros e o mundo digital”.

Junho de 2020. O WEF anuncia oficialmente o Great Reset

“A pandemia representa uma rara mas estreita janela de oportunidade para refletir, reimaginar e redefinir nosso mundo para criar um ambiente mais saudável, mais justo e um futuro mais próspero” – Klaus Schwab, WEF (junho de 2020)

O que está previsto em “o Great Reset” é um cenário em que os credores globais terão se apropriado da riqueza mundial até 2030, enquanto empobrecem grandes setores da População Mundial.

Em 2030, “Você não terá nada e será feliz”. (veja o vídeo abaixo)

As Nações Unidas: Um Instrumento Governança Global em Nome de um Público Não Eleito / Parceria Privada

O sistema da ONU também é cúmplice. Endossou a “governança global” e O Great Reset.

Embora o secretário geral da ONU, Antonio Guterres, legitimamente reconheça que a pandemia é “mais do que uma crise de saúde”, não foi feita nenhuma análise ou debate significativo sob os auspícios da ONU quanto às verdadeiras causas desta crise.

De acordo com um Relatório da ONU de setembro de 2020:

“Centenas de milhares de vidas foram perdidas. A vida de bilhões de pessoas foram interrompidas. Além dos impactos na saúde, o COVID-19 expôs e exacerbou profundas desigualdades … Isso nos afetou como indivíduos, como famílias, comunidades e sociedades. Isso teve um impacto sobre cada geração, incluindo aqueles que ainda não nasceram. A crise tem destacado fragilidades dentro e entre as nações, bem como em nossos sistemas para a montagem de um resposta global coordenada a ameaças compartilhadas.” (Relatório da ONU)

As decisões de longo alcance que desencadearam a destruição social e econômica em todo o mundo não são mencionadas. Sem debate no Conselho de Segurança da ONU. Consenso entre todos os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança.

O vírus é casualmente considerado responsável pelo processo de destruição da economia.

O projeto de “parceria público-privada” do Fórum Econômico Mundial intitulado “Reimagine e Reinicie nosso Mundo” foi endossado pelas Nações Unidas.

Volte para George Kennan e a Doutrina Truman no final dos anos 1940. Kennan acreditava que a ONU forneceu uma maneira útil de “conectar o poder com a moralidade”, usando a moralidade, como um meio de carimbar as “guerras humanitárias” americanas.

A crise do Covid e as medidas de lockdown são o culminar de um processo histórico.

O lockdown e o fechamento da economia global são “armas de destruição em massa”que no verdadeiro sentido da palavra “destroem a vida das pessoas”.

Estamos lidando com extensos “crimes contra a humanidade”.

O Presidente Joe Biden e o “Great Reset”

Joe Biden é um político preparado, um representante de confiança, servindo aos interesses do estabelecimento financeiro.

Não vamos esquecer que Joe Biden foi um firme defensor da Invasão do Iraque com o argumento de que Saddam Hussein “possuía armas de destruição em massa”. “O povo americano foi enganado para esta guerra”, disse o senador Dick Durbin. Não se deixe enganar novamente por Joe Biden.

Acrônimos em evolução. 11 de setembro, GWOT, WMD e agora COVID: Biden foi recompensado por ter apoiado a invasão do Iraque.

Durante a campanha eleitoral, a Fox News descreveu Biden como um “socialista” que ameaça o capitalismo: “A ligação perturbadora de Joe Biden com o movimento socialista ‘Great Reset’”.

Embora isso seja um absurdo absoluto, muitos “progressistas” e ativistas anti-guerra endossaram Joe Biden sem analisar as consequências mais amplas da Presidência de Biden.

“O Great Reset” causa divisão social, é racista. É um projeto diabólico de Capitalismo Global. Constitui uma ameaça para a grande maioria dos americanos trabalhadores, bem como às pequenas e médias empresas. Também prejudica vários setores importantes da economia capitalista.

A Presidência de Biden e o Lockdown

No que diz respeito à Covid, Biden está firmemente comprometido com a “Segunda Onda”, ou seja, mantendo o fechamento parcial da economia americana e global  como meio de “combater o vírus assassino”.

Joe Biden pressionará pela adoção do “Great Reset” do WEF, nacionalmente e internacionalmente, com devastadoras consequências nos aspectos econômicos e sociais. As reuniões de 2021 do Fórum Econômico Mundial (WEF) agendadas para o verão de 2021 em Cingapura se concentrarão na implementação do “Great Reset”.

O presidente Biden é um firme defensor do lockdown do Corona. Suas declarações sobre um “inverno escuro” em 2021 confirmam que ele não apenas endossa a adoção de políticas rígidas de bloqueio do Covid-19, sua administração irá perseguir e adotar o “Great Reset” do Fórum Econômico Mundial e o “passaporte da vacina” como parte integrante da política externa dos EUA, para ser implementado ou mais corretamente “imposto” em todo o mundo.

Por sua vez, a administração Biden-Harris tentará substituir todas as formas de resistência popular ao lockdown do coronavírus.

O que está se desenrolando é uma nova e destrutiva fase do imperialismo norte-americano. É um projeto totalitário de engenharia econômica e social, que em última instância destrói a vida das pessoas em todo o mundo. Esta “nova” agenda neoliberal usando o lockdown do corona como um instrumento de opressão social foi endossado pelo presidente Biden e pela liderança do Partido Democrata.

A Casa Branca de Biden será usada para instalar o que David Rockefeller chamou de “Governança Global”, que equivale a uma “ditadura democrática” em todo o mundo.

Deve-se notar que o movimento de protesto nos EUA, contra o lockdown é fraco. Na verdade, não há um movimento de protesto nacional com base coerente. Por quê? Porque “forças progressistas”, incluindo intelectuais de esquerda, Líderes de ONGs, líderes sindicais e trabalhistas – a maioria dos quais está alinhada com o Partido Democrata – desde o início apoiou o lockdown. E eles também apóiam Joe Biden.

Em uma amarga ironia, ativistas anti-guerra, bem como os críticos do neoliberalismo, endossaram Joe Biden.

A menos que haja um protesto significativo e uma resistência organizada, nacionalmente e internacionalmente, o Great Reset será incorporado tanto no mercado doméstico e agendas de política externa dos EUA da administração de Joe Biden e Kamala Harris.

É o que você chama de Imperialismo com “Rosto Humano”.

Onde está o movimento de protesto contra esta “parceria público-privada” não eleita do Corona?

As mesmas fundações filantrópicas (Rockefeller, Ford, Soros, et al) que são os arquitetos tácitos do “Great Reset” e da “Governança Global” também estão envolvidos no financiamento (generoso) do ativismo pelas Mudanças Climáticas, o Extinction Rebellion, Fórum Social Mundial, Black Lives Matters, LGBT, etc.

O que isso significa é que as bases desses movimentos sociais são muitas vezes enganados e traídos por seus líderes que são rotineiramente cooptados por um punhado de fundações corporativas.

O Fórum Social Mundial (FSM), que comemora seu 20º aniversário reúne ativistas anti-globalização comprometidos de todo o mundo. Mas quem controla o FSM? Desde o início em janeiro de 2001, foi (inicialmente) financiado pela Fundação Ford.

É o que você chama de “dissidência fabricada” (muito mais insidiosa do que o “consentimento fabricado” de Herman-Chomsky).

O objetivo das elites financeiras “tem sido fragmentar o movimento do povo em um vasto mosaico “faça você mesmo”. O ativismo tende a ser fragmentado. Não existe um movimento antiglobalização e anti-guerra integrado”. (Michel Chossudovsky, Manufacturing Dissent , Global Research, 2010)

Nas palavras de McGeorge Bundy, presidente da Fundação Ford (1966-1979):

“Tudo o que a Fundação [Ford] fez pode ser considerado como “tornar o Mundo seguro para o capitalismo”, reduzindo as tensões sociais ao ajudar a confortar os aflitos, fornecer válvulas de segurança para os zangados e melhorar o funcionamento do governo. O movimento de protesto contra o Great Reset, que constitui um “Golpe de Estado Global” requer um processo de mobilização mundial:

“Não pode haver um movimento de massa significativo quando a dissidência é generosamente financiada por esses mesmos interesses corporativos [WEF, Gates, Ford, et al] que são o alvo do movimento de protesto”.

A estrada à frente

Mais de 7 bilhões de pessoas em todo o mundo são direta ou indiretamente afetadas pela crise do corona. Vários bilhões de pessoas estão programadas para serem vacinadas por uma Vacina experimental de mRNA “não aprovada”.

O que é necessário é o desenvolvimento de uma ampla rede de base que confronta tanto os arquitetos desta crise quanto os governos nacionais e regionais (estados, províncias) envolvidos na imposição da vacina bem como encerrar o lockdown e o fechamento da atividade econômica como meios de combater “o Vírus”.

A legitimidade dos políticos e seus poderosos patrocinadores corporativos devem ser questionados, incluindo as medidas do estado policial adotadas para fazer cumprir o encerramento da atividade econômica, a imposição do passaporte de vacinação digital, bem como o uso de máscara facial, distanciamento social, etc.

Esta rede seria estabelecida (nacionalmente e internacionalmente) em todos os níveis da sociedade, nas cidades e aldeias, locais de trabalho, freguesias. Sindicatos, organizações de agricultores, associações profissionais, associações empresariais, sindicatos de estudantes, associações de veteranos, grupos religiosos seriam convocados para integrar este movimento.

A primeira tarefa seria desativar a campanha do medo e a desinformação da mídia e também pôr um fim ao programa de vacinação do Covid da Big Pharma.

A mídia corporativa seria diretamente desafiada, sem visar especificamente os jornalistas tradicionais, muitos dos quais foram instruídos a respeitar a narrativa oficial. Este esforço exigiria um processo paralelo no nível de base, de sensibilização e educação de concidadãos sobre a natureza do vírus, o teste de PCR, os impactos do lockdown, a máscara facial e o distanciamento social.

“Espalhando a palavra” por meio da mídia social e da mídia online independente, pontos de exposição serão criados tendo em mente que o Google, assim como o Facebook são instrumentos de censura.

A criação de tal movimento, que desafia vigorosamente a legitimidade das elites financeiras, bem como das estruturas de autoridade política no nível nacional, não é uma tarefa fácil. Isso exigirá um certo grau de solidariedade, unidade e compromisso sem paralelo na história mundial.

Também exigirá quebrar as barreiras políticas e ideológicas dentro da sociedade (isto é, entre partidos políticos) e agindo em uníssono. Nós também devemos entender que o “projeto corona” é parte integrante da agenda imperial dos EUA. Tem implicações geopolíticas e estratégicas. Também vai exigir, eventualmente, derrubar os arquitetos desta “pandemia” diabólica e indiciá-los por crimes contra a humanidade.

Artigos relacionados de nossos arquivos

Aviso legal: O conteúdo deste artigo é de responsabilidade exclusiva do autor(es). O Center for Research on Globalization não será responsável por qualquer declaração imprecisa ou incorreta neste artigo. O Center for Research on Globalization concede permissão para postagem cruzada de artigos da Global Research em sites comunitários, desde que a fonte e os direitos autorais sejam reconhecido juntamente com um hiperlink para o artigo original da Global Research. Para publicação de artigos da Global Research impressos ou outras formas incluindo sites comerciais da Internet, entre em contato: publicaçõ[email protected]

www.globalresearch.ca contém material protegido por direitos autorais, cujo uso nem sempre foi especificamente autorizado pelo proprietário dos direitos autorais. Estamos disponibilizando esse material aos nossos leitores de acordo com as disposições do “fair use” em um esforço para avançar uma melhor compreensão de questões políticas, economicas e sociais. O material neste site é distribuído sem lucro para aqueles que expressaram interesse prévio em recebê-lo para pesquisa e finalidade educacional. Se você deseja usar material protegido por direitos autorais para fins além do “uso justo”, você deve solicitar permissão do proprietário dos direitos autorais.

Para consultas da mídia: publicaçõ[email protected]

Compartilhe

Entre em contato com a gente!

×