Pular para o conteúdo
Início » FMI, 10 PAÍSES SIMULAM ATAQUE CIBERNÉTICO AO SISTEMA FINANCEIRO GLOBAL

FMI, 10 PAÍSES SIMULAM ATAQUE CIBERNÉTICO AO SISTEMA FINANCEIRO GLOBAL

JERUSALÉM OCUPADO: Israel liderou na quinta-feira uma simulação de um grande ataque cibernético ao sistema financeiro global de 10 países em uma tentativa de aumentar a cooperação que poderia ajudar a minimizar qualquer dano potencial aos mercados financeiros e bancos.

O ataque cibernético simulado evoluiu ao longo de 10 dias, com dados confidenciais emergindo na Dark Web junto com notícias falsas que acabaram causando o caos nos mercados globais e uma corrida aos bancos.

A simulação apresentou vários tipos de ataques que afetaram os mercados globais de câmbio e de títulos, a liquidez, a integridade dos dados e as transações entre importadores e exportadores.

“Esses eventos estão causando estragos nos mercados financeiros”, disse o narrador de um filme exibido aos participantes como parte da simulação e visto pela Reuters.

Funcionários do governo israelense disseram que tais ameaças são possíveis na esteira de muitos ataques cibernéticos de alto perfil contra grandes empresas, e que a única maneira de conter qualquer dano é por meio da cooperação global, uma vez que a segurança cibernética atual nem sempre é forte o suficiente.

“Os atacantes estão 10 passos à frente do defensor”, disse Micha Weis, gerente cibernética financeira do Ministério das Finanças de Israel, à Reuters.

Participaram da iniciativa, denominada “Força Coletiva”, funcionários do tesouro de Israel, Estados Unidos, Reino Unido, Emirados Árabes Unidos, Áustria, Suíça, Alemanha, Itália, Holanda e Tailândia, além de representantes do Fundo Monetário Internacional, Banco Mundial e Banco de Compensações Internacionais.

O narrador do filme na simulação disse que os governos estão sob pressão para esclarecer o impacto do ataque, que paralisou o sistema financeiro global.

“Os bancos estão apelando para assistência emergencial de liquidez em várias moedas para interromper o caos conforme as contrapartes retiram seus fundos e limitam o acesso à liquidez, deixando os bancos em desordem e ruína”, disse o narrador.

Os participantes discutiram políticas multilaterais para responder à crise, incluindo um feriado bancário coordenado, períodos de carência para reembolso de dívidas, acordos SWAP/REPO e desvinculação coordenada das principais moedas.

Rahav Shalom-Revivo, outra autoridade cibernética israelense, disse que um ataque tão amplo ao sistema financeiro global precisaria ser feito por atacantes sofisticados.

A simulação foi originalmente programada para acontecer na Dubai World Expo, mas foi transferida para Jerusalém devido à variante Omicron do COVID-19, com oficiais participando em videoconferência.

Alguns dos participantes disseram que em uma situação real de ataque cibernético, os governos agiriam mais rapidamente do que na simulação.

Um funcionário financeiro europeu disse que, no caso de tal ataque, seu país não esperaria 10 dias para agir.

“Assim que a oferta de dinheiro fosse prejudicada, pelo menos na União Europeia, provavelmente teríamos uma reunião de emergência no mesmo dia”, disse ele, acrescentando que entraria em contato imediatamente com contrapartes na Europa e nos Estados Unidos.

 

 

 

Compartilhe

Entre em contato com a gente!

×