Pular para o conteúdo
Início » O RISCO DE MIOCARDITE AUMENTA COM VACINAS DE MRNA E CRESCE A CADA DOSE

O RISCO DE MIOCARDITE AUMENTA COM VACINAS DE MRNA E CRESCE A CADA DOSE

Essas inflamações afetam especialmente homens com menos de 40 anos de idade, embora os casos sejam raros.

Evidências científicas confirmam a ligação entre as vacinas de RNA mensageiro de covid e a possibilidade de sofrer inflamações cardíacas, como miocardite. Um risco que, embora seja significativamente menor do que quando ocorre uma infecção natural, aumenta à medida que as doses de reforço são inoculadas, de acordo com um estudo preliminar conduzido por pesquisadores da Universidade de Oxford.

Este estudo sobre o risco de miocardite por vacinas de covid, publicado no portal medRxiv, indica que a possibilidade de sofrer dessa condição aumenta no período que vai do primeiro dia até 28 dias após a administração da segunda dose de uma vacina de RNA mensageiro, incluindo aqueles da Pfizer/BioNTech e Moderna.

A pesquisa levou em consideração uma série de casos autocontrolados de mais de 42 milhões de pessoas com mais de 13 anos. Destes, 10,9 milhões haviam recebido uma terceira dose da vacina na época do estudo e 2.539 foram hospitalizados ou morreram de miocardite (556 após a inoculação de qualquer dose da vacina). Ou seja, 0,006 por cento.

O risco é substancialmente maior em homens com menos de 40 anos de idade, de acordo com a mesma fonte. Especificamente, os resultados do estudo refletem que o número de episódios de miocardite nesta coorte populacional aumentou em 43,5 por cento (para 56 casos) durante os 28 dias após a inoculação de uma segunda dose de Pfizer. No caso da Moderna, esse aumento foi de 350 por cento (mais 28 casos, até 36 dias).

“Em mulheres com menos de 40 anos, observamos um aumento do risco de miocardite apenas nos 28 dias após a administração da segunda dose da vacina da Moderna”, observam os pesquisadores. Na verdade, eles indicam que “o número de eventos foi pequeno” entre as mulheres, e que naquelas com idade superior a essa “não foi encontrada associação entre miocardite e vacinação”.

Os pesquisadores britânicos lembram que o artigo é “uma versão preliminar que ainda não foi certificada por revisão por pares e, portanto, não deve ser usada para orientar a prática clínica”. No entanto, sublinham que existe “uma necessidade urgente de avaliar o risco associado a uma terceira inoculação, especialmente agora que os países aceleraram o processo de combate à variante Omicron”.

Miocardite por vacinação de Covid na Espanha

Até agora, a Espanha detectou 321 casos de miocardite entre os 60,5 milhões de vacinados para covid, de acordo com um relatório da Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos de Saúde (Aemps) publicado há poucos dias projetando uma possibilidade de apenas 0,0005% de sofrimento deste tipo de problemas devido à vacinação da Pfizer ou Moderna.

Este número acompanha as declarações de Alberto García Lledó, porta-voz da Sociedade Espanhola de Cardiologia (SEC), que em declarações ao Gabinete Médico sublinhou que existem apenas “10 casos (de miocardite) por 100.000 vacinados” e que, portanto, “o risco de não se vacinar é maior do que a vacina que causa miocardite”.

Dor torácica, dispneia e palpitações, que podem ser acompanhadas por arritmias e evoluem para insuficiência cardíaca. Esses são os sintomas e sinais de suspeita nos casos de miocardite, embora seu curso seja geralmente benigno.

Por isso, García Lledó sublinhou que “desde a SEC queremos transmitir que isso pode acontecer e que, se assim for, o paciente não precisa se preocupar, pois nós médicos temos a obrigação de estar atentos aos pacientes vacinados porque isso pode acontecer e deve ser diagnosticado”.

 

 

Compartilhe

Entre em contato com a gente!

×