Pular para o conteúdo
Início » OMS E NIH DIZEM QUE A IVERMECTINA E FLUVOXAMINA NÃO FUNCIONAM – US$ 2 MILHÕES DE RECOMPENSA PARA QUEM COMPROVAR QUE OMS E NIH ESTÃO CERTOS

OMS E NIH DIZEM QUE A IVERMECTINA E FLUVOXAMINA NÃO FUNCIONAM – US$ 2 MILHÕES DE RECOMPENSA PARA QUEM COMPROVAR QUE OMS E NIH ESTÃO CERTOS

OMS (Organização Mundial de Saúde) e NIH (National Institutes of Health), mesmo depois de dezenas de estudos científicos que comprovam a eficácia da ivermectina e fluvoxamina, insiste em dizer que estes medicamentos não são eficazes para covid-19. A recompensa é para quem comprovar que a OMS e NIH estão certos.

Este é o segundo de uma série de artigos que argumentam que a obediência aos protocolos de tratamento da medicina baseada em evidências (MBE) em uma pandemia está causando uma perda desnecessária de centenas de milhares de vidas.

Em meu artigo anterior, mostrei que as diretrizes atuais de tratamento do NIH e da OMS para fluvoxamina e ivermectina não se encaixam nas evidências. Uma recomendação para ambas as drogas é um ajuste quase perfeito para todos os dados.

Neste artigo, deixarei claro para todos que suas recomendações (OMS e NIH) são tão indefensáveis ​​que nenhuma autoridade respeitada será capaz de se apresentar para apoiar suas recomendações com um argumento confiável, mesmo se eu oferecer um incentivo de um milhão de dólares para que o façam.

Qualquer protocolo de medicamento usado para o tratamento precoce de COVID deve se enquadrar em uma das três categorias:

útil,
neutro,
ou prejudicial.

Eu afirmo que tem havido evidências abundantes sobre a mesa, pelo menos nos últimos 7 meses, todas, à vista de todos, de que tanto a fluvoxamina quanto a ivermectina, quando administradas no início de uma dose eficaz, são úteis porque uma hipótese ÚTIL é um ajuste quase perfeito para todos os evidências e que as outras duas alternativas, neutras ou prejudiciais, não se enquadram nas evidências de forma alguma.

Para ganhar o prêmio de $ 1 milhão, tudo o que você precisa fazer é fornecer um argumento convincente aos nossos juízes de que as recomendações do NIH ou da OMS sobre fluvoxamina ou ivermectina (existentes em 21 de maio de 2021 quando estou fazendo esta oferta) são:

É mais provável que se encaixem nas evidências do que nas recomendações PARA essas drogas, ou
mais probabilidade de salvar mais vidas do que recomendar PARA essas drogas.

Qualquer método de prova é bom: ajuste aos fatos ou custo-benefício superior. Você tem duas maneiras completamente independentes de ganhar cada prêmio.

Para se qualificar ao prêmio, você deve ser um:

Um professor em qualquer instituição de ensino superior em qualquer lugar do mundo
Um médico licenciado em qualquer lugar do mundo
Um editor de qualquer jornal médico revisado por pares
Um funcionário do NIH ou OMS
Um membro da grande mídia em qualquer lugar do mundo (especialmente no Brasil, onde eles acreditam que todos os primeiros tratamentos não funcionam), incluindo jornais e online,
Qualquer autoridade eleita em qualquer lugar do mundo
Qualquer funcionário de saúde pública em qualquer lugar do mundo
Qualquer funcionário do YouTube responsável pela ridícula política do YouTube de proibição de vídeos que afirmam que a ivermectina é um tratamento eficaz para COVID-19
Qualquer funcionário do Facebook ou de qualquer outra rede social responsável por censurar conteúdo e banir grupos relacionados à ivermectina ou fluvoxamina
Um verificador de fatos em qualquer país do mundo

A sua inscrição será avaliada por maioria de votos de um painel de especialistas acadêmicos imparciais altamente respeitados que são aposentados e não dependem mais do recebimento de bolsas do NIH e da OMS que reunirei imediatamente se alguém enviar uma inscrição. A primeira pessoa a enviar uma entrada vencedora ganha o prêmio, ou seja, não haverá mais de um vencedor por medicamento: $ 1 milhão para ivermectina e $ 1 milhão para fluvoxamina.

As entradas devem considerar os 23 estudos iniciais de tratamento com ivermectina e dois estudos com fluvoxamina .

Não estou preocupado em perder $ 2 milhões. Esta é uma tarefa impossível porque todos, exceto um desses estudos são positivos e o único estudo negativo tinha um valor de p de 0,5 (o que é basicamente nenhuma confiança e seria descartado de qualquer análise séria, uma vez que o valor era tão baixo e o tamanho do efeito foi calculado por algoritmo e não medido diretamente). A evidência também mostra que quanto mais cedo esses medicamentos forem administrados em dosagens adequadas, maior será o efeito positivo. Se as drogas são neutras ou prejudiciais, isso é impossível, um fato que parece ter se esquecido de nossos especialistas da OMS e do NIH.

Por exemplo, se a ivermectina é tão prejudicial quanto a OMS pensa, então por que os casos na Índia estão caindo drasticamente após o início da ivermectina? Como eles explicam isso? Eles não podem, tudo o que conseguimos é silêncio. É frustrante. Mais importante, está custando vidas porque os médicos em muitas partes do mundo, incluindo o Brasil e Tamil Nadu, continuam a seguir cegamente os conselhos da OMS.

O objetivo deste desafio é duplo:

Chamar a atenção mundial para o fato de que nenhum dos facilitadores do NIH e da OMS é capaz de defender com credibilidade as recomendações indefensáveis ​​do NIH e da OMS para esses medicamentos, mesmo que seja oferecido um grande incentivo monetário para fazê-lo.

Para mostrar que as recomendações atuais dessas duas organizações para esses dois medicamentos custaram a perda desnecessária de vidas de centenas de milhares de pessoas. Se você se qualificar e quiser enviar uma inscrição, envie uma mensagem no TrialSiteNews ou DM me no Twitter.

A razão pela qual essas recomendações absurdas existem é porque o NIH e a OMS insistem em ignorar qualquer evidência que não seja um ensaio clínico de fase 3 de alta qualidade publicado em um periódico revisado por pares. Assim, na visão deles, todos esses medicamentos não fazem nada e, como não há benefício, não há razão para recomendar o medicamento.

Se fossem espertos, eles examinariam todas as evidências disponíveis e escolheriam a hipótese sobre cada medicamento que mais se aproximasse de todas as evidências observadas. Como eles não fizeram isso, ficamos com a conclusão inevitável de que eles não são muito inteligentes e que suas recomendações para esses medicamentos devem ser ignoradas. QED.

Finalmente, por que o Dr. Anthony Fauci e o Dr. Francis Collins ainda permanecem em silêncio sobre as diretrizes do NIH para essas duas drogas? Se um empresário da área de informática do Vale do Silício pôde descobrir tudo isso há 7 meses que é virtualmente impossível que essas duas drogas não funcionem, por que a liderança do NIH não pode? E por que, quando David Seftel confirmou a taxa de sucesso de 100% no RCT de fluvoxamina original publicado no JAMA com um estudo do mundo real também com tamanho de efeito de 100%, por que eles simplesmente ignoraram como se nunca tivesse acontecido? Por que eles não enviaram uma equipe para investigar se havia algum preconceito ou confusão? Em vez disso, eles apenas se recostaram e não fizeram nada quando a notícia foi divulgada. Não houve investigação. Não houve nem um telefonema ou e-mail para o investigador. Mesmo depois que o programa jornalístico de TV “60 minuts” fizeram uma reportagem sobre esse milagre em vários locais e hospitais, ainda não fizeram nada para investigar. Eles poderiam ter salvado centenas de milhares de vidas se tivessem agido antes com base nas evidências que estavam escondidas à vista de todos por pelo menos 7 meses.

Por último, para apoiar minha alegação de que esta evidência está à vista de todos há mais de 7 meses e que estava claro que os dados apoiaram a ação da comunidade médica, ofereço um exemplo simples com o qual estou intimamente familiarizado: meus próprios esforços pessoais para chamar a atenção do mundo para essas duas drogas. Por exemplo, em 17 de outubro de 2020, escrevi sobre fluvoxamina e ivermectina em um artigo muito longo no Medium – uma leitura de 23 minutos . Isso foi seguido por um e-mail para a Elemental intitulado “Dois medicamentos que podem reduzir drasticamente a taxa de hospitalização e mortalidade de COVID-19… talvez para zero” e incluiu um link para o meu artigo. No entanto, como essas recomendações eram contrárias às recomendações do NIH e da OMS, a minha conta foi suspensa para sempre.

E, finalmente, se eles erraram com ivermectina e fluvoxamina, você acha que eles também podem ter se enganado sobre outras drogas, como hidroxicloroquina, vitamina D, zinco e outros tratamentos iniciais? Claro que sim. Consulte as recomendações de tratamento do NIH e WHO COVID, pois precisam ser corrigidas? E a boa ciência salva vidas, já, a má ciência arruinou vidas. Ou leia este excelente artigo na Wired sobre a confusão científica de 60 anos que ajudou a Covid a matar, que documenta como a OMS ignora a opinião de especialistas que discordam das suas narrativas.

O quanto antes essas recomendações forem alteradas, melhor. As drogas ficaram na prateleira o tempo todo. Os dados estão disponíveis ao público há mais de 6 meses. O que nos falta são líderes com a capacidade de ver claramente as evidências que se escondem à vista de todos.

Steve Kirsch é um empreendedor em série de alta tecnologia baseado no Vale do Silício. Ele é um filantropo médico há mais de 20 anos. Quando a pandemia começou, ele deixou seu emprego diário no M10 e começou o Fundo de Tratamento Precoce do COVID-19 (CETF), que financia pesquisadores de todo o mundo realizando testes clínicos ambulatoriais com medicamentos reaproveitados. O CETF financiou os ensaios de David Boulware sobre hidroxicloroquina e os ensaios de fluvoxamina de Fase 2 e Fase 3, entre muitos outros projetos de pesquisa. Ele foi recentemente apresentado no “60 Minutes”, que destacou seu trabalho com a fluvoxamina. Ele não tem conflitos de interesse, seu objetivo é ajudar a salvar vidas. Em 2003, Hillary Clinton o presenteou com o Prêmio Nacional de Cuidado. Ele escreveu este artigo para compartilhar um pouco do que aprendeu no ano passado sobre o fracasso da medicina baseada em evidências durante uma pandemia, na esperança de que as pessoas percebam seus erros e mudem seus pontos de vista.

Observe que as opiniões expressas neste artigo de opinião são do redator e não necessariamente da TrialSite, Inc.

Fonte: https://trialsitenews.com/if-you-can-prove-that-the-nih-and-who-got-their-treatment-guidelines-right-you-could-win-2m/

Compartilhe

Entre em contato com a gente!

×