Pular para o conteúdo
Início » RÚSSIA SE ANTECIPA AO GRANDE RESET COM UMA REDE SOBERANA DE INTERNET

RÚSSIA SE ANTECIPA AO GRANDE RESET COM UMA REDE SOBERANA DE INTERNET

Por Vitor Schneider (Time 320)

A Rússia realizou testes técnicos para se desconectar da Internet. Para relatar a notícia foi o site russo RBC segundo o qual os testes em questão teriam sido bem sucedidos.

Este tipo de ensaio geral para separar a Rússia da rede contou com a presença da Rostelecom, a principal companhia telefônica estatal junto com outras quatro operadoras de telefonia móvel.

A história da Rússia com a Internet entrou em crise principalmente a partir de 2014, quando o deep state de Washington junto com as ONGs financiadas pelo especulador financeiro George Soros deu origem ao infame “Euromaidan”, o golpe que obrigou o então presidente Yanukovych (presidente deposto da Ucrânia) para deixar o país.

Desde então, o Kremlin tem procurado constantemente maneiras de se separar da web e construir uma espécie de “Internet soberana”.

A este respeito, no entanto, é interessante notar o momento dos testes russos que foram realizados de 15 de junho a 15 de julho.

Isso poderia revelar uma estratégia definitiva da Rússia para se tornar totalmente imune às consequências de futuros ataques cibernéticos.

O assunto voltou a ser extremamente atual, especialmente depois que o fórum de Davos, um dos clubes de referência das elites globalistas, começou a soar o alarme sobre o suposto risco de hackeamento.

Davos de fato criou o Cyber ​​Polygoem 9 de julho , uma espécie de simulação de ataques cibernéticos realizados em escala global.

Os exercícios realizados nesses níveis são frequentemente o prelúdio de cenários de crise artificiais criados pelas próprias instituições globalistas para atingir um objetivo predeterminado.

No jargão do serviço secreto, essas operações também são conhecidas como “sinalizadores falsos”, que literalmente significa “sinalizador falso”.

A ideia de referência é desestabilizar o cenário atual para o alcance de um objetivo específico.

O exercício mais conhecido e mais recente a esse respeito é o infame “Evento 201” financiado por Bill Gates em outubro de 2019, que “coincidentemente” previu o surgimento de uma “pandemia” três meses depois.

Agora, um fato bastante importante sobre a falsa pandemia que o coronel russo Kvachov brilhantemente definiu como a “operação terrorista do coronavírus” deve ser considerada.

O objetivo original e primário desta operação era produzir uma sociedade autoritária global que levasse ao cumprimento definitivo do governo mundial, o objetivo do estabelecimento globalista internacional.

Mais uma vez para ficar em termos de “previsões” sobre a emergência de pandemia artificial, há uma publicação oficial de 2010 publicada pelos Rockefellers, uma das famílias mais poderosas entre as elites internacionais, chamada “Operação Lockstep” que descreve perfeitamente tudo isso que aconteceu no último ano e meio.

Um dos momentos cruciais para alcançar o objetivo final do governo mundial é produzir uma crise econômica tão devastadora e radical que favoreça o advento da lei marcial.

Esse cenário é abordado no documento Rockefeller e várias toupeiras presentes em governos mundiais revelaram no final de 2020 que o colapso da economia global por meio de fechamentos e confinamentos em massa era um dos principais objetivos da operação do coronavírus.

Em particular, foram informantes presentes na política canadense e no governo francês que vazaram que essa desestabilização era o que os escalões superiores do globalismo queriam para o Grande Reset e a sociedade desindustrializada e despovoada prevista na agenda das Nações Unidas para 2030.

No entanto, a operação terrorista de coronavírus não produziu os resultados desejados. O esperado Grande Rese “ainda” não aconteceu. É por isso que as potências financeiras internacionais têm procurado outro grande evento catalítico para chegar ao Grande Reset.

O Cyber ​​Polygon parece ter essas características porque prevê exatamente uma paralisia da cadeia de abastecimento alimentar global por meio de ataques cibernéticos massivos.

Agora tudo está conectado à rede e, se a rede for desestabilizada ou sabotada, o sistema bancário e a distribuição de alimentos nos supermercados entram em crise.

Basicamente, ocorreria um cenário bastante semelhante ao retratado no filme “Die Hard 4”, em que um hacking nacional colocaria todas as atividades cotidianas em um estado de paralisia completa.

Tudo se torna impossível, desde o tráfego rodoviário sabotado por semáforos malucos controlados remotamente por hackers até o desligamento remoto da rede elétrica.

O timing do Cyber ​​Polygon foi impressionante, no entanto, algumas semanas após o final deste tutorial, começaram a ocorrer ataques cibernéticos que levaram ao bloqueio de milhares de sites, incluindo os da Amazon e UPS.

Portanto, este parece ser o próximo passo de Davos (Fórum Econômico Mundial) para alcançar uma desestabilização global sem precedentes e estabelecer uma tirania mundial baseada no uso da repressão completa contra seus oponentes.

A Rússia, portanto, parece já ter adivinhado os movimentos do clube globalista (NOM) e está se preparando para se desconectar do sistema e se tornar completamente independente da próxima bandeira falsa cibernética.

Davos (NOM) está com pressa porque sabe que seu tempo está se esgotando. Não apenas a Rússia permanece em oposição total ao plano da Nova Ordem Mundial, mas os Estados Unidos também não estão no jogo no momento porque o chamado governo Biden parece ter sido encomendado pelos militares enquanto se aguarda a conclusão da fraude eleitoral de 2020.

O outono se aproxima e o globalismo está prestes a lançar o que parece ser um ataque final e desesperado.

 

Tradução: Vitor Schneider

FONTE: https://lacrunadellago.net/2021/07/27/la-russia-anticipa-la-mossa-di-davos-pronta-una-rete-internet-sovrana/

Compartilhe

Entre em contato com a gente!

×