Pular para o conteúdo
Início » TRUMP X NOVA ORDEM MUNDIAL – E O DESTINO DOS EUA E DO MUNDO

TRUMP X NOVA ORDEM MUNDIAL – E O DESTINO DOS EUA E DO MUNDO

O chefe de gabinete de Trump, Mark Meadows, deixou claro que existe um gabinete Trump operacional. Os Estados Unidos experimentaram uma diarquia que agora parece estar chegando ao fim. O círculo está prestes a se fechar. O empresário americano Mike Lindell, aliado de Trump, anunciará sua prova de fraude eleitoral para a América e para o mundo essa semana, e a grande mídia americana está apavorada com esta exposição, porque sabe que a fraude a qual ela participou está prestes a explodir.

O especialista eleitoral Seth Keshel falou de 8 milhões de votos transferidos de Trump para Biden. Ao mesmo tempo, já começam a surgir grandes escândalos sobre figurões do Deep State que participaram do golpe eleitoral contra Trump, como o governador democrata de Nova York, Andrew Cuomo, braço direito de George Soros e Bill Gates.

Agora começa a batalha final para decidir o destino da América. Por um lado, a Nova Ordem Mundial que quer retomar os Estados Unidos a todo custo para realizar a sua genocida “Grande Reinicialização” que visa exterminar 90% da população global (com “vacinas” e 5G) e escravizar os que sobrarem. Por outro lado, Trump e os patriotas que querem libertar a América e o mundo das garras do Deep State. Esta batalha decidirá o destino da América e do mundo. O confronto está cada vez mais perto.

A batalha final entre Trump e a Nova Ordem Mundial decidirá o destino da América e do mundo

Quando o chefe de gabinete de Donald Trump, Mark Meadows, disse que Trump está realizando suas reuniões de “gabinete”, ele não o fez por engano. A palavra “gabinete” não foi pronunciada casualmente. Provavelmente foi pronunciada para fazer o público americano e internacional entender que os Estados Unidos estão passando por um momento histórico muito excepcional. Um momento histórico em que se estabeleceu de fato uma diarquia sem precedentes que colocou a América, pela primeira vez em sua história, na condição de dois presidentes.

Por um lado, Joe Biden, que parece enfraquecido e comissariado pelas forças armadas americanas. Por outro lado, Donald Trump que, por meio de uma espécie de governo paralelo, ainda parece ter o controle dos gânglios vitais do país. No entanto, para entender essa condição praticamente inédita na história americana, é necessário dar um passo para trás e voltar aos acontecimentos de janeiro passado. Há ceticismo entre vários observadores quanto à hipótese de que o comando dos Estados Unidos de alguma forma não seja confiado ao chamado governo Biden.

Se você seguir a linha lógica do que aconteceu até agora, verá que esse cenário não é de forma irreal. Ao contrário, é o mais consistente com os eventos ocorridos até o momento. Trump frustrou o golpe entregando o poder aos militares em janeiro. Já é bastante conhecido dos leitores deste blog e não o que aconteceu. Os Estados Unidos estiveram no centro do que pode ser descrito como a maior fraude eleitoral de sua história e em todo o mundo.

O presidente Trump estava perfeitamente ciente desde o início que os democratas haviam criado a maior máquina de fraude eleitoral da história. Até mesmo o candidato democrata Joe Biden, em um de seus incontáveis ​​erros, deixou escapar que seu partido financiado por George Soros e Wall Street havia preparado tudo para roubar a eleição o que seria uma reconfirmação antecipada do presidente cessante.

A revista Time, de propriedade de Marc Benioff, um bilionário americano de origem judaica e membro do fórum de Davos, admitiu francamente que foi uma campanha massiva organizada e financiada pelo Deep State que entregou a “vitória” a Biden. Uma tremenda máquina de guerra eleitoral projetada para roubar ilegalmente o máximo de votos possível de Trump. É claro que, na linguagem da grande mídia, a realidade está de cabeça para baixo.

O bem assume o aspecto do mal e vice-versa. O golpe eleitoral no jargão das elites passa a ser uma operação para “salvar a democracia”. Tudo isso, no entanto, era conhecido por Trump desde a noite de 3 de novembro e até antes. Prova tangível disso pode ser encontrada em sua ordem executiva de 2018, concebida precisamente para sancionar a interferência eleitoral de países estrangeiros nas eleições americanas. Em janeiro, a máquina de fraude já marchava rapidamente e em 6 de janeiro o golpe eleitoral atingiu seu clímax quando o Congresso reconheceu ilegitimamente a fraude eleitoral.

Agora, o presidente aparentemente tinha dois caminhos a percorrer para evitar a fraude. O primeiro foi o que levou à declaração formal e oficial da declaração do ato contra as insurreições instituídas em 1807. O ato contra as insurreições é uma medida extraordinária que permite ao presidente assumir poderes extraordinários se tumultos ameaçam derrubar a ordem estabelecida. No caso de fraude eleitoral massiva, todos os requisitos são cumpridos, pois se trata de uma tentativa de derrubar o resultado da votação e do legítimo comandante-em-chefe.

O segundo é aquele que leva à rendição incondicional e ao abandono da Casa Branca aos seus inimigos. A impressão que muitos tiveram quando Trump deixou Washington foi apenas isso. O de ter sucumbido ao poder globalista que finalmente conseguiu pôr fim à presidência de Trump o que foi algo completamente inesperado para os círculos do fórum de Davos ou do Conselho de Relações Exteriores, o poderoso think-tank financiado por Rockefeller que desde o seu nascimento em 1921 sempre decidia com bastante antecedência qual presidente iria para a Casa Branca.

Trump parece ter escolhido um terceiro caminho, ainda mais engenhoso, que evitou que os Estados Unidos mergulhassem em um clima de caos e instabilidade sem precedentes. Ele conseguiu solicitar o uso de poderes de emergência sem tornar pública a assinatura do ato, graças a uma lei conhecida como “Ato de Posse Comitatus” de 1878 que foi acrescentada à lei original contra as insurreições. Nesta lei está previsto que o presidente pode recorrer ao uso da lei contra as insurreições sem, no entanto, dar ciência ao Congresso.

Em outras palavras, o presidente dos Estados Unidos não é obrigado a fazer nenhuma proclamação oficial. Segundo várias fontes militares, esse é exatamente o procedimento que Trump seguia naquela época. E para entender que essas fontes provavelmente estão certas, é suficiente acompanhar o que aconteceu naqueles dias. Uma vez que Trump recorreu ao uso de poderes extraordinários e de emergência envolvendo intervenção militar, Washington DC foi invadida pelos militares. Muitos naqueles dias e muitos nem mesmo agora entenderam o motivo de uma militarização massiva da capital americana.

O Congresso foi cercado por uma rede enrolada em arame farpado e os militares vigiavam todo o perímetro externo. Tudo isso para uma posse, a de Biden, que praticamente não aconteceu porque ninguém veio a Washington. Nas semanas e meses que se seguiram, jornalistas independentes que moravam em Washington, como Richard Citizen, mostraram que todos os palácios de poder e instituições governamentais estão praticamente inativos.

Ninguém parece estar lá e nenhum funcionário é visto entrando e saindo dos prédios. A assinatura do Ato Contra as Insurreições, portanto, colocou os Estados Unidos em uma espécie de limbo em que as forças armadas estariam no comando da nação. A chamada administração Biden teria, portanto, ficado enfraquecida. A estratégia de Trump para libertar a América das garras do Deep State parece, portanto, ser dividida em três partes.

A primeira parte do plano era deter o golpe que estava ocorrendo contra ele e ceder temporariamente o poder aos militares, sem, no entanto, ter feito qualquer anúncio público e sem ter mergulhado o país em um clima de guerra civil devastadora. A prova tangível de que o governo Biden não está fazendo o que deveria no papel vem de sua própria política. Joe Biden é um homem na folha de pagamento da China há anos. Sua missão era garantir que a América voltasse a trabalhar para garantir o domínio econômico e geopolítico da ditadura comunista chinesa, considerada pela cabala globalista o modelo da futura ditadura mundial.

A outra tarefa do homem da China era dar uma tremenda aceleração à Grande Reinicialização nos Estados Unidos e passar os passaportes vacinais raciais adotados pelos governos parte do regime de Bruxelas. Nenhuma dessas condições se concretizou. O Financial Times, principal jornal de finanças anglo-saxões, teve de reconhecer com frustração que, na prática, Biden está fazendo exatamente o que Trump teria feito em relação às relações com a China. Mesmo Pequim não demorou muito para perceber isso, tanto que cancelou uma reunião diplomática há muito planejada com seu homólogo americano.

Quanto à divisão dos cidadãos em duas categorias, como vacinados e não vacinados, todos os estados americanos estão tomando medidas que vão na direção oposta. Eles estão proibindo explicitamente qualquer lei que preveja a exclusão da sociedade de qualquer pessoa que não tenha um certificado de vacinação racial. Os Estados Unidos, portanto, não se juntaram à União Europeia em direção ao novo mundo, no qual há espaço apenas para aqueles que se curvam aos abusos do Leviatã global.

O bloco euro-atlântico, que tem sido a espinha dorsal da ordem liberal internacional desde a Segunda Guerra Mundial, não foi recomposto. Os Estados Unidos continuam distantes da sociedade autoritária concebida por Klaus Schwab, ideólogo da Grande Reinicialização e presidente do fórum de Davos.

A segunda parte do plano de Trump: os relatórios eleitorais

Esse interlúdio de uma administração Biden que não estava realmente no cargo serviu, portanto, a Trump para dar vida à segunda parte de seu plano. Ganhe tempo suficiente para permitir a recontagem de votos em estados-chave que já chegaram ao fim no Arizona. Graves irregularidades já surgiram neste estado e Wendy Rogers, membro do Senado do Arizona, já lançou uma iniciativa para revogar eleitores do distrito eleitoral, 11 para o Arizona.

Da mesma forma, o senador Brandon Beach também começou a expor abertamente a ideia de reconvocar os eleitores estaduais enviados a Washington, no caso da Geórgia, 16. O número mágico é 3. Uma vez que três estados reconheçam seus constituintes, todo o andaime da fraude eleitoral desmorona completamente.

A evidência da fraude não está apenas vindo da recontagem, mas também da pesquisa cibernética que o empresário americano próximo a Trump, Mike Lindell, dono do MyPillow, vem conduzindo há semanas para identificar os responsáveis ​​pelo hacking cibernético das eleições americanas. Lindell anunciou para dia 10/08 o início de uma conferência de dois dias em que serão apresentadas evidências que podem potencialmente acelerar ainda mais a desintegração do golpe eleitoral e o retorno oficial de Trump ao cargo.

A grande mídia está começando a se preocupar tão seriamente que soa o alarme sobre este evento. O Atlantic Monthly , uma publicação de propriedade da viúva de Steve Jobs e próxima ao Aspen Institute of Rockefeller, achou por bem dedicar um editorial interminável assinado por Anne Applembaum intitulado “O cara de MyPillow poderia destruir a democracia americana”. O Atlantic Monthly é a voz dos lobbies atlantistas e sionistas que incorporaram o poder ocultista de Washington por décadas.

Esses círculos estão tão preocupados que não vêem uma saída. As proporções da fraude são tão grandes que não podem mais ser ocultadas. O especialista eleitoral e ex-membro do exército Seth Keshel falou de oito milhões de votos transferidos de Trump para Biden. O próprio Donald Trump relatou as conclusões da análise de Keshel pedindo para fazer algo “imediatamente”. O sistema está, portanto, perfeitamente ciente de que o castelo de cartas construído em novembro está começando a vacilar cada vez mais.

A terceira parte do plano de Trump: derrubar os homens da cabala (NOM)

A terceira parte do plano de Trump parece intimamente ligada à segunda, ou seja, atingir e afundar os membros da cabala globalista e o Partido Democrata que apoiava essa fraude. O primeiro grande democrata que está prestes a cair parece ser Andrew Cuomo, o governador do estado de Nova York que transformou seu estado em uma verdadeira prisão a céu aberto semelhante à vista no filme de John Carpenter, “Escape from New York”.

Cuomo está praticamente à deriva. Várias mulheres o acusaram de assédio sexual e o establishment do Partido Democrata já praticamente o dispensou. Nancy Pelosi e Joe Biden estão pedindo abertamente sua renúncia. O governador, porém, não parece ter intenção de desistir. Em vez disso, ele preparou memórias defensivas em que imagens de outros políticos democratas abraçando e tocando as pessoas em público são anexadas.

A mensagem, não muito velada, parece ser clara. Se os democratas tentarem se livrar de Cuomo, Cuomo pode abrir as gavetas sobre seus escândalos. Ninguém se torna governador da cidade mais poderosa do mundo sem conhecer os segredos mais sangrentos e indizíveis da alta sociedade de Nova York. Trump já entendeu perfeitamente o alcance explosivo do caso Cuomo e definiu o mês de agosto como um período bastante quente para o que pode acontecer em relação a este escândalo.

Se Cuomo entrar no modo kamikaze, a bomba explode e pode atingir membros democratas poderosos próximos ao governador de Nova York. A outra peça premiada que é indiretamente afetada por um grande escândalo é George Soros. Seu ex-braço direito, Howard Rubin, que trabalhava para o financista que é um falso judeu ashkenazi, é acusado de abusar e estuprar várias mulheres.

Um deles disse que Rubin durante uma sessão de sadomasoquismo teria gritado com ela que a teria estuprado como se fosse “sua filha”. Agora, esse escândalo pode ser uma vergonha enorme para Soros porque um de seus homens mais confiáveis, se as alegações forem confirmadas, seria um estuprador em série e potencialmente até mesmo o torturador sexual de sua própria filha.

É muito fácil imaginar que, se Rubin se sentisse encurralado, poderia fornecer algumas informações incômodas sobre seu ex-empregador, George Soros, na esperança de amenizar uma possível condenação. O momento das acusações dessas mulheres contra os poderosos do Deep State financeiro também deve ser observado.

Até agora eles não haviam falado nada. Parece bastante provável que essas mulheres tenham encontrado coragem para falar agora porque lhes foi oferecida alguma proteção que parece vir dos homens de Trump. O mentor da estratégia para afundar os homens da cabala parece ser ele: Donald Trump.

A peça mais importante do tabuleiro, no entanto, ainda está para chegar e é o homem que desempenhou um papel fundamental na operação terrorista do coronavírus: Bill Gates. A este respeito, uma entrevista bastante singular dada por Gates à CNN deve ser gravada. Nesta entrevista, o magnata da Microsoft sentiu a necessidade de se desculpar por seus relacionamentos de 10 anos com o bilionário pedófilo Epstein.

O que parece anômalo é o fato de que Bill Gates só agora sentiu a necessidade de se distanciar do pedófilo que trabalhava para o Mossad. Para entender o que levou o homem da vacina a se desculpar, precisamos voltar a março deste ano, quando Melinda Gates pediu o divórcio do marido. Os jornais divulgaram o boato de que Melinda havia pedido o divórcio de seu marido, Bill, por sua intimidade com um pedófilo.

No entanto, essa explicação também parece incongruente. Epstein morreu dois anos antes. Esses jantares íntimos fazem 10 anos, e Melinda Gates nunca deixou escapar nenhum constrangimento nos últimos anos. A sensação é que Melinda Gates se afastou de seu marido pouco antes que ele pudesse ser atingido por algum grande escândalo.

Da mesma forma, o homem do cartel farmacêutico parecia quase querer antecipar as consequências e repercussões que esse eventual escândalo que o veria envolvido com o pedófilo Epstein poderia trazer. Os Estados Unidos, portanto, parecem perto de uma espécie de redde rationem. Uma batalha que começou vários anos antes entre Trump e os militares leais a ele, por um lado, e o poder globalista, por outro, que deseja desesperadamente recuperar o controle da América.

O Deep State está tentando lançar um último ataque para tentar recapturar os Estados Unidos. A estratégia desses círculos é tentar se infiltrar nos militares americanos para trazê-los a servir aos interesses da causa das finanças internacionais. George Soros já é muito ativo nesse sentido por meio de um de seus ex-colaboradores que coordena um programa para identificar “extremistas” nas Forças Armadas dos Estados Unidos.

Sinais desse choque entre os militares leais a Trump e as forças do Deep State já começam a ser vistos no país. O canal americano One America News relatou como movimentos de tropas do exército foram registrados em território americano. Roy Potter, um ex-membro da inteligência militar dos Estados Unidos, confirmou os mesmos movimentos completamente anômalos.

De acordo com Potter, o Pentágono ordenou que as autoridades “mantenham suas casas arrumadas” , uma expressão que significa manter suprimentos suficientes de comida e água em suas casas para lidar com uma situação de emergência. O que está em andamento é, portanto, uma batalha cujas consequências são enormemente mais relevantes e decisivas do que aquela travada por Abraham Lincoln contra a família Rothschild, que já queria assegurar o domínio absoluto sobre esta nação no século passado.

Esta nação foi originalmente concebida pela Maçonaria para assumir o papel de uma nova Atlântida, uma superpotência que tinha a missão de arrastar o resto do mundo para a ordem mundial totalitária desejada pela grande potência transnacional. Agora, porém, o destino, ou Providência, queria que ele ficasse incrivelmente do outro lado da barricada, tanto que, junto com a Rússia de Putin, assumiu o papel de katechon político.

Por katechon , neste caso, queremos dizer a força que impede o surgimento da sociedade autoritária global dominada por uma figura tirânica anticristã. O mês de agosto, portanto, parece repleto de acontecimentos capazes de mudar não só o destino da América, mas também de todo o mundo. Os círculos globalistas estão perfeitamente cientes de que a direção que os Estados Unidos tomarão influenciará a direção que o resto do mundo tomará.

Estamos, portanto, prestes a chegar a um capítulo novo e provavelmente final nesta guerra entre a Nova Ordem Mundial e Donald Trump. A contra-ofensiva de Trump já começou há semanas e está começando a atingir os homens mais proeminentes nas profundezas do estado. O Deep State, por sua vez, tentará de tudo e tentará lançar seu ataque final, especialmente contra a Itália, Europa Ocidental, Israel e Austrália.

Faltam muitas peças decisivas para completar a Grande Reinicialização, mas Davos ainda tentará fazer tudo isso, mesmo que isso signifique uma derrota inevitável.

Os últimos meses de 2021 serão, portanto, os que decidirão o caminho que percorrerá toda a humanidade, agarrada por um lado pelos satanistas totalitários das finanças internacionais e, por outro, pela perspectiva de poder voltar a viver como homens livres depois de pagar um preço muito alto pela destruição econômica e moral perpetrada por governos europeus corruptos, servos do poder globalista.

Serão meses turbulentos porque a cabala em seu delírio de onipotência ainda tentará seguir em frente. Ao final dessa guerra espiritual, antes mesmo de ser meramente material, será possível voltar para ver a luz. O momento do ajuste de contas agora parece estar realmente sobre nós.

 

Nota deste site: Como autor deste site eu afirmo que Trump é sim um grande obstáculo para os agentes da NOM. Por outro lado, Trump não sabe de tudo, por exemplo: recentemente ele disse que são seguras e recomendou as vacinas Pfizer e Moderna, justamente as mais perigosas. A América já fracassou diante da NOM. A Europa também já fracassou. O Brasil ainda não, mas segue vacinando e isso significa que vai fracassar diante da NOM.

Compartilhe

Entre em contato com a gente!

×